quarta-feira, 15 de dezembro de 2010

Nada de novo!

Quem acompanha a turbulenta cena política de Campos dos Goytacazes já deve estar acostumado as voltas e reviravoltas, acontecidas por ingerência do Poder Judiciário no processo político.

Há dois ou três posts atrás, lembrei da precariedade da situação que vivemos, e da própria eleição suplementar. Não se trata de "adivinhação", ou uma "fonte exlusivíssima", é só a boa e velha observação. Eis que as eleições podem não acontecer por uma série de outras variáveis jurídicas.

Eu pergunto novamente: Até quando vamos encarar essa aberração que se transformou nossa disputa política como algo normal?

Pouco importa se a prefeita volta, se o seu irmão sai, ou até mesmo se a "oposição" ganhe, caso haja uma eleição extra.

Sem uma proposta RADICAL de rompimento com esse modelo que apodrece à olhos vistos, de nada adiantarão os esforços em apresentar essa ou aquela candidatura à população.

Leva tempo organizar politcamente um projeto de poder, e as forças da oposição deveriam saber de que nada adiantam os "atalhos".

É um trabalho lento, que não surte efeito na velocidade de nossas expectativas.

Só uma base parlamentar forte e comprometida, sociedade civil fortalecida, acesso à informação e pluralidade de idéias e debates é que construirão um campo político que pode oferecer uma alternativa.

É preciso eleger vereadores, retomar o diálogo nas associações de moradores, pesquisar, formular políticas públicas, unir o conhecimento das Universidades com as demandas da população.

Fazer aquilo que fazíamos melhor, e que na escala nacional nos possibilitou estruturar um ciclo de poder que encara uma nova fase com Dilma, mesmo que consideremos a enorme "aura carismática" de Lula, que de nada, ou pouco adiantaria sem o Partido que lhe dá sustentação.

As conversas de agora podem ser um bom ensaio para 2012, se as forças políticas mantiverem um mínimo grau de solidariedade entre si, e organização nos seus âmbitos internos.

Sempre é possível retirar dos eventos alguma lição.

Um comentário:

Anônimo disse...

Cara,
Isso é que todos queremos,mas,no horizonte só vislumbramos escuridão. Nossa oposição é pífia e tão bandida como a situação,as pessoas sérias da cidade não querem interferir ou estão exaustos da briga. O PT local é risivel, tanto que cadê Adilson Sarmet,Roberto Moraes, Antonio Carlos Rangel, Luciano D'angelo, etc.. Campos virou um caos politicamente porque ninguem que partir pra briga e ai a bandidagem se delicia. Tá difícil saber o que é pior, os Garotinhos ou Arnaldo,Mocaiber, Bacellar, Mattoso, Bárbara, Neme, Carvalho e Rangel. Não e´foda?