domingo, 27 de fevereiro de 2011

Plebe Rude no Porão do Rock em Brasília - Passe Livre 2005



O Plebe Rude é uma das minhas prediletas do período "pós-descoberta" do Rock Nacional, onde nossa indústria cultural sacou a necessidade de vender algo que tivesse alguma identidade local. O gênero "pop" explodiu, pois calçava como "luva" nessa necessidade. E dá-lhe Blitz.

Ainda que o pop-rock pretendesse sufocar os ritmos dissonantes, como o punk rock e outras variações e experimentações, houve quem rompesse o cerco, e apresentasse algo diferente. Mesmo que a referência fosse Sioux and the Banshees, um tipo de punk-rock-soft & cool, a mistura do Plebe dava liga!

E veja, isso não é um manifesto anti-mercado. É, ao contrário, a percepção de que o "mercado" poderia ser mais diversificado.

A prova disso é que caras como o Plebe Rude, Inocentes, Lobão, e outros malditos, têm espaço e público, e sua música ultrapassa os limites do tempo.

Divirtam-se, porque afinal de contas, é para isso que música serve!

Nenhum comentário: