sexta-feira, 16 de setembro de 2011

"Antecipando o breque".

No meu tempo de criança, havia pequenos ditos, que comunicavam a ideia de quem uma pessoa, para evitar e censura e julgamento por algum mau feito, antecipava as conseqüências ou acusava antes o acontecido, para desviar a atenção.

Assim: "Galinha que canta é porque o ovo é dela!".

Mas há outro, mais usado pela molecada: "Quem acusa primeiro o cheiro é porque deu o pum!"

É disso que se trata a postagem do deputado condenado por formação de quadrilha, repercutida pelo seu secretário de propaganda, fato incomum, pois ele até hoje se mantém preservado da "linha de frente", como convém a quem manipula contas públicas de publicidade e a mídia local.

Existem poucas dúvidas de que teremos mais um daqueles episódios que tanto nos envergonham.

A maldade é que vai coincidir com o debate sobre o rateio dos royalties. Vai pegar mal...mais uma vez!

Essa operação que vasculha a prefeitura já está em curso há meses, e o "chefe" sabe dela. A expectativa é pela data do pouso do passaralho.

Aguardemos.

Um comentário:

Anônimo disse...

GAROTINHO, A QUADRILHA E O ELEITOR BRASILEIRO.
Pois é, mais uma condenação para o currículo “invejável” do ex-governador do Rio. Garotinho sapeca está sempre às voltas com denúncias de corrupção, loteamento de cargos, máfias disso ou daquilo e envolvido com os mais diversos tipos de falcatruas possíveis e imagináveis. Apelidado pelos críticos de “teflon” – porque nenhuma das denúncias parecia colar em sua imagem – parece que a garantia do antiaderente de Garotinho está acabando.
Condenado pela justiça eleitoral e tornado inelegível, agora Garotinho recebe nova condenação – desta feita criminal – pela sua participação na máfia que leiloava postos na Secretaria de Segurança e nas delegacias, durante o governo de sua esposa Rosinha Garotinho.
Mesmo que essas condenações só tenham vindo agora, a fama de Garotinho precedeu, em muito, a todas elas: Populista, incompetente e sempre denunciado por desmandos de todo tipo, Garotinho passou pelos cargos públicos que exerceu semeando denúncias contra si, sua esposa e seus assessores. O que causa estranheza mesmo é a incrível capacidade que o eleitor brasileiro tem de ignorar provas, acreditar em mentiras e tolerar verdadeiros barbarismos históricos e ideológicos. Mesmo diante de todos os sinais, provas, denúncias e fatos expostos, o eleitor continua votando, aplaudindo e prestigiando tanto Garotinho quanto sua família.
Qual será o segredo e a fórmula de tal sucesso, mesmo ante toda a avassaladora realidade?
Afinal, as primeiras providências de Garotinho foram: criar um “Cheque Cidadão” – tratava-se de uma bolsa de 100 reais distribuída exclusivamente em igrejas evangélicas mediante um “cadastro” prévio. Também criou o programa de “Restaurantes Populares” onde comida era servida por 1 real para qualquer pessoa. Fora isso, muita conversa fiada com associações de moradores de favelas e tolerância máxima aos avanços de construções irregulares, danos ao meio ambiente e todas as irregularidades possíveis e imagináveis.
Ao mesmo tempo, a “ideologia” de Garotinho e sua família era testada a exaustão. Sempre envolto em problemas e denúncias, sempre que seus planos de candidatura eram negados, trocava de legenda sem o menor pudor ou preocupação com questões programáticas e ideológicas: PT (isso mesmo), PDT, PMDB – tentou voltar ao PDT e foi recusado – e, atualmente, está no PR. Como se vê, os mais diferentes programas e alinhamentos ideológicos possíveis. A conclusão lógica é que a única ideologia que o move é ele mesmo.
Ao ver esse tipo de candidato “se criar” na política brasileira; fica fácil perceber como a culpa dos desmandos e dos verdadeiros atentados contra os cofres públicos que se sucedem e são solenemente ignorados pela população. Garotinho continua de posse de uma enorme legião de robôs apaixonados por suas práticas e cegos para toda e qualquer falcatrua supostamente cometida por ele. Mesmo diante de todas as condenações, provas e negociatas expostas; Garotinho segue impassível, idolatrado, amado e cada vez mais rico; embalado por um séquito enorme de assessores, cabos eleitorais, puxa-sacos e aspones que se beneficiam diretamente das práticas nada recomendáveis do candidato e de sua família.
E, é claro, sempre aplaudido pelo eleitor.
Compreender que é de nossa responsabilidade a depuração da política nacional e que o voto não deve ser trocado por migalhas, facilidades de crédito, bolsas e quaisquer outras benesses; será a chave da libertação do brasileiro da miséria, da fome, do subemprego e das condições de vida miseráveis a que estamos submetidos. Saiba que, dos cinco meses de trabalho de cada um de nós, entregues ao governo em forma de impostos, pelo menos dois meses são para bancar os jatinhos, as amantes, as casas de luxo e as contas em paraísos fiscais.
Sem o peso da corrupção sistêmica, generalizada e patrocinada pelo eleitor o Brasil pagaria menos impostos e seria catapultado, realmente, para o primeiro mundo.
Pense nisso.
Fonte: http://www.visaopanoramica.com/2010/08/25/garotinho-a-quadrilha-e-o-eleitor-brasileiro/