domingo, 9 de outubro de 2011

Uiii...que mêêêdaaaa....2

O editor-de-coleira chefe já deveria saber, mas como seu dois únicos neurônios se dedicam a buscar formas de puxar saco, não lhe sobra espaço para pensar.

Que bom que o editor-de-coleira chefe passará da falação para a ação. Já estava ficando feio.

Vai ser ótimo, em Juízo, sabermos de quem é a rádio do ordinário, as origens das verbas publicitárias, e como a prefeitura e a municipalidade irriga o esquema de comunicação que lhe favorece, e que portanto, paga salários de funcionários do veículo onde ele diz atuar.

Bom que veremos reafirmados em outra sentença os laços que já condenaram seus chefes, e outros radialistas de coleira.

Vamos poder enfim, descobrir, através da lide judicial, quem é o dono do grupo de comunicação, como o comprou, com qual dinheiro e sob quais condições, haja vista que todos serão chamados ao processo. Poderemos, inclusive, como garante a ampla defesa, esquadrinharmos as contas do jornal e da rádio, a fim de possamos provar o que suspeitamos: Boa parte das receitas advêm da propaganda oficial, ou da propaganda oficial "terceirizada" pelas empresas que contratam com a prefeitura.

Nesse sentido, mesmo que eu perca a lide, ficarei satisfeito em desnudar tais meandros insondáveis. Como dizem: "pagarei um gosto, e mais vale um gosto que um tostão".

Saberemos, por exemplo, como se conflitam os interesses de empreiteiros, donos de empresas de ônibus, e outros prestadores, que depositam gordas partes do que apuram nos contratos públicos em propaganda do grupo onde "trabalha" o editor-de-coleira.

Esse pessoal vai adorar a publicidade, afinal, falem mal, mas falem deles, não é?

Vai ser divertido, e por esse prazer, eu só posso agradecer. Assim como parte indignada da população campista, que vê seu dinheiro escoar pelos ralos da comunicação, sem qualquer tipo de controle ou transparência.

2 comentários:

Millena C. Manhães disse...

Essa briga vai ser mto boa e sou + os nossos queridos blogueiros livres. Eu, por exemplo, gostaria de saber várias coisas:

- Qual é o salário de diretor, editor ou sei-lá-o-que de coleira?

- Durante os meses em que os funcionários do jornal O Diário ficaram sem receber seus salários, o editor, diretor ou sei-lá-o-que de coleira também ficou sem receber o seu?

- Ou continuou recebendo o seu normalmente, enquanto os demais companheiros de trabalho passavam por dificuldades financeiras?

- Quanto a PMCG paga pelos anúncios no jornal e na rádio O Diário? (Exijam o abertura pública dessas contas, blogueiros!)

- Qto cada empresa que tem contrato com a PMCG paga pelos anúncios publicados nos mesmos órgãos?

- Por que logo depois de um leitor questionar no tal blog de coleira sobre a vacância no cargo de subsecretário de Comunicação(que ficou meses sem ser ocupado), trataram imediatamente de indicar um novo ocupante para o mesmo?

E tenho certeza que diversas outras perguntas vão surgir. E vou querer saber das respostas.

Nós, leitores, estamos com os blogs independentes. Chega de ameaças, basta de fascismo. Acho que temos de denunciar essas arbitrariedades no Facebook e no Twitter. Vamos mostrar pro Brasil a cara dessa gentinha!

douglas da mata disse...

Grato Millena pelo apoio. A causa é justa.