segunda-feira, 2 de maio de 2011

Justiçamentos, mídia e governos!

Eu não sou jornalista, apenas consumo informação que produzem. Portanto, a opinião que segue é de leitor/telespectador/ouvinte.

Todos sabem que o sonho de quem está na "berlinda", exposto pelo viés negativo da notícia de algo que fez, é que surja outro fato de maior repercussão, que suceda o seu infortúnio na midia, e desvie a atenção.

Foi justamente o que aconteceu com a morte dos filhos e netos de Kadhafi, justiçados pelos ataques aéreos da OTAN, à frente os EEUU, França e Reino Unido. Antes que o mundo se desse conta, e debatesse as circunstâncias do ataque, e se houve premeditação para assassinar parentes do Kahdafi pai, e assim quebrar sua resistência, em uma tática comum que consiste atingir o alvo principal por tabela, e quebrar-lhe o moral, aconteceu a grande notícia, que varreu tudo e todos do noticiário:

A suposta morte de Osama Bin Laden, artífice do maior e mais bem sucedido ataque terrorista da História, embora nem de longe se equipare com outros massacres promovidos por vários países, e nem com a própria reação que se seguiu, que custou a vida de milhares de iraquianos, afegãos, paquistaneses, etc.

Mas sua morte não tinha nada que ver com justiça ou reparação, era só uma questão de vingança(muito justa, aliás, se olharmos pelo escopo das vítimas e do povo estadunidense).

Sabemos que o ataque as torres gêmeas e ao pentágono, e o outro vôo que foi abatido antes de chegar ao destino, serviu a um monte de coisas menos para diminuir a violência dos terroristas, que só aumentou, inclusive com ataques na Europa(Espanha e Inglaterra) ou levar democracia aos países invadidos como resposta, dado que o ambinete institucional desses países (Iraque e Afeganistão) não pode ser considerado melhor que era antes da ocupação.

E agora, a morte de Osama vai servir a um bocado de coisas, mas nunca irá resolver o problema da instabilidade na região, nem livrar o mundo da ameaça terrorista, uma vez que a causa desses problemas é, justamente, que diz que vai resolvê-la: a política externa dos EEUU.

Fora isto, a morte de Osama cai como uma luva nas pretensões re-eleitorais de Obama, que inicia sua campanha agora com um belo presente: A cabeça de Bin Laden.

Cabe ressaltar, que a repercussão na Al Jazeera, no The Independent, que têm uma cobertura mais equilibrada sobre os fatos na região, confirmam o fato.

Agora é ter paciência com o sensacionalismo, a morbidez e o marronzismo da mídia, até que outro fato pior aconteça.

Um comentário:

Anônimo disse...

Talebans paquistaneses aliados da Al Qaeda prometem vingar a morte de Bin Laden

Os talebans paquistaneses, aliados da rede terrorista Al Qaeda. prometeram vingar a morte do seu líder, Osama bin Laden, morto em uma operação americana na madrugada desta segunda-feira, no Paquistão.

"Não podemos confirmar o martírio de Osama Bin Laden, quando nossas próprias fontes confirmarem estaremos em condições de afirmar outra coisa", disse o porta-voz do Movimento dos Talebans do Paquistão (TTP), Ehsanullah Ehsan, em uma entrevista por telefone à AFP.

"Se conheceu o martírio, vingaremos sua morte e lançaremos ataques contra os governos americano e paquistanês, assim como contra as forças de segurança, inimigos do islã", disse Ehsan.

O TTP prometeu lealdade à Al Qaeda em 2007 e no mesmo ano declarou a jihad (guerra santa) no Paquistão, cujo governo foi acusado de apoiar os Estados Unidos na luta contra o terrorismo.