sexta-feira, 19 de agosto de 2011

Quem gosta de pudim de chuchu?

Depois de propor CPI para investigar as contas do pai do secretário do governo que faz parte(?), afinal, que pudesse comprovar o que sempre suspeitamos: A prefeitura alimenta convênio e libera verbas sem qualquer controle ou fiscalização.
Atacou o que não deveria.
Agora o secretário de (des)governo passou ou continua na árdua tarefa de defender o indefensável.

Dura essa vida de quem está há 25 anos se equilibrando entre um DAS ali, outro DAS acolá. Nada demais, não vamos demonizar a atividade política, não é nada disso. Mas é possível fazer isso de maneira, digamos, mais inteligente.
Há gente inteligente no (des)governo da prefeita-cigarra, eu acredito nisso.
Acredito também que são os que menos falam. Fazem a parte que lhes cabe, cumprem sua tarefa, e silenciam.

Mas há os que foram designados para funcionarem como as buchas de canhão. Quem conhece um pouquinho de tática militar(eu não conheço, mas adoro filme de guerra)sabe que as primeiras levas de infantaria estão ali para morrer ou ocupar espaço. Geralmente compostas por reservistas e soldados com baixa qualificação: descartáveis.
É esse pessoal que hoje tenta ocupar a blogosfera com quantidade.

É triste ver uma pessoa se prestar a um papel desses. Se auto-imolar em praça pública ao dizer tanta asneira e depor contra a própria capacidade intelectual.
Mais uma vez repito e RESSALTO: É possível ter posição política com inteligência e bons argumentos. Isso não parece possível ao secretário, destinado a um tipo de futrica e bate-boca de baixa qualidade e rasteiro, bem longe do papel institucional de articulador político que o cargo, e a liturgia do cargo lhe impõem.

Vamos ao toscos argumentos do secretário CPI do HPC.

Comparar a situação do governo Dilma, a gestão orçamentária e sua execução, a repercussão, dimensão e alcances das medidas, enfim, até os escândalos e suspeitas que pairam sobre um ou outro governo é uma idiotice pueril, afinal, são coisas distintas. Embora  respeitemos os delírios presidenciais dos seus chefes, pois esses gostam de imaginar que disputam o poder na planície, e estejam rumo ao planalto, é preciso situar as coisas.

O contingenciamento e as medidas estratégicas adotadas pelo governo federal estão dentro de um contexto geopolítico e geoeconômico internacional intrincado, que significam morte ou vida de várias atividades, empregos e comida de várias pessoas, leis, fraturas institucionais, etc, etc, etc. Essas medidas nos atingem e não o contrário. Mas ainda assim, o governo federal age para estimular e dinamizar nossa economia. Com todos os problemas, o país supera o governo e avança, quaisquer que sejam as medidas. Já o governo municipal engessou e tornou TODA a economia local dependente dos cofres públicos.
Por aqui estamos condenados a prefeiturização da economia.
Se o secretário quiser (e souber como), basta olhar os números da evolução de arrecadação dos impostos "próprios" (ISS, IPTU ou nosso repasse de ICMS) para notar o quanto e por quanto tempo estamos estacionados. Uns 20 anos. Isso diz alguma coisa?

Ainda assim, se permitirmos a esse pessoal a comparação impossível(jaboticaba e melancia não se comparam, embora sejam frutas, assim como Campos e Brasil também não, embora se trate de governar) veremos que a execução orçamentária do Brasil não está paralisada, a pauta de investimentos permanece, e ninguém ouviu a presidenta dizer que o Orçamento previsto para ano já foi gasto.

Outra diferença fundamental, já que o secretário gosta desse expediente da comparação, é como a presidenta enfrenta as denúncias em seu governo, e como se faz por aqui, ou NÃO se faz, pior dizendo.

Ahhh, o governo federal tem um portal da transparência que funciona, e bem. Já por aqui. Então, quando o governo federal diz algo sobre o orçamento, nós mesmos, aliados, podemos ir lá, olhar e dizer: "Ih, a presidente mentiu", ou "A coisa tá feia mesmo".

Ao contrário, na planície, a gente fica sem saber, e parece que essa é a intenção. Dizem que há uma crise, contingenciam, cortam 10%, mas o secretário diz que há pagamentos, que tudo está bem, e estamos na normalidade. Mas onde podemos confirmar os dados? Nos jornais de coleira? Pois é.

Então para que o anúncio? Quem lê o blog deve desconfiar: Trata-se do popular "criar impedimento, para vender livre acesso".

É claro que o secretário não pode reagir com um surto de sinceridade, chegar em casa e dizer em frente ao espelho e aos seus: "Vou admitir publicamente que se trata de uma desculpa para não pagar alguns, prestigiar outros e guardar orçamento para as aventuras eleitorais do "chefe"! Ou ainda: "Gastamos desenfreadamente para alimentar nosso caixa dois junto às empreiteiras"!

Ninguém espera isso. Bom, só a consciência do secretário, se não tiver sido tomada conta de todo pelo instinto de fidelidade canina que o torna tão precioso aos "chefes".

Mas o que a gente espera é um pouquinho mais de inteligência. Para o bem do debate, já que o interesse público não é muito o objetivo dessa gente.



Atualização:
1. Como não parece saber bem onde está, salvo quando o chefe disser que está ou não, é preciso que se diga que o PR, partido do chefe, e do pudim de chuchu, esteve no governo federal, e a principal contribuição que deu...bom, é melhor esquecer.


2. Já que falou em bando, a quantas andas o processo de formação de quadrilha do chefe? E o processo dos 300 mil na sede do PMDB?

4 comentários:

Victor Frias disse...

Cara,

Você está numa fase Sublime! Texto irretocável, Vlw!!

douglas da mata disse...

Caro Victor,

Grato pelo comentário elogioso.

Um abraço.

Anônimo disse...

Paabéns Douglas pelo bel´´issimo texto sobre este tema.

O grupo rosa, sempre, mais sempre mesmo, quando estão em apuros, envolvidos em suspeitas de envolvimentos com coisas escusas, em vez de se defenderem de um modo inteligente e convincente , passam a atacar, as pessoas, que o denunciaram, ou até mesmo quem está bem longe, como o caso da Presidente Dilma.

GEISA disse...

Na democracia funciona assim, o povo elege os políticos e outorga aos mesmos o direito de representá-los . E aos políticos eleitos, cabe trabalhar em prol da sociedade.

OS POLÍTICOS SÃO MEROS EMPREGADOS DO POVO, com mandato(contrato de trabalho) determinado de no máximo 08 anos, no caso de Senadores e no nosso caso especifico, os prefeitos e seu grupo com contrato de 04 anos.

Aos políticos sensatos, cabe ouvir o povo e implementar as políticas que atendam melhor este povo que o elegeu. Caso por qualquer problema, parte deste povo, esteja insatisfeita com o político e seu grupo, as pessoas dessa sociedade, tem o direito de se manifestar e reclamar. É o que estamos fazendo agora, através deste BLOG, que é um dos meios mais simples e rápido de externarmos nossa indignação com a prefeita e seu grupo.

Diante disso, senhor secretário PUDIM, se quiserem permanecer políicos, como sempre só souberam ser políticos, que sabia conviver em democracia e que ouça sim, os reclamos do povo. Caso contrário que procurem emprego nas empresas particulares, como a mioria da população contribuinte o faz.