quinta-feira, 11 de agosto de 2011

Das duas, uma.

Ou o gestor do HPC e pai do bi-secretário do mandarinato da prefeita-cantora não ouviu bem, ou entubou as ofensas em nome da manutenção da mesada.

Diplomacia nunca foi sinônimo de covardia.

Aliás, sem um desagravo, na mesma medida, se o filho permanecer no governo do secretário boquirroto, vai passar a imagem que essa subserviência é herança genética de pai para filho.

Longe de nós colocar lenha na fogueira, mas estamos falando de irregularidades (há desvios e mau uso do dinheiro da saúde?) que dizem respeito a muito mais que disse-me-disse e fofocas de alcova de governo.

Sem mencionar que o secretário boquirroto passou por cima dos dois secretários da saúde(um de direito e outro de fato),que dividem o órgão após o esquartejamento da gestão da secretaria de saúde. Deveriam se pronunciar se a secretaria em questão anda pagando as contas de um hospital sobre o qual pesam suspeitas levantadas por um integrante do governo, que pediu uma CPI para apurá-las.

De todo modo, fica a imagem dos figuras tristes nas quais nos tornamos:

Um senhor de cabelos brancos, diretor de hospital passando um "carão" desses para esmolar o pagamento de um caraminguá para manter um hospital, que vive de pires na mão.

Um filho bi-secretário que silencia e deixa seu pai queimar na fogueira da Inquisição da lapa.

Gestores da saúde que silenciam quando deveriam dar explicações.

Um comentário:

mistersales disse...

DAS DUAS, AS DUAS.

-A PRIMEIRA FEZ OUVIDO DE MERCADOR.

-A SEGUNDA PENSOU NOS MILHÕES QUE PODERIAM SAIR VOANDO E POUSAR EM OUTRO COLO.

ESSA É UMA SERVIDÃO QUE NÃO QUERIA PARA MIM, NEM PARA MEUS FAMILIARES.

COMO PODE NUM GOVERNO DE MANDARINS EXISTIR DIPLOMACIA?

MAS, COMO NESTA VIDA EXISTE UM PREÇO PARA TUDO, RECEBAM SEUS PREÇOS, DEPOIS PEGUEM SEUS BANQUINHOS E SAIAM DE FININHO.