quinta-feira, 7 de abril de 2011

A UENF de costas para o bom senso!

Ao que parece, pelo número de comentários e e-mails que venho recebendo, acerca dos problemas na UENF, há uma interrupção nos canais de interlocução institucionais, o que leva a sua comunidade a trazer suas demandas para instâncias externas.

Para nós isso é bom, uma vez que podemos debater esses importantes temas que dizem respeito a NOSSA UENF, e porque legitima esse blog como uma canal de debates.

Mas para a Universidade e parte de sua comunidade, isso significa uma interrupção no processo de aperfeiçoamento, que se dá com a incorporação das críticas, formuladas por setores não contemplados no campo político que detém a hegemonia atualmente.
O resultado, comum a todos os fenômenos semelhantes de disputa pelo poder, é claro: Absortos no elogio fácil, na zona de conforto do capital eleitoral, passam a priorizar a manutenção desses laços, e transformam a administração em fim em si mesma, sem possibilidade de funcionar como ferrmamenta de mudança e superação dos problemas.
Isso em uma Universidade é mortal, inclusive para a vida acadêmica, que reflete esses acontecimentos de forma bem peculiar e destrutiva.

Alguns eventos e fatos poderiam ser considerados erros corriqueiros, ou menores, mas contextualizados na conjuntura atual da UENF têm significado muito maior.

É o que sugerem as fotos aí embaixo:




Depois de gastar bem mais que o necessário para comprar os equipamentos, a gestão da UENF os instalou na parte de trás das turmas, obrigando os alunos a girarem suas carteiras, se quiserem ver algum conteúdo veiculado nessas mídias.
Isso já seria um erro grotesco, demosntrando a falta completa de planejamento e coordenação, substituídos pelo improviso leniente e perdulário.
Mas o pior é que se o leitor notar bem, não há tomadas, nem pontos e, ou caixas de cabeamento que permitam conectar os equipamentos a qualquer fonte: de energia e conteúdo.

É como se comprássemos postes de luz caríssimos, colocássemos os postes no meio da rua, obrigando os carros a desviar, e pior, sem que estivessem ligados por fios.

Vai mal NOSSA UENF, vai muito mal.

6 comentários:

Anônimo disse...

Na universidade do tercêiro milênio,
as discussões formais não são necessárias,
pois as mesmas são feitas utilizando a telepatia e o poder da mente!

As decisões são tomadas pelos Deuses do Olimpo - digo, da reitoria.

como você aparentemente não entende nada de futuro não percebeu que toda fiação é invisível,
e que os alunos do futuro terão olhos na parte de trás da cabeça!

parece que muitos professores e funcionários também são invisíveis,
maldosamente conhecidos como TQQs.
São os funcionários do futuro, da universidade do futuro.

Mas, é claro, um articulista do século passado, dificelmente compreenderá o futuro.

Este texto foi escrito com o poder da mente.

douglas da mata disse...

É, vai ver o bom senso está fora de moda, e a modernidade traz implicações onde a realidade deixa de fazer qualquer sentido, rsrs!

Um abraço.

Anônimo disse...

O reitor é um modelo de administrador decente,competente, genial,como deve ser um genial representante da Universidade do Terceiro Milênio e, lógico seus colaboradores devem ser semelhantes ao lider. Logo, deduzo que tanto nas despesas com as construções, como nos equipamentos e na genialidade das instalações (local,bom gosto, tomadas,etc) ele deve ter seguido o que é usado em sua residência. Afinal ele quer o melhor paraos alunos eprofessores da UENF, como quer para os seus,

douglas da mata disse...

A crítica a gestão deve poupar-nos dos detalhes acerca das escolhas e da vida pessoal do Reitor, ou de qualquer outro da su equipe.

Salvo de assinar o comentário, e apresentar fundamento críveis para levantar suspeitas, caso contrário, fica leviano.

Grato pela contribuição.


Ao comentarista Klauss: Seu comentário, não sei por quê, caiu na caixa de spam, e eu, sem querer deletei, quando pensava estar liberando.

Logo, se for de seu interesse, reenvie, e eu publicarei.

Obrigado.

Anônimo disse...

Quanto você paga à esta revisteca para publicar este tipo de besteirol...porque só pagando! Já que estudou tanto poderia publicar coisas um pouco mais interessantes.

douglas da mata disse...

Comentarista das 22:45, 7 de abril:

Não entendi lhufas do que você falou.

Dá para ser mais claro? Quem pagou o que a quem, para publicar o quê?

Quem estudou tanto?

Vixe maria, que tipo de comentário maluco é esse?

Deve ser leitor do Augusto Cury, rsrs.