segunda-feira, 24 de janeiro de 2011

morphine - sharks patrol these waters




Há muito tempo me foi apresentada essa banda. Sonoridade incomum, e uma verve "experimental", completadas com letras "lisérgicas", referência explícita ao abuso das substâncias psicoativas como ferramenta de criação.
Alguém diria que esse "nicho de mercado", na indústria cultural, se esgotou nos anos 60, no século passado.
Bom, outros dizem que 68, ou outros anos daquela década, na verdade, nunca acabarm.

Discusssões "estéticas" e "papo-cabeça" à parte, fica a sonoridade desse trio que reúne um contrabaixo de duas cordas (Mark Sandman-vocal), saxofone(Dana Colley) e bateria(Billy Conway).


Ah, detalhe: reza a lenda que o vocalista Mark Sandman morreu, em 1999, de ataque fulminante do coração, durante um show na cidade de Palestrina, Itália motivado pelos excessos.

Como se vê, o clichê estaria completo, mas sobra com louvor o ineditismo da obra que combina jazz, blues e rock, com uma pegada, digamos, primitiva. Como se tocassem tambores em um ritual tribal qualquer.

Aprecie com moderação!

2 comentários:

George Gomes Coutinho disse...

Grande Douglas,

O Morphine é das minhas prediletas...

Acho de uma delicadeza crua interessantíssima. Conheci o "Cure for pain" há mais de dez anos....

E sobre a lenda, sim, é fato. Sandman morreu no palco.

O interessante é q ele morou um tempo no Rio, em Santa Teresa... e adorava o clima da cidade.

Grande abraço e vamos marcar um conversa subversiva quando for possível

douglas da mata disse...

Vamos marcar sim.

Cadê o enrolado do Brand?