domingo, 3 de julho de 2011

A moeda de um lado só, ou a mosca sem asas.

Eis que nos chega a notícia que o PR, partido híbrido de conservadores religiosos, estilo Tea Party, com ultra-liberais(sentido econômico) e outros oportunistas e canalhas menores, anda se esbaldando no Ministério dos Transportes, feudo bastante lucrativo para quem cultiva essa plataforma de financiamento político.

Embora não haja "identidade ideológica" alguma com a agenda de um governo que se situa no centro-esquerdo do cenário político nacional, se submetem para satisfazerem suas naturezas predatórias e parasitárias de verbas públicas.

Esse é um efeito colateral da Democracia, onde há pouco controle institucional sobre a pressão do capital sobre o poder político. Anote-se que não é um defeito exclusivo de nosso processo democrático. EEUU, Itália, França, dentre outros países com maior "maturidade institucional" também enfrentam problemas semelhantes ou muito maiores.

Ok, é muito importante que o governo adote as providências, e a imprensa coloque a boca no trombone. Tudo certo.

Mas e os empresários e empresas que fazem parte do esquema?

Cadê os nomes, para que sejam queimados na mesma fogueira? Ou a corrupção é um mal público e político por natureza?
Ou empresários não se "metem" em política, como disse há pouco tempo, o senhor X, embora engordem as campanhas eleitorais e recebam generosos favores dos beneficiários dessas doações "desinteressadas"?

Onde estão as medidas que proíbam que tais corruptores contratem com governo e assediem maus servidores? E se essa medidas são pouco efetivas, por que escapam do escárnio e censura pública quando apanhados tungando o Erário?

Imagine fogo sem oxigênio, ou árvores sem raiz. É mais ou menos como imaginar que há corruptos sem corruptores.

Quanto cinismo a serviço da manipulação!

Bom, e continuam os pobres consumidores de informação do PIG a imaginar que a política é uma coisa má em si, e que não merece o interesse de gente "de bem". 
Elaboram e difundem com zelo uma lógica que enxerga(aliás, muito justamente)defeitos em Pallocci por vender informações privilegiadas, ao mesmo tempo que visualizam nos seus clientes/contratantes  dessas mesmas informações, qualidades chamadas no mercado de "agressividade competitiva".

Nesse estranho ambiente de hipocrisia calhorda, nossa indignação, como diz o grupo musical mineiro Skank, torna-se uma mosca sem asas, que não ultrapassa a janela de nossas casas.

4 comentários:

Anônimo disse...

Ué!
Mas tudo isso não é um só governo?
Há anos fazem isso e o PT não enxerga?
Que há por trás disso?
Para isso a imunda VEJA serve?
Estranho não saber nada do que se faz na sua casa não é de hoje.
É a PIG chafurdando a lama do chiqueiro...

douglas da mata disse...

Caro comentarista,

Eu acho que o texto não ficou claro, ou você leu e não entendeu, ou as duas coisas, enfim...

Veja que eu me refiro a manipulação que pretende provocar na população a sensação que os problemas "éticos" são um problema da esfera pública, apenas, enquanto os empresários corruptos ficam incólumes, e longe da repulsa.

E como eu disse, o discurso que é produzido é como o seu, exemplo clássico de que a distorção ou a informação pela metade só confunde as coisas. Um moralismo debilóide que não enxerga os interesses que se escondem por trás da chamada "corrupção".

E pelo jeito, defendendo a veja, você não vai ver nada mesmo.

Uma pena, para você.

Anônimo disse...

Douglas,

lí e entendí direitinho.
Acho que você não entendeu ou não me expliquei bem.
Vamos lá:
Só há corruptor porque há corrupto. Ponto com.
Está vendo: o ministro dos transporte está "prestigiado" (como os técnicos de futebol na "degola") pela Presidenta.
Quem levava a grana eram os dois ASSESSORES DIRETOS.
E o marido traído não sabia!
Eu acho que sou maldoso demais. A Presidenta não tomou ou não pode tomar as medidas que ela gostaria.
Ficou claríssimo isso.
É o estabilishment.
Quanto a Veja, não a defendo. Apenas leio como faço com vários jornais e revistas boas e ruíns.
Assim como leio blogs bons (entre os quais incluo o seu) e ruíns.
Aí tiro minhas conclusões.
Acho que ainda não fui claro, mas estou meio sem paciência hoje.

douglas da mata disse...

Meu caro comentarista,

Estamos falando coisas complementares, mas não excludentes.

A diferença é que dei ênfase na parte privada do problema, pois ela SEMPRE se esconde atrás da manipulação de seus lacaios na imprensa de coleira.

Veja(sem trocadilho), até agora não falamos, nem sabemos os nomes dos corruptores.

O post se destina a essa reflexão: Enquanto tratarmos desse problema(o assédio privado sobre a agenda pública de governo, e o financiamento do poder político pelo capital)só pela ótica moralista da corrupção política, carregaremos areia com peneira.

E é isso que interessa ao poder privado e a mídia. Manter seus interesses intactos, coagir(ou se acumpliciar com) governos e deixar toda a execração para a atividade política, desqualificando-a e afastando a população dela, ou seja: Enfraquecendo a democracia.

Repito: é preciso enfrentar a má conduta de servidores, mas atacar o que a move.

Um abraço.

PS: Quanto a revista veja, ou alguns blogs, eu não enxergo ali nenhum contraponto que possa dar alguma diversidade a informação que consumo. Eu penso que não preciso comer côco para saber que é ruim. A gente sabe pelo cheiro.