sexta-feira, 7 de outubro de 2011

Oba-oba na casa da mãe joana, ou: prefeitura municipal de campos dos goytacazes

O tom irônico das postagens sobre a invasão do espaço público, nesse caso aqui , por um trayller no Jardim Carioca, mas se irradia pelos mais diversos setores da sociedade e de atividades econômica, não esconde nossa indignação.

Uma coisa estranha nessa cidade é que há poucas coisas universais, ou "democráticas", onde todos, de cima a baixo na pirâmide social cometem os mesmo abusos. E por que? Pela completa ausência de poder público, que deve impor o império da lei, e disciplinar o bom uso do que é de todos, a tão falada coisa pública.

Lojas, trayllers, restaurantes, oficinas, empresas, nos endereços mais chiques aos mais modestos. Não há quem não expanda seus domínios sobre o que não é dele, mas nosso.

Nossa patrimonialismo é um traço cultural de nosso convívio em sociedade, e estrutura nossa própria concepção de Estado.

Logo, um trayller instalado em cima de uma calçada de uma avenida que recebe intervenções oficiais (asfalto novinho em folha) não é um mero incidente, uma aberração.
Nada disso, é só mais um exemplo de como as coisas funcionam, de como são mediados os conflitos(com favores para amigos, e leis para os outros).

Se é verdade que boa parte da população se locupleta, e alimenta, e movimenta a roda de vícios e privilégios, o fato é que cabe ao poder público, por imposição LEGAL, senão por bom senso e coragem política, fazer a LEI ser cumprida por todos.

Mas nesse quesito, CUMPRIMENTO DA LEI  ou OCUPAÇÕES ILEGAIS, o pessoal do governo não é muito bom no exemplo, como vimos recentemente.

E repetimos:
EXEMPLO NÃO É A MELHOR MANEIRA DE ENSINAR, É A ÚNICA, portanto...nessa cidade as coisas ficam mais ou menos assim:

Uma boa parte da população elege e concorda, porque se beneficia, aqueles que tratam a coisa pública como se fosse seu patrimônio privado. Essa é nossa ótica de Democracia.


Nenhum comentário: