sexta-feira, 11 de fevereiro de 2011

O controle sem controle!

Li no blog do Roberto Moraes que há o embrião de um "movimento de controle social" na cidade de SJB. Uma piada, e de mau gosto.

Um dos maiores embustes que parte da academia produz é pretender que sua ciência é neutra, e como tal, está acima dos conflitos da sociedade, que, geralmente, despreza e categoriza como sub-interesses ou interesses impuros!

Lógico, que esses sofismas são fabricados e facilitados pela percepção que todos nós temos da política e do seu exercício, geralmente simbolizados pela corrupção. O senso comum elaborado a partir de simplificações que nunca, NUNCA, atingem os problemas em seu âmago.

Bom, aí, uma vez instalada a descrença na política como ferramenta de transformação, inventam outra instância política, mas que cheia de boas intenções e iluminados, se coloca como solução: O Controle Social.

Como não há almoço grátis, essas iniciativas se aliam ao que há de mais conservador e mais atrasado, que envergam e ampliam o discurso moralista de ocasião.

Foi assim em Campos dos Goytacazes, e como não avançaram muito por aqui, e desde cedo desmascarados, mudaram para SJB.

Leiam a frase de entrada do convite a mobilização, publicada no blog do Roberto:

(...)Prezado amigo,
Interessados em uma discussão mais qualificada(...)"


 Qualificada! Como assim, caras-pálidas? Quem legitima essa hierarquização que coloca seu debate como qualificado, em detrimento dos debates não-qualificados(todos os debates que não são deles, é claro!)?

Essa pretensão exclusivista traz em si sua própria natureza, que também é política: "Ensinar" as pessoas como encaminhar suas lutas e seus interesses, paternalizar os movimentos e capturá-los, sabe-se lá em nome de quais interesses.

Aqui em Campos dos Goytacazes esse movimento pretendia o controle social com o auxílio da órgãos que representam os escravocratas, entidades de classe de empresários que vivem pendurados em "convênios" com verbas públicas, etc, etc, etc.

Foram logo desmascarados!

 Afinal, perguntamos: Quem controla o controlador?

2 comentários:

Roberto Torres disse...

Os "iluminati" têm raizes antigas em nossa "esquerda bem formada", sobretudo no partidao, depois com adaptacoes (PPS).

Alguns deles, como o "ilustre" Luis Werneck Vianna, sempre buscaram explicitar a questao. Acreditam que é preciso uma direcao intelectual ao movimento político, ou melhor, que é de intelectuais qualificados que decorre toda direcao necessária.

De algum modo sentem-se saqueados pelo petismo e por Lula, que lhe roubaram a funcao de porta-vozes qualificados da direcao progressista da sociedade. O desprezo nutrido pela razao das massas é patente.

douglas da mata disse...

Pois é Roberto,

E esse pessoal se leva a sério.

Eu lia um artigo na "The Observer" sobre o dilema cultura alta e cultura popular, publicado na Carta Capital.

Em linhas gerais, dá para adaptar pata a "cultura política".

Como foi criada uma reação consciente que repudiava o esnobismo dos "eruditos", ou seja, um desprezo ao desprezo.

O problema é que em algumas instâncias, esse repúdio consciente assume formas "populistas", que não atacam o comportamento de determinados cientistas políticos (iluminados), mas a própria ciência.

Claro que esse não foi o caso do Lula, que parafraseando o texto, pode ser resumido assim:

Não foi a simplicidade (ou a falta de erudição) que gerou uma cultura política de massas, mas essa cultura política de massas que gerou a simpliciadade.

Assim, os "cânones" e seus "códigos" perdem o monopólio sobre a "verdade".

Um abraço.