sábado, 28 de maio de 2011

Nossa trágica inclinação ao preconceito e a intolerância.

Nesses tempos onde a convivência tem se demonstrado um exercício difícil, recebi esse texto e compartilho com vocês:

O dicionário das empregadas domésticas


Urariano Mota *


Nos últimos dias, na gente mais educada causou espécie, para não dizer causou urticária, o livro didático “Por uma vida melhor”, que ensinaria a falar errado. No entanto, ninguém se levantou, nem perdeu a paz de espírito, quando um ilustre desembargador, faz alguns anos, achou por bem escrever um dicionário para as empregadas domésticas. É fato.


Atropelos e apelos de títulos não faltaram ao ilustre dicionarista. Erudito em Direito Civil, filiado à Associação Paulista dos Magistrados, escritor de verve, ele assim gracejou em artigo no jornal dos seus pares:

“Ele ligou para sua própria casa. A empregada era nova. Ele não a conhecia. Sua mulher, a Esther, digo (ou ele diz), dona Esther, tinha acabado de contratar. A moça era do norte. De Garanhuns. Nada contra, mas....sabe como é. Nós, brasileiros, sabemos! O patrão morava num sobrado. O telefone da residência ficava num nicho, embaixo da escada. No décimo segundo toque a Adamacena, a tal da empregada, atendeu: ‘Alonso!’ Na dúvida, o dono da casa perguntou: ‘De onde falam?’ Ao que a Adamacena respondeu: ‘Debaixo da escada!’ Foi aí que ele começou a catalogar as expressões da serviçal...”


Na continuação do texto, para melhor diálogo com as inferiores, o preclaro e excelso organizou este pequeno dicionário das empregadas, para ser lido pelas classes cultas, do gênero e classe dele no Brasil:


Denduforno - dentro do forno
Dôdistongo - dor de estômago
Doidimai - doido demais
Dôsitamu - dor de estômago
Gáscabô - o gás acabou
Iscodidente - escova de ente
Issokipómoiá - isto aqui pode molhar
Ládoncovim — lá de onde que eu vim
Lidialcom - litro de álcool
Lidileite - litro de leite
Mardufigo - mal do fígado
Mastumate - massa de tomate
Nossinhora - nossa senhora
Óikichero - olha que cheiro
Óiprocevê - olha pra você ver
Óiuchêro - olha o cheiro
Oncotô - onde que eu estou
Onquié - onde que é
Onquitá - onde está

Etc. etc. etc. poderia ser a leitura geral das “palavras” coligidas pelo senhor dicionarista. Se ele fosse um homem culto de facto, e não um culto de fato, fato da toga que um dia vestiu, saberia que as diversas falas de uma língua não significam uma superioridade cultural, civilizacional, de uma fala sobre a outra. Ora, as pessoas que vêm do interior do Nordeste, e é a elas que a sua brincadeira de mau gosto se referiu, os brutos migrantes dos sertões nordestinos carregavam, além da miséria, uma gramática que é uma história da língua. Quando eles dizem “figo”, em lugar de “fígado”, ou “hay”, em lugar de “há”, ou “in riba”, em lugar de “em cima”, ou mesmo “joga no mato”, por “deixa fora, joga fora”, essas palavras, esses modos e conteúdos de fala não nasceram de uma carne, sangue e lugar inferiores.


Esses cortes de sílabas, esse “denduforno” em lugar de “dentro do forno”, esse corte de fonemas na fala de todos os dias, essa aglutinação é um procedimento comum em todas as falas, do Norte ao Sul do mundo, do Leste ao Oeste do planeta, em todas as classes e gentes e tempos. Diz-se até que é uma obediência à lei do menor esforço. Quem é bom de ouvido sabe que a última sílaba de uma palavra em uma frase não se ouve, adivinha-se pelo sentido. Um “Como vai de saúde?”, sai quase como um “Como vai de saú?”. Se os ingleses transformam consoantes de palavras em vogais, bravo, isso é mesmo um fenômeno linguístico. Se os norte-americanos pegam os tês e põem em seu lugar erres, isso só pode mesmo ser inglês moderno. Bravo.


No Brasil, na região que move a economia, quando um paulista insiste em pronunciar “record” à inglesa, mas com erres à brasileira, ou quando pronuncia “meni”, em lugar de “menu”, está apenas no exercício da sua cultura poliglota. Aplausos. Quando ele, no bar, pede um só, mas ainda assim pede “um chopes”, é uma graça. Viva. Mas um “oxente”, um “arretado”, que traem e trazem a marca da fala de nordestinos, desses baianos, desses nortistas, ah, isto só pode mesmo ser uma prova insofismável de subdesenvolvimento.

Isso comentamos à margem, do texto do léxico das empregadas e da grande mídia. Mas o pequeno dicionário para as empregadinhas não sofreu qualquer indignação patriótica, lembramos bem. Faz sentido, enfim. Como dizia Marx, ao lembrar as diferentes traduções de classe, os proletários se embriagam no bar, os burgueses vão ao club.




* Autor de “Os Corações Futuristas” e de “Soledad no Recife”, que recria os últimos dias de Soledad Barrett, mulher do Cabo Anselmo, executada por Fleury com o auxílio do traidor.

Um comentário:

Anônimo disse...

O grupo de Oposição a atual e interina Reitoria do Instituto Federal Fluminense - IFF, se reuniu na última 5ª feira (26/05), em Macaé , estando presente servidores e alunos de diversos campi do IFF. Tendo sido aprovado uma carta de princípios e uma proposta inicial de um programa de ação para o candidato de oposição a Reitoria do IFF, a “CARTA DE MACAÉ”. Este documento está acessível, na integra, no blog Autonomia e Democracia (http://autonomiaedemocracia.blogspot.com)
Essa carta não é um documento terminado. Ele apresenta as ideias, princípios e propostas de ações iniciais do grupo. Pretendemos que ele seja construído coletivamente na defesa de um Instituto Federal Fluminense, que eleja como prática educacional a prevalência do bem social sobre os demais interesses, com Autonomia, Democracia, Transparência e Respeito. Não se trata de um documento acabado, mas de um convite para que servidores, alunos e a comunidade, em geral, participe da construção da proposta do IFF que queremos.
A nossa intenção é que este documento seja um ponto de partida, de mudança, nas atuais praticas antidemocráticas da Reitora interina. Desejamos partilhar com a comunidade e com outros colegas, servidores e alunos do IFF, estas primeiras linhas, expor, ouvir e trocar ideias. O e-mail para contato é: autonomiaedemocracia@gmail.com.
Participe, o IFF quem faz é você! Somos nós! Cada um e todos!
CAMPI FORTES = INSTITUTO FORTE