segunda-feira, 21 de fevereiro de 2011

Leminski.



Conheço pouco poesia. Só os lugares comuns. Mas sempre tive a intuição que gostaria de alguns poetas, pelo contato superficial que tive com certas obras.

Assim é com Manuel Bandeira. Adoro seu humor e ritmo. A aridez de João Cabral de Mello Neto me fascina. Quase dá para ficar sufocado com a poeira seca que sai dos chãos rachados de seus poemas!

Quanto à Leminski, sempre tive a intuição do tipo: "não li e gostei"! Como se os seus poemas estivessem a minha espreita, de tocaia, prontos para me dar o bote e capturar meu gosto.

Pois é, eu tinha razão. Paulo Leminski do blog pauloleminskipoemas.blogspot.com. Dá a impressão que ele define melhor a gente do que a gente mesmo.
Aqui, minhas homenagens a um poeta leminskiano de primeira linha, nosso Artur Gomes:

[É tudo o que sinto] (Paulo Leminski)

Inverno

É tudo o que sinto

Viver

É sucinto

2 comentários:

°•~ ∂ąnnι °•~ disse...

Gostei muito das suas observações... E, sobretudo, gostei do seu bom gosto!
Já vou passar por lá, conhecer este blog.

Bjs, querido!

=)

douglas da mata disse...

Oi, Danni.

Sua presença por aqui "refresca" esse ambiente!

Beijocas.