sexta-feira, 23 de setembro de 2011

É hoje!

Se alguém resolver cercar a praça, hoje, durante a manifestação mamãe-eu-quero-mamar, vira presídio!


Se colocar uma lona em cima, vira circo!



Lá estarão, com alguma ou outra defecção, todos os setores que sugaram e esvaíram os royalties do petróleo em benefício de suas corporações, e em alguns casos, em benefício pessoal, sem que a população pudesse experimentar a prosperidade que bilhões de reais poderiam ter proporcionado.

Ninguém, nem o mais bairrista dos cidadãos dessa cidade pode afirmar que, ao chegar aqui pela primeira vez, sem nada saber sobre nossa história recente nos últimos 20 anos, seria capaz de afirmar que essa é uma cidade que foi regada com essa montanha de recursos.

De nada adianta os cretinos da lapa, e seus assessórios, argumentarem ou culparem governos anteriores. Não houve ruptura no MODELO de gestão que inauguraram, onde o dinheiro público foi apropriado para reverter em benefício de grupos partidários, que financiam suas campanhas com orçamento desviado pelos sócios empreiteiros, tudo sob o consenso domesticado da mídia, que também funciona como predadora dos royalties, em contas de publicidade nebulosas e negócios escusos.

Desde a parte de cima, até a parte mais desfavorecida da sociedade, a relação com o poder público é de compadrio, de cooptação. Não há reconhecimento de direitos, mas apenas a troca de favores, e assim, a noção de coisa pública se esvai pelo ralo.

Usinas falidas, empresas de ônibus sucateadas, obras faraônicas, saúde em frangalhos, educação medíocre, desrespeito ao servidor, terceirizados e contratados em número que ninguém sabe, desperdício, enfim, o caos.

É claro que nós, eleitores, temos enorme parcela de culpa nessa situação. Talvez por sentimento de culpa, ou solidariedade às péssimas escolhas que fizemos, é possível que alguém do povo se faça presente ao ato da prefeita cigarra(será que vai cantar?). Outros para defender seu ganho ameaçado.

Mas com certeza, ninguém que estará lá, hoje à tarde, teria coragem de olhar para si mesmo e dizer: "Nós merecemos esse dinheiro, porque sabemos como gastá-lo, e demos a nossa cidade uma perspectiva de futuro".

Então, pouco importa se lá estarão 10, 20 ou 300 mil. A adesão já está, per si,  viciada.

Um comentário:

Anônimo disse...

O PETRÓLEO VAI ACABAR. ELE NÃO EXISTIRÁ SEMPRE, POIS É UM RECURSO
NÃO RENOVÁVEL, E DEPOIS QUE ELE ACABAR COMO VAI SER?

Hoje, recebemos royalties para criarmos fontes de renda alternativas.
Nestes anos todos, nos governos passados e no atual, você já viu isto sendo feito? Existe alguma ação do Governo Municipal para criação de renda alternativa?

Eu conheci uma casa em Natividade que tem captação de energia solar. Até a água da piscina é aquecida. Aqui a Câmara aprovou, mandou para a prefeita e ela vetou. Por que o veto?

Quantos empregos poderiam estar sendo criados com este simples projeto? Quantas famílias seriam beneficiadas ao ter suas contas de energia elétrica reduzidas? Famílias do próprio Bairro Legal.

COMO QUEREM EXIGIR QUE PARTICIPEMOS DE UM ATO PÚBLICO DESTE SE NÃO PRESTAM CONTAS COM TRANSPARÊNCIA DOS RECURSOS RECEBIDOS?

Postagem completa em:

http://pensamentossubjetivos.blogspot.com/2011/09/royalties-x-ato-politico-em-campos.html