sexta-feira, 2 de setembro de 2011

Um túmulo, por favor?





Alguém, por favor, sepulte as pretensões da noiva cadáver. O quê? Você não sabe de quem se trata? Ora, o médico & monstro que anda perambulando por cemitérios-redações, oferecendo para ser cabeça de alguma candidatura Frankstein, e a procura de partes mortas de partidos para construí-la.



A tese do noiva-cadáver é um primor de auto-centrismo: Se alguém achar que tem a cabeça melhor, vai ter que provar. Ué, na ciência inexata e instável da política, qual o critério lombrosiano (*) que o ilustre quase-desconhecido vai adotar?

Brincadeiras à parte, o discurso do médico revela a quantas anda sua noção do processo político, e qual a referência que utiliza para manter alguma interlocução: O próprio umbigo.

Eu não tenho nada contra o doutor encontrar sentido na vida, e espantar a depressão com a exposição ao ridículo. A vida é dele, e ele sabe o melhor para si.

Engraçado é ver o pessoal bater palma para ele dançar. Esses jornaleiros são uns gozadores mesmo! E o doutor nem percebe que estão sacaneando ele!



(*) Cesare Lombroso foi o médico italiano que formulou a tese de antropologia forense, de inspiração positivista (e determinista) que associava características fisiológicas, como o formato da cabeça, para delinear o perfil de certos criminosos e psicopatas.

2 comentários:

Anônimo disse...

Ou ele está se fazendo de bobo? Não acredito na sua ingenuidade!

Anônimo disse...

Ele está jogando pra galera pra ver a reação da população. De bobo não tem nada!