quarta-feira, 16 de fevereiro de 2011

A frente que virou meia-água!

Movimentos políticos de quaisquer naturezas estão sujeitos a sensos e contra-sensos, fluxos e influxos. Logo, não é a quantidade de integrantes do puxadinho da oposição que nos preocupa, embora esse aspecto sirva, é claro, como um ótimo jargão para a ironia.

É a qualidade dos atos políticos ali praticados, o estofo e envergadura política de seus integrantes, sua capacidade de mobilizar alguns setores, a fim de que outros possoam replicar o conteúdo de nossas demandas, que podem ser resumidas em uma frase: "Uma cidade onde o dinheiro público seja usado em benefício de TODOS OS PÚBLICOS, e não só parte deles"!

Já diagnosticamos todos os problemas da frente que virou meia água, um puxadinho de oposição.

Falta coragem, um bocado de inteligência e senso prático, mas falta o mais importante: Autoridade moral para questionar os desmandos desse governo, uma vez que além de terem, de uma forma ou de outra participado do jeito garotista de governar, não vieram a público fazer seu acerto de contas com esse passado incômodo. É como se esse passado não existisse, ou pior, não incomodasse!
Aí, posam eternamente como "viúvas do garotinho", ou "as mal amadas do ex-chefe", na medida que adoram se colocar como vítimas em uma relação (política), que todos sabemos, era uma via de mão dupla!

Agora, as fofocas dão conta que o PDT e sua parlamentar estão desembarcando da frente. Tanto faz. A presença de um partido que mantém em suas hostes uma parlamentar que, até hoje, não explicou os 1.8 milhão gastos, para posar de destaque na Passarela do Samba, como uma Imperatriz, é um símbolo estranho de apego à coisa pública, ou não?

Um dos temas mais espinhosos e impopulares, como outros que já mencionamos, é a questão da contratação sem concurso pela municipalidade, os chamados "terceirizados", mas que já foram cooperativados, folha de linha, RPA, e um monte de apelido para fazer a mesma coisa: Contratar sem concurso e trocar voto por emprego!

A questão serviu para afastar prefeitos (C.A.Campista), mover processos, mas como uma hydra*, renasce com outras cabeças, e se entranha mais e mais na administração, e continua a desequilibrar disputas eleitorais e sugar recursos públicos para fins distintos do que deveria ser.
Sem mencionar a imoralidade e injustiça com quem se prepara e espera por um concurso público, e como tal, não se dispõe a ser apadrinhado, junto a desmotivação óbvia dos servidores estatutários, submetidos a essa relação promíscua, onde o valor de suas carreiras e dedicação são soterrados por injunções de mesquinharia política de todo calibre!

Quem nessa cidade sabe dizer exatamente quantos são os contratados, a quê, e a quem servem, e por quanto tempo?

Você imagina que o PDT ou sua parlamentar podem, sinceramente, questionar essa prática nefasta?

O silêncio da frente puxadinho e das autoridades, que parecem ter desistido (depois de TAC, e outros eufemismos para dizer que agem quando não fazem nada), é assutador.
É um  convite a impunidade e imoralidade, como se dissessem com seu silêncio cúmplice:
"Nessa cidade, o crime compensa"!

Já está na hora da frente sair pelos fundos. Os fundos da História!



*Hydra: Animal mitológico com várias cabeças, que cortadas, renasciam. Liquidar a hydra era um dos doze trabalhos de Hércules.

Um comentário:

Julio Ascende disse...

Duvido essa Frente fazer todas as denúncias cabíveis.
Querem apenas fazer oposição ao Garotinho e guardar alguns crimes como trunfo para trocas de favores políticos e, assim sendo, tentar eleger o menos pior, se é que ele existe de fato, sucessor da prefeita que já foi cassada.
A Frente já está se tornando Perfil, apenas um esquálido perfil.
Vou interceptar alguns e-mais e já volto.