segunda-feira, 22 de agosto de 2011

Remando contra!

Eu não gosto de ser antipático(bem, depende), mas as perguntas não calam:

Ato contra a corrupção em Campos.

Ok, tudo bem, não há quem não se indigne com o mau uso de dinheiro público.

Mas partindo da premissa de que os eleitos o foram pela maioria, e que essa maioria tanto sabia o caráter dos que elegeu, como se beneficia dos favores para que neles votem, e aí incluídos tanto os pobres do esmola-cidadão quanto os empreiteiros do fraude-licitação, tanto os necessitados da Aldeia, quanto a aldeia dos donos de jornais, ateus e crentes, cínicos e céticos, eu pergunto:

Vai ser uma auto-imolação em praça pública, uma confissão de culpa coletiva ou apenas mais um ato tipo neoudenista-hipócrita-classe-média-cansei?

Todos os que estão pendurados em contratos temporários e precários vão exigir o concurso público?

Os empreiteiros vão devolver o dinheiro desviado?

Os jornais devolverão o mensalão que recebem todo mês?

Escolas particulares devolverão as mesadas e exigirão que o dinheiro seja gasto na ampliação da rede e em bons salários para os professores da rede pública?

As empresas de ônibus confessarão os desvios e abusos do programa fraude-cidadão?

A empresa de águas e esgoto levará água aos distritos e nos devolverá todo o dinheiro cobrado pelo esgoto que NUNCA tratou?

Os bares e comerciantes de outras atividades vão desobstruir as calçadas?

Vamos respeitar o próximo e as leis de trânsito e assim esvaziarmos os pátios?

Vamos confessar os endereços fraudulentos que inventamos para pagarmos menos imposto?

Enfim, nos tornaremos todos menos corruptos, ou só enxergaremos a corrupção alheia?

4 comentários:

Anônimo disse...

Infelizmente mandou muito bem

Anônimo disse...

Enquanto as principais emissoras de televisão de todo o mundo paravam tudo o que faziam para transmitir, ao vivo, a invasão de rebeldes líbios em Tripoli, com a conseqüente prisão de três filhos do ditador Muammar Gaddafi, no Brasil, a população não era informada.

Como se o fato não tivesse relevância mundial.

No mesmo horário, as TVs abertas de nosso país transmitiam desde Gugu até Faustão, enquanto a Globo News, que, teoricamente, teria que ser equivalente a uma CNN, nem tocava no assunto.

O povo brasileiro, se quisesse ter acesso à informação, era obrigado a recorrer às emissoras internacionais ou a sites de internet.

Comprovação de que há muito tempo a televisão brasileira deixou de priorizar o jornalismo sério, para dar preferência ao entretenimento.

Por sinal, nem sempre de boa qualidade.

Anônimo disse...

Como confissão está ótimo.

douglas da mata disse...

Parece que o comentarista entendeu o espírito, ainda que sua intenção seja a provocação rasteira.

Eu aprendi, e não faz muito tempo, que a melhor forma de lutar politicamente para mudar algo, seria enxergar o que há errado em nós mesmos.

Afinal, não se pode imaginar(só um tolo assim imaginaria) que teríamos políticos e representantes corruptos, se a sociedade fosse virtuosa, tanto quanto é impróvável que políticos honestíssimos e probos surgissem de uma sociedade viciada.

Nossos representantes não vêm de Marte, nem a corrpução é uma exclusividade deles, embora gostemos de pensar desse jeito, e até marchar por isso em passeatas.

Não mudarão os políticos se os seus eleitores não mudarem.

Um abraço.