quinta-feira, 10 de novembro de 2011

Perguntar às vezes ofende.

Eu vou fazer um adendo, e juntar minha dúvida a da Jane Nunes expressa nesse texto em seu blog:

Se o que foi alegado para liberar servidores para irem ao Rio, por conta de uma manifestação promovida pelo PR, inclusive com alusão ao partido nos banners de propaganda, era o interesse público comum da luta pelos royalties, eu pergunto:

Apenas porque a manifestação ocorre por conta do governo do Estado e outros entes da sociedade fluminense, o interesse público para liberar os servidores desapareceu? Onde está o ponto facultativo para que esses servidores possam engrossar as fileiras do evento?

Bom, se havia alguma dúvida da ilegalidade daquele ato, acabou agora, pois a total falta de isonomia para tratar as questões semelhantes, já revela a má-fé de quem o praticou, ou seja: O suposto interesse público(a luta pelos recursos)está submetida a agenda eleitoral privada da prefeita e seu marido.

Um comentário:

Anônimo disse...

Fica claro que eles não têm interesse em defender royalties coisíssima nenhuma, mas apenas buscar prestígio pessoal usando dinheiro público e acusar o outro pela derrota iminente.
Se o interesse verdadeiro fosse a defesa dos royalties eles teriam se unido.
A família da Lapa não consegue diferenciar um adversário político de um inimigo, por isso não consegue unir forças, só aglutina problemas.
Qualquer outro dos desgovernos anteriores teria sido capaz de somar forças, num momento tão delicado, mas o Governo do ódio só consegue dividir, criticar e polemizar.
A família de Garotinho é um cancer a ser extirpado da vida pública.

Nascimento Jr