quinta-feira, 14 de abril de 2011

Quem controla o controle?

Quem já é leitor do blog sabe a opinião que temos sobre o movimento que se auto-intitula detentor da tecnologia de controle social.

Uma falácia, por vários ângulos: Primeiro, porque é seletivo politicamente, embora se apresente como uma instância acima, ou à margem de qualquer conflito de interesse.

Depois, porque não serve para nada mesmo, na medida que o objeto da atenção é o que consideramos "perfumaria".

Um bom tema que surgiu nos comentários dos leitores no texto A quem interessa a desinformação? é o quanto o financiamento das campanhas eleitorais pelos empresários responsáveis por mega-investimentos desequilibra e contamina a Democracia.

Seria uma ótima pauta para os "controladores", mas eu temo que eles não se aventurariam a tanto.

Olhem bem:

Um determinado mega-investidor, que chamaremos de mister X (para proteger sua identidade), pousa em uma pequena cidade do interior, com mundos e fundos e negócios da China na bagagem, contribue para campanhas eleitorais e pronto:
Depois de eleitos, seus prepostos retornam as doações em forma de subsídios, investimentos diretos e toda sorte de incentivos fiscais, submetendo a pauta de governo, o Orçamento da cidade e os interesses da comunidade a agenda do empresário.

É um jeito muito melhor de se tornar poder na cidade, sem o ônus das eleições e da chateação das reuniões e gritaria dos adversários, não acham?
Mas isso não é tudo.
Tem um plus: Como pessoa física e jurídica você ainda pode apostar em todos os "cavalos", como forma de garantir a vitória de seus interesses, seja lá quem ganhe o pleito.

Quer mandar em uma cidade? Alugue um prefeito(a)!

E o controle social? Será que vai questionar essa relação que ameaça a Democracia?

Façam suas apostas!

Nenhum comentário: