quarta-feira, 28 de dezembro de 2011

Para além do rio de merda, outras negociatas.

O exército de milicianos da lapa que povoa a blogosfera não descansa na inútil tentativa de defender o indefensável, mas por aqui tem o espaço democrático para fazê-lo, ao contrário do que acontece na cloaca virtual de seu patrão 288, por exemplo.

Por ocasião da publicação da nossa Campanha pela Verdade, que foi repercutida, como você pode ver aqui, pelo blog das meninas que procuram e acham o que fazer, houve um comentário singelo, que de tão tosco poderia passar despercebido.

Diz o (a) comentarista que o rio de cocô enfeitado, assim o está porque o cocô que ali boia, corre e fede, não é de "competência!" municipal.

Eureka!

Assim, em um passe de mágica a administração local se desfaz do escárnio e da vergonha de ter jogado 18(?)milhões pelo ralo, literalmente.

Mais um tapa na cara do eleitor e contribuinte. Ora, vão se queixar ao bispo se a merda está fedendo.

Pois sim, o que esquecem de dizer, ainda que eu considere que a gestão dos canais é tarefa dos órgãos estaduais ou federais, é que o cocô ali jogado é obra da empresa de águas, concessionária do poder público municipal, ou seja, antes de qualquer intervenção, o poder municipal deveria ter requerido ou conveniado com outras esferas de poder a resolução do problema do esgoto sanitário ali despejado, e não desperdiçar o seu, o meu, o nosso dinheiro.

Bom, mas tem mais de onde veio.

A bronca do pessoal da lapa é seletiva, sempre, e a cretinice não tem par, pois vejam:

Se é verdade que nosso município(tão pobrinho!)não tem responsabilidade, nem obrigação de gastar seus (pouquíssimos) recursos com obras que deveriam correr às expensas do Estado e da União, como explicar a bilionária duplicação do trecho pequeno da Campos-Farol, que sabemos custou três vezes por quilômetro o que foi gasto pelo Senhor X na estrada do Porto? Ali se trata de uma estrada estadual, ou não?

E o pacote de bondades com nosso dinheiro não para. Esse blog soube que já foi liberado e vão começar as obras no trecho de BR 101 entre Campos e Travessão, que será municipalizado, e ficará sob responsabilidade do município, desonerando a "pobre" concessionária da rodovia federal. Vamos pagar pedágio e ainda gastar nosso tributo municipal para custear um trecho que deveria ser da União.

Por derradeiro, temos os trecho que facilitará o acesso de caminhões ao Porto do Açu, que compreende Ururaí, Jockey Clube e passaria pelo assentamento Zumbi na Usina São João, ligando ao trecho da BR que vai para o Espírito Santo.

É bem possível que seja o contribuinte campista que pague para os caminhões do porto trafegarem com mais facilidade.

Então, vamos combinar:

No caso do rio de cocô, o que houve foi uma escolha. Só isso. O resto é conversa de puxassaco para justificar o caraminguá que lhe molha o bico.


3 comentários:

Flávia disse...

Bela observação...Eu e outras pessoas estamos tentando compartilhar esse post no face,mas não está indo...algum problema no blog quanto à reprodução de matérias?

douglas da mata disse...

Não que eu saiba, Flávia, embora eu não seja usuário de rede social.

Um abraço.

Antônio Rangel disse...

Sobre o pacote de obras 2012 de 1 Bilhão..

Ou seja nada realmente estruturante.. Nada sobre terminar a ponte Alair Ferreira..

Se for como em 2009/2010/2011 veremos muitas obras de gosto discutível e superfaturadas, isso sim.

Acorda oposição, dou um recado a população para que não se venda, escolham bem seus candidatos sem alegorias, fantasias de carnaval ou maquiagens, truques baratos, práticas diversionistas que no fundo serve para angariar votos de pessoas de pouco ou quase nenhum tirocínio..

Será que o povo Campista sofre da Síndrome de Estocolmo onde as vítimas amam e defendem seus algozes? Não posso acreditar
nisso!!

http://pt.wikipedia.org/wiki/S%C3%ADndrome_de_Estocolmo