quarta-feira, 13 de abril de 2011

Pesquisa ou quiromancia?

O assunto da moda de hoje são as pesquisas. Nessa terra estranha, pesquisa é igual a Justiça, só acredito e legitimo a que me favorece. E assim vamos, transgredindo a ciência e manipulando as leis, ou será vice-versa?

Bom, antes eu proporia uma outra pergunta?
A quem interessa saber a quantas anda o capital político da prefeita e a percepção das políticas públicas executadas por ela, ou a ausência destas? E por que o governo anda tão preocupado?

E ainda: cabe comemorar o resultado de "aprovação", se a ausência de que exista qualquer traço de oposição, digna desse nome,  e ainda assim, a população indique a preferência por mais de 20% de nomes ligados a adversários da prefeita?

Quanto a pesquisa em si, e os dados compilados, não se trata de desacreditá-los por completo. Não sou estatístico, mas aprendi que uma simples inversão de uma pergunta, a troca de localização das entrevistas, ou a variação de cruzamento de grupos ou a predileção por esse ou aquele estrato podem alterar todos os resultados.

Uma das virtudes da blogosfera e a conseqüente democratização do acesso à informação foi, sem dúvida, a quebra do monopólio de análise que unia mídia e institutos de pesquisa.

Mas as tentativas de inferir a realidade uma tendência apresentada por "números encomendados" permanecem.

Enfim, será que os integrantes desse governo, quando estão entre si, longe da necessidade de afirmarem que são "nossos guias geniais", acreditam nas mentiras que contam para os outros?

Sim, porque enganar e manipular é uma ferramenta (indesejável/questionável) da ação política, mas acreditar nas próprias mentiras é psicopatologia.

2 comentários:

Marcelo Bessa disse...

"Quiromancia" foi boa!

Anônimo disse...

Meu comentário anterior tinha ido apócrifo.

Postei dois comentários lá no blog de Garotinho, claro, nenhum dos dois foi divulgado´, conforme sempre acontece com os comentários que posto em blogs de canalhas, que se dizem democratas.
Em um, eu questionei a isenção do Instituto Precisão, comparei seus números com as pesquisas que Barbosa Lemos fazia quando era candidato a prefeito de Campos.
Em outro, falei dos vínculos que o tal instituto tem com a prefeitura de Campos, denunciados pelo blog de Jane Nunes, e sugeri que contratasse um institudo de renome.
Mas ressalto que pelos mesmos motivos expostos em seu post, não costumo confiar em pesquisas, vejo-as com muita reserva.
Mas essa pesquisa sobre o governo Rosinha, vi como como piada mesmo, me fez rir.

Nascimento Jr
nascimento.jr@bol.com.br