quinta-feira, 6 de outubro de 2011

Uiiii....que mêda!

Eu não tenho procuração para defender Cláudio Andrade, e todos sabem que discordo do seu apoio ao deputado rh, por exemplo, mas isso é uma opção dele, só dele.

Mas eu não pude deixar de rir, quando li uma ameaça, feita por um editor de coleira, sobre um possível processo que o Cláudio sofreria, por ter escrito sobre as maquinações dos DEMOS, junto com o deputado-prefeito.

As ligações de subordinação do partido dos DEMOS já está clara e expressa em todos os jornais e veículos da região, e já bastaria para comprovar o que toda a blogosfera já disse.

Mas o que escapou ao pequeno intelecto do editor, foi a nota de um blog que ele hospeda em seu ordinário jornaleco:


GAROTINHO INTERVÉM E DEM RECUA



Ora, se tem poder para intervir para "cessar" o movimento de destituição da mesa diretora, porque não o teria para deflagrá-lo?

As palavras do preposto partidário do deputado, que comanda os DEMOS por sua ordem, são inequívocas: recebeu um telefonema do deputado, que determinou a retirada da petição que pretendia impugnar a mesa diretora.

Se eu fosse o Cláudio, já estaria fazendo as contas. Vai receber um bom caraminguá nessa ação, se ela vier de verdade.

Um comentário:

Anônimo disse...

Rádio Diário FM colocou jingle de Rosinha no ar. Pode?

Uma pergunta para os nossos consultores jurídicos de plantão na blogosfera: o que aconteceria se, ao contrário de uma entrevista com a então pré-candidata à Prefeitura de Campos, Rosinha Garotinho, a rádio Diário FM tivesse colocado no ar um jingle de campanha inteirinho, fora do período eleitoral, fora do horário do TRE?

Pois foi isso o que aconteceu na última sexta-feira, 30 de setembro, no Programa Diário RJ, pouco depois das 18h. Eu ouvi com estes ouvidos que a terra desta planície haverá de comer. A Justiça Eleitoral e eventuais opositores podem pedir a gravação que lá encontrarão a propaganda extemporânea.

O cenário era o da comemoração pela conquista da liminar que manteve a prefeita no cargo por mais 30 dias. O apresentador, jornalista remunerado pela Prefeitura na estrutura da Secretaria de Comunicação, abriu com entusiasmo o programa e chamou a “música” que, segundo ele, todos queriam ouvir naquele momento. Era nada menos que o jingle “É Ela”, usado na campanha eleitoral de Rosinha Garotinho.

A cassação da prefeita se deveu, justamente, à propaganda fora de época antes das eleições de 2008, na própria rádio Diário FM. Ela e seu grupo político se defendem com o argumento de que era apenas uma entrevista. Mas, e a veiculação de um jingle de campanha, pode?

Ou será que é crime, mas daqueles que compensam.

Que avacalhação é esta!!??
Cadê os partidos de oposição PT, PCB, PMDB, etc., que consentem com esta barbaridade!.

Estão muito silentes, deveriam requisitar a gravação e entrar como litisconsorte para reforçar o processo de 2008 requerendo a gravação.

Não se pode falar em prescrição quando o “crime” é continuado..

http://urgente.blogspot.com/2011/10/radio-diario-fm-colocou-jingle-de.html