sexta-feira, 14 de outubro de 2011

Bem pertinho do fim do mundo.


O fim do mundo não é em 2012 como pregam alguns malucos.

É hoje, foi um pouquinho ontem, e com certeza, será também amanhã. Como tudo, o mundo com certeza, vai acabar.

Pode ser que um meteoro desgarrado nos atinja daqui a duas semanas, e só as mais altas autoridades saibam, para evitar que soframos mais e nos acabemos em pânico antes, e que só o que ou aquilo eles achem relevante esteja sendo preservado em algum submundo qualquer, como um enredo de filme B de roliúdi.

Pode ser daqui a centenas, milhares, bilhões de anos, o que faz pouca diferença, na medida que a escala linear de tempo é um artifício nosso para compreender as coisas.

Enfim, todo dia que começa, é um pouco mais de fim.

Mas eu recebi um e-mail, que veio através de minha amiga Jane Nunes, com um pedido carinhoso de divulgação. Só hoje abri a caixa de e-mails onde estava essa mensagem aflita, e quando olhei os blogs irmãos, já tinham multiplicado o pedido.

Como a blogosfera não compete, mas converge e se completa, vou dar minha modesta contribuição, do meu jeito, como sugeriu a Jane.

Mas por que falar de fim do mundo, e de toda essa baboseira pseudo-filosófica e pseudo-intelectual de tempo, fim de mundo, etc e blá, blá, blá?

Simples.

Mais uma vez vamos dizer: Uma prefeitura que torra bilhões e bilhões sem qualquer utilidade que não seja sustentar o esquema político que mantém a prefeita e seu marido prefeito no poder, para que usem essa prerrogativa como plataforma de seus projetos regionais e estaduais, abandonar um contribuinte à própria sorte, é o FIM DO MUNDO.

Não se trata de relegar o problema a uma questão de falha localizada, passível de acontecer em qualquer sistema de atendimento público, mas pelo fato de que esse grave atentado a saúde e direito à vida de uma pessoa acontece todos os dias, pela total e completa ausência de política pública, planejamento, e competência para gerir os destinos da saúde municipal.

Nessa caso divulgado fica clara a insensibilidade, a surdez burocrática, enfim a TOTAL FALTA DE ATENÇÃO com alguém que não está mendigar favores, mas pedir o que lhe é de direito, constitucional inclusive:
"(...) Art. 6º São direitos sociais a educação, a saúde, a alimentação, o trabalho, a moradia, o lazer, a segurança, a previdência social, a proteção à maternidade e à infância, a assistência aos desamparados, na forma desta Constituição.(...)"
 O caso que a blogosfera divulgou, e a que agora vamos publicar ali embaixo, não é uma exceção, mas uma regra incômoda, que só veio à tona porque furou o bloqueio midiático do governo. Não é uma queixa de dois dias de atraso, mas de três MESES.

Há outros desesperados em casa, nas filas, nos hospitais públicos, onde médicos e profissionais, aviltados e envergonhados, juntam-se aos paciente em desespero.

Fatiada em duas, a secretaria é prova de que, no caso desse governo, duas cabeças não pensam melhor que uma, simplesmente porque pensar não é atributo indispensável para estar no governo. Basta fidelidade canina.

É o FIM DO MUNDO que a dengue continue a nos rondar como se fosse uma peste da Idade Média.

É o FIM DO MUNDO que o sistema de compras (tão eficiente em adquirir produtos por preços exorbitantes, como leite em pó, dentre outros)não consiga manter as farmácias com seus estoques.

Se o FIM DO MUNDO pudesse ter um endereço, a plaquinha indicativa estaria pendurada da secretaria municipal de saúde.

Leiam o apelo de um contribuinte da cidade que tem um Orçamento que está entre os 15 maiores do país que é está entre os 20 (G20) mais ricos do planeta.


"PEDIDO URGENTE À PREFEITA DE CAMPOS
(Por e-mail)

 eu estou lhe escrevendo para pedir a sua ajuda. 

Meu pai se encontra muito doente com câncer e precisa de fazer um exame chamado PET CT(PET de corpo inteiro ´) tratamento fora do de domicilio. A mais de três meses que não faço outra coisa a não ser ir todos os dias na secretaria municipal de saúde de Campos e até hoje não temos nenhuma resposta, cheguei á abrir processo e nada resolve, o numero do processo aberto 2011.0191851-MM em nome de Carlos Roberto da Silva é um absurdo eles tem dinheiro para fazer show e mais shows, só não tem dinheiro para tratamento de saúde, aonde anda o dinheiro dos royalties? um cidade com um orçamento de dois bilhões e não tem condição de pagar um exame? 

Por favor, me ajude, pois estou desesperado sem saber a quem recorrer.

Charlés dos Santos Silva. Telefone de contato: 99189469"




Nenhum comentário: