quinta-feira, 7 de outubro de 2010

Os porcos e o presunto!

De acordo com a mídia PIG, nacional e local, o alto índices de homicídios está relacionado ao comércio de drogas, e seu uso, bem como um sem número de mortes provocada por abuso de substâncias psicoativas, reconhecidamente, um problema de saúde pública.

Eu não concordo plenamente com essa assertiva, no que diz respeito a criminalidade violenta, que eles reproduzem, mas de qualquer forma é uma opinião.

Agora causa espanto que no afã de prestar solidariedade a quem mantém na coleira, assuma para si o papel de ofendido, ainda que isso seja impossível, e contrarie o que seu próprio jornal diz, em entrevistas de autoridades e "especialistas"

Ora veja, no raciocínio deles, o tráfico e os seus usuários estão expostos a violência, bem como as comunidades que cercam esses comércios.
Se o porco de coleira, meio assim, meio assado, vive a focinhar a farinha que neva nas madrugadas sombrias, e pelo que lemos nos jornais locais, e pelo que dizem os médicos: abuso de drogas mata.
Logo, não é nenhuma ameaça dizer que o porco que focinha demais, está louco para virar presunto!

Está escrito nas páginas das folhas que embrulham peixes podres, é só pesquisar!

Não é ameaça, porco-patrão, é aviso: Farinha demais mata, aliás, como tudo na vida! É só um conselho!

Em tempo: Embora eu não tenha dado nome aos bois, ops, quer dizer porcos, a vara ficou toda alvoroçada, vestindo com perfeição a carapuça.

Vai ser um processo divertido, onde sabemos, todos os meios lícitos de prova são permitidos, sob pena de ofensa a ampla defesa!

Em tempo 2: toda dependência química tem tratamento, é só procurar, não é vergonha. Vergonha é não admitir o problema!

2 comentários:

Anônimo disse...

Com certeza existe uma saída é só acreditar!!!!!

douglas da mata disse...

Só por hoje, meu caro!