sábado, 26 de novembro de 2011

Antecipando o breque.

A auto-referência não é uma boa companheira, nem conselheira. Mas é preciso, às vezes, denominar a origem das coisas para situar o debate.

Pior que a arrogância é a falsa modéstia. Vamos à vaca fria:

Como em toda mediação e repressão de abusos ou de infrações à Lei, quando se aplica força desproporcional, ou se pune com extremo rigor uns, enquanto ignoram ou dão medida proporcionalmente menor de castigo a outros de conduta igual, estamos tão somente a formalizar injustiças, baseados em uma escolha política: Punir os mais fracos, e favorecer os mais fortes.

Estranhamente, toda vez que se fala em punir os excessos da mídia grande e ordinária, os editoriais disparam os brados furiosos contra a censura, etc e tal. Toda vez que se pune blogs e blogueiros, toda força é pouca, e pululam em todos os cantos uma caça às bruxas, dando conta o enorme mal que blogs sujos e irresponsáveis causam nas "melhores reputações e famílias".
Aos que podem, o direito, aos que não podem, a Lei.

Não trata, repito, de incentivar ou liberar o vale-tudo, a ofensa, o escárnio, o dano moral irreparável, mas de dar a correta dimensão a cada caso, e enxergarmos a luta política que está por trás de cada evento.

Nessa interminável discussão sobre limites da liberdade de expressão, da censura, e dos exageros de TODAS as partes, tanto na internet quanto nos outros meios de mídia ordinária(comum), esse blog sempre advogou a tese de que a natureza da rede, principalmente a dos blogs, é a possibilidade de reparação e composição imediata dos conflitos, dando a parte ofendida o mesmo espaço e alcance do texto que lesou seu direito, ainda que supostamente.

Nenhum outro meio confere essa chance, exceto, talvez, o rádio e as participações ao vivo, por telefone, ou com a presença do ofendido.

Isso foi fundamental para desenvolvermos a ideia(que não é só nossa, diga-se) de que: Antes de medidas judiciais extremas, como aconteceu, por exemplo com o blog de São Francisco, inclusive com a apreensão de seu material de informática em sua casa, deveria o Estado incentivar que a parte ofendida procurasse, junto ao meio agressor, a publicação do direito imediato de resposta, e a retirada do texto ofensivo em alguns casos.

O pedido poderia ser enviado por e-mail, com a impressão e certificação em cartório do pedido enviado e seu status de enviado e recebido, sob pena, aí sim, das medidas repressoras judiciais, em caso do não atendimento.

Pois eis que a notícia do acordo e devolução do material do blogueiro de S.Francisco nos dá a certeza de que estamos no caminho certo, e que nosso raciocínio era tosco juridicamente (pela nossa incapacidade no tema), mas não desprovido de sentido prático.
Quem sabe esse entendimento nessa ação particular não provoque uma percepção ampla dos tribunais e operadores do direito no amadurecimento das relações entre todos que militam a blogosfera e os conflitos inerentes a esse convívio?

Diante da homologação do acordo, fica a pergunta: Antes de promover a invasão da casa do blogueiro, não podia a Justiça obrigá-lo a fazer o que se convencionou a fazer agora?

Um parêntese: O blog de São Francisco, estranhamente, se valeu da mobilização de toda rede, mas apenas divulgou o fato pelo blog de sua preferência. Aqui outra característica da liberdade da rede, e das escolhas que cada um faz, e que aqui sempre será respeitada, embora lamentemos. Seria a hora dele enxergar a importância do tema que protagonizou, e espalhar o máximo o deslinde da causa onde esteve como pólo passivo.
Mas alguns não enxergam muito bem  o tamanho dos episódios em que estão inseridos, e algum grego famoso já disse isso no Mito da Caverna.

Como dissemos à época, ainda que o blogueiro em questão não mereça a mobilização, ela se deu pelo sentido que existe no ataque a liberdade de expressão, inestimável valor e princípio que deve alcançar todos que vivem na Democracia, principalmente, os que não se preocupam com ela, ou se preocupem apenas quando são atingidos pelo autoritarismo.

4 comentários:

Fabrício Freitas disse...

O blogueiro em questão que muitos insinuam não merecer o apoio da blogosfera, na verdade em SFI, uma cidade marcada pela violência na política, faz a única oposição ao governo municipal. O governo de Beto da Saúde como é sábido por todos tem sido marcado por escandalos e corrupção. Quanto a notícia publicada em A Mosca Azul esta não foi enviado pelo blogueiro e sim retirada de seu blog horas depois de postado. Por tanto não tendo havido nenhuma prioridade.

Att,

Fabricio

douglas da mata disse...

Caro Fabrício,

Pior que insinuação, é a insinuação da insinuação. Ninguém disse que ele não mereça apoio da blogosfera, até porque, esse blog, por exemplo, enxerga a questão para além das preferências políticas do blogueiro de SFI, e isso foi dito em todos os textos.

O que questionamos é que o fato dele ser oposição em SFI não afastar o fato dele cerrar fileiras com o grupo político que, justamente, faz por aqui, o que ele denuncia que é feito pelo governo de lá.

Logo, ainda que repilamos a censura que lhe foi imposta, não podemos deixar de notar a incoerência de lutar por democracia, funcionando como "cabeça-de-ponte" da quadrilha autoritária da lapa.

Mas como já disse, essas são questões menores, mas muito me estranha que você festeje o que o blogueiro faz por lá em SFI, pois é justamente o que fazemos aqui, e vocês tanto criticam e desqualificam.


Detalhe: A"opção" a Beto em SFI é Barbosa Lemos(argh), com apoio do grupo da lapa, ao qual o blogueiro de SFI tem afinidade, que sinceramente, na minha tosca opinião, não reúne nenhuma vantagem comparativa em relação ao que lá já está.

Saudações cordiais.

douglas da mata disse...

PS: Na blogosfera, há certos "protocolos".

Quando blogs lhe apóiam, e repercutem sua causa, é de bom tom, quando surte o efeito desejado, enviar os agradecimentos.

Marcelo Siqueira disse...

Na verdade faz oposição defendendo seus interesses. Até aí nada de errado, desde que eles não sejam escusos. Aliás, para lembrar, Arnaldo e Garotinho fazem oposição entre si.