terça-feira, 19 de outubro de 2010

Recesso!

Esse blog entra em recesso por tempo indeterminado.

Grato a todos você que participam, e continuem a prestigiar a rede de blogs dessa cidade.

Um abraço.

sábado, 16 de outubro de 2010

Os "os demônios" são os outros!

Um ótimo texto do Brand Arenari

sexta-feira, 15 de outubro de 2010


Ao passar as eleições, quem poderá controlar os “demônios que foram soltos”?


É sobre esse texto que eu recomendo a leitura lá no blog do Brand e seus comparsas que falaremos.

Na verdade, a tarefa de empurrar esses "demônios" de volta as profundezas do Tietê, como disse lá no blog Outros Campos, e nossa, daqueles que acreditam na Democracia, embora às vezes a definição dela apareça-nos distorcida.

Há outros demônios, porque não os há somente do outro lado. Também temos os nossos. Dessas eleições retirei algumas lições, outras virão com o tempo.

A análise dos votos, pelo corte de classe, que o blog Óleo do Diabo fez, alerta para um fato determinante: Uma vez estabelecidos na classe média, e quanto mais próximos do topo da pirâmide, mais suscetíveis a mimetização de crenças e valores caros a "velha classe média".

Não soubemos interpretar isso, e é na faixa de cima para baixo que escoam os votos para a direita. E o que fazer: manter todos na "faixa da quase-pobreza" para conseguir lastro político e capital ideológico? Claro que não.

Foi nessa faixa que a indústria de boatos e o neoconservadorismo raivoso prosperou.

Esquecemos todos, diante da avalanche de avanços e melhorias que o governo Lula promoveu, que somos um país ultraconservador, ou hipócrita, como querem alguns, e que tais "valores" não seriam apagados por alguma modernização econômica.

Eis que essa nova classe média reconhece em seu lider e lhe dá apoio, mas hesita em transferir esse apoio a quem representa valores que condena, como a laicização do Estado, a luta contra a ditadura, a liberdade de escolha das mulheres e de outros gêneros.

Até bem pouco tempo, e ainda hoje, a questão das cotas, ou políticas de ação afirmativa ainda dominavam o debate maniqueísta brasileiro, e por "milagre" também não entrou nesse bolo. Talvez porque a velha direita percebesse que propor o debate ness área constrangeria essa nova classe média que ainda goza desses benefícios de entrada em cursos superiores. Pode ser que sim, pode ser que não.

Nossa sociedade, agora enriquecida com a ascenção social relâmpago e inédita, é a mesma que legitima esquadrões da morte,que pratica racismo diário, enquanto prega "democracia racial", mistura religião com escolas, ostenta símbolos cristão em locais públicos, espanca mulheres, cheira e fuma, mas promove guerra contra o tráfico, adora a confusão do público com privado e reivindica favores, enquanto aplica a lei ao vizinho.

Essa sociedade que teve um presidente com maior capital político da História, e que não enfrentou temas caros aos direitos humanos, e talvez por causa disso também, tenha se mantido tão popular. Porque representa fielmente esse paradoxal "conservadorismo humanitário" que adoramos empunhar como bandeira.
Essa "tolerância" que nada mais é que sublimação dos conflitos para resguardar interesses dos que têm que se acertar com erros imprescritíveis.

Mas o fundamental é enxergarmos que para avançarmos com um projeto para TODO o país, é preciso não descuidarmos dos nossos "próprios demônios", que na maioria das vezes, são mais perigosos, pois de tão perto que estão, tornam-se invisíveis.

Movimento cansei!

O bom humor é, sem dúvida, uma arma poderosa contra os neoudenistas-serristas-anauê. Leiam o e-mail que recebemos do Léo F.

Desculpem amigos, vou votar no Serra. "Cansei...Basta"! Vou votar no Serra, do PSDB. Cansei de ir ao supermercado e encontrá-lo cheio. O alimento está barato demais. O salário dos pobres aumentou, e qualquer um agora se mete a comprar, carne, queijo, presunto, hambúrguer e iogurte. Cansei dos bares e restaurantes lotados nos fins de semana. Se sobra algum, a gentalha toda vai para a noite. Cansei dessa demagogia. . Cansei de ir em Shopping e ver a pobreza comprando e desfilando com seus celulares. . O governo reduziu os impostos para os computadores. A Internet virou coisa de qualquer um. Pode? Até o filho da manicure, pedreiro, catador de papel, agora navega... . Cansei dos estacionamentos sem vaga. Com essa coisa de juro a juro baixo, todo mundo tem carro, até a minha empregada. " É uma vergonha! ", como dizia o Boris Casoy. Com o Serra os congestionamentos vão acabar, porque como em S.Paulo, vai instalar postos de pedágio nas estradas brasileiras a cada 35 km e cobrar caro. . Cansei da moda banalizada. Agora, qualquer um pode botar uma confecção. Tem até crédito oferecido pelo governo. O que era exclusivo do Diamond Mall, agora, se vende até no camelô do Oiapoque, 25 de Março e no Braz. . Vergonha, vergonha... . Cansei de ir em banco e ver aquela fila de idosos no Caixa Preferencial, todos trabalhando de office-boys. . Cansei dessa coisa de biodiesel, de agricultura familiar. O caseiro do sítio do meu pai agora virou "empreendedor" no Nordeste. Pode? Cansei dessa coisa assistencialista de Bolsa Família. Esse dinheiro poderia ser utilizado para abater a dívida dos empresários de comunicação (Globo,SBT,Band, RedeTV, CNT, Fôlha SP, Estadão, etc.). A coitada da "Veja" passando dificuldade e esse governo alimentand o gabiru em Pernambuco. É o fim do mundo. . Cansei dessa história de PROUNI, que botou esses tipinhos, sem berço, na universidade. Até índio, agora, vira médico e advogado. É um desrespeito... Meus amigos, que foram bem criados, precisam conviver e competir com essa raça. Cansei dessa história de Luz para Todos. Os capiaus, agora, vão assistir TV até tarde. E, lógico, vão acordar ao meio-dia. Quem vai cuidar da lavoura do Brasil? Diga aí, seu Lula... . Cansei dessa história de facilitar a construção e a compra da casa própria (73% da população, hoje, tem casa própria, segundo pesquisas recentes do IBGE). E os coitados que vivem de cobrar aluguéis? O que será deles? Cansei dessa palhaçada da desvalorização do dólar. Agora, qualquer um tem MP3, celular e câmera digital. Qualquer umazinha, aqui do prédio, vai passar férias no Exterior. É o fim... . Vou votar no Serra. Cansei, vou votar no Serra, porque quero de volta as emoções fortes do governo de FHC, quero investir no dólar em disparada e aproveitar a inflação. Investir em ações de Estatais quase de graça e vender com altos lucros. Chega dessa baboseria politicamente correta, dessa hipocrisia de cooperação. O motor da vida é a disputa, o risco... Quem pode, pode, quem não pode, se sacode. Tenho culpa eu, se meu pai era mais esperto que os outros para ganhar dinheiro comprando ações de Estatais quase de graça? Eles que vão trabalhar, vagabundos, porque no capitalismo vence quem tem mais competência. É o único jeito de organizar a sociedade, de mostrar quem é superior e quem é inferior. . Eu ia anular, mas cansei. Basta! Vou votar no Serra. Quero ver essa gentalha no lugar que lhe é devido. Quero minha felicidade de volta.”

quarta-feira, 13 de outubro de 2010

Nota de falecimento!

O blog cumpre a dolorosa tarefa de comunicar a morte do companheiro Jurandir Siqueira Mota, aos 66 anos.

Velório ocorre na capela da Santa Casa, em frente ao Cemitério do Caju, com sepultamento previsto para 16 horas.

Ao companheiro, colega de profissão e amigo Frederico, filho de Jurandir, e a toda a família, nossos pêsames.

É bom ter razão?

Um dos "cacoetes" de nossa mídia provinciana, filial do PIG nacional, é exibir como troféu a repercussão de seus "palpites" nas suas matrizes do PIG nacional.

Não há nada demais disso, e no fundo, no fundo, todo mundo que publica algo busca alguma referência pública.
O problema é ficar escravo dessa relação e abrir mão de um pensar próprio, como fazem os barões da mídia locais, que vassalam outros barões das capitais!

Nesse gueto de opinião nunca escondemos nossa admiração pela Carta Capital. Daí que sempre que encontramos algo que coincida com o que publicamos aqui nesse blog, festejamos, mas sem perdermos a capacidade de discordar, nem ceder ao autoelogio narcotizante.

Mas confesso que dessa vez,  fico em dúvidas se é bom ter razão ou não, muito embora a companhia seja luxuosa.

Na coluna do Maurício Dias, há dois momentos que podemos comparar com textos que publicamos. Os dois se relacionam, embora tratem de assuntos, aparentemente, diferentes.

Falamos na, na semana que passou, acerca da questão do aborto, que foi capa da revista citada, a Carta Capital. Falamos que o medo do PT e de Dilma determinou que o boato fizesse tamanho estrago.

Em uma fala atribuída a Ciro Gomes,  resume-se o que publicamos antes:

"Boato só prospera onde há perplexidades, vácuos, vazios. Como essa questão do aborto". 

Acreditamos que o PT e Dilma ficaram "reféns" (esse foi o termo que usamos) de um tema que não enfrentaram no governo e na campanha, aprisionados pela agenda religiosa.

Outra questão que analisamos, e que o colunista também escreveu foi a chamada "onda verde". Há dois textos, um do Marcos Coimbra e outro do Maurício Dias sobre o assunto. Destaco a nota do segundo, pela concisão e simplicidade, mais adequadas ao nosso pequeno quintal:


"O sucesso de Marina Silva na disputa presidencial gerou a ilusão de uma "Onde Verde" invadindo a política, a partir do mar de votos que ela obteve. 
Não caia nessa "Onda". Ela é como a traduçãod e uma gíria do passado: Ilusão. No ir e vir das eleições, os verdes continuam com baixa expressão nos legislativos estaduais e no Congresso, onde conseguiram, agora, manter pequena bancada de 15 deputados.
Como a versão é mais sim pática que o fato, a imprensa adota a versão."

Dissemos isso nesse blog: Que o voto marina pode ser definido por vários motivos, mas não pode ser encarado como um movimento político orgânico e sistemático, muito menos um "terceira alternativa", como festejaram alguns jornais locais .

Pois bem, eu adoraria dizer que é bom ter razão, mas essa constatação não pode ser apenas motivada por vaidade pessoal, ou necessidade de afirmar esse veículo com referência de informação aos leitores.

Como militante político, me entristece saber que nossa fragilidade nos exponha a ameaça de interromper o mais bem sucedido projeto de nação que tivemos na História.

Vício de origem!

Como anunciei aí embaixo, o encontro da Dilma com os militantes virtuais é necessário e está atrasadíssimo!

Mas depois, em uma olhada mais cuidadosa pude verificar um vício de origem:
Ora, nada contra a Secretaria Nacional de Cultura do Partido, e reconheço a transversalidade do tema cultura, mas a relação institucional da candidata e possível presidenta do país com a rede deve ser orientada por uma estratégia vinculada a comunicação social.

Será que isso é medo dos barões da mídia?

Tomara que não, tomara que seja mais uma de nossas históricas miopias mesmo!

Ciência, tecnologia e eleições!

O ex-ministro Delfim Netto, um dos melhores articulistas de economia desse país (favor não confundir esse reconhecimento com sua atuação como ministro), diz sempre que a receita do desenvolvimento é crédito e inovação científica.

Eu concordo, me arrisco e vou além: A qualidade desse desenvolvimento dirá a que serve, ou seja: Desenvolvimento só merece ser chamado assim se tiver como premissa o bem estar das pessoas!

Assim, inovação e crédito devem seguir esse pressuposto. No caso exposto na entrevista, fica claro que esse país é possível. Leia no Outros Campos a entrevista dada ao jornalista Luiz Carloz Azenha. Quem nos trouxe essa oportunidade de conhecimento foi o blogueiro Thiago Venâncio, que colabora naquele espaço, e também pilota o seu, dedicado aos temas relacionados a C & T, o ancestralcomum.blogspot.com:

terça-feira, 12 de outubro de 2010

Miguel Nicolelis e as eleições presidenciais

A mineração de vidas!

Não houve quem não se emocionasse, nos últimos meses, com o drama vivido pelos 33 mineiros soterrados em uma mina de ouro e cobre em pleno deserto chileno do Atacama.

Mas todo drama deve servir mais a reflexão do que a mera espetacularização promovida pela mídia, que alça a heróis as autoridades e patrões que foram os mesmos que se omitiram em prevenir as situações que possibilitam tal desastre.

Ora, dirão alguns que a mineração é uma atividade onde o risco é permanente,  e que tais eventos são comuns. Pode ser.

Mas o histórico recente mostra que a geografia dos incidentes insiste em permanecer relacionada aos países onde a atividade encontra pouco ou nenhum controle, como Rússia e Chile, ou onde esse controle não se submete a qualquer tipo de questionamento, como a China.

Logo, passada a comocão inicial pelo bem sucedido resgate, há de perguntarmos: Se há tecnologia de ponta para realizar uma proeza dessas, como imaginar que não exista jeito semelhante de prevenir os deslizamentos e soterramentos?

Leia aqui o texto, em espanhol, no jornal El País sobre o tema, e tire suas próprias conclusões:

¿Quién gana y quién pierde en la crisis de los mineros?

Los protagonistas y las consecuencias posteriores a un rescate del que está pendiente el mundo entero

Até que enfim!

A campanha do PT e da Dilma parece que acordou.

Se é verdade que a internet e a blogosfera não são um "milagre da comunicação", é bem verdade que as possibilidades que oferecem estão subutilizadas pelo campo político progressista.

Essa reun ião pode ser o embrião da relação institucional que esse setor travará com governos pelo viés da comunicação social como política de Estado, e não apenas de uma administração.

Então, vamos à luta, antes tarde do que nunca:

Quarta-feira, Outubro 13, 2010

Campanha de Dilma se articula na Internet



Os militantes virtuais que estão com Dilma estão sendo chamados a participa, nesta quarta-feira (13), às 19h, de um encontro na cidade do Rio de Janeiro. O Encontro promovido pela Secretaria Nacional de Cultura do Partido dos Trabalhadores e pela equipe #Dilmanarede será uma conversa sobre a atuação dessa militância nas redes sociais na eleição 2010. Mais detalhes aqui, especialmente para os blogs que já têm posição firmada, em defesa da candidatura Dilma,13, para o Brasil continuar mudando!

sábado, 9 de outubro de 2010

Blog ateu, folga religiosa!

Como o Estado brasileiro adota no seu calendário o feriado dedicado a fé católica, eu lamento, mas aproveito!

Lamento que os feriados não sejam mais numerosos, extendidos a todas as denominações, que fique claro! rsrs!

Agora só dia 13/10.

Fui!

sexta-feira, 8 de outubro de 2010

Mais um pouco do Óleo do Diabo.

Nesses tempo de fundamentalismo cristão midiático, nada como um pouco do bálsamo chamado pensamento crítico, que nessas plagas, é coisa do demônio. Leia um pequeno trecho final como aperitivo, e confira o resto por lá:

O Leviatã engoliu a internet?


"(...)
O advento da internet assustou o Leviatã midiático, porque projetou holofotes sobre os milhares de guerreiros liliputianos que há tempos atuavam nos subterrâneos. Hoje eu vejo, porém, que o monstro, se antes encarava esses rebeldes com a condescendência que só o poder absoluto confere, hoje entendeu que eles representam um perigo real à sua hegemonia e iniciou estratégias para combatê-los, sobretudo através da criação de seu próprio exército de mercenários da web. Os grandes portais da mídia hoje abrigam uma quantidade inacreditável de blogueiros. Todos obedientes e bem comportados.

Semana passada, o colunista Paul Kruger, que escreve para alguns jornais norte-americanos, publicou um texto em que menciona a fala de um político do Partido Republicano, no qual este diz que não é a Fox que trabalha para seu partido, e sim os republicanos é que trabalham para a Fox. Ele se referia ao fato de muitos políticos republicanos, quando sem mandato eletivo ou cargo no governo, serem contratados como empregados pelas empresas do grupo controlado por Rupert Murdoch (dono da Fox).

Nessas eleições, portanto, está em jogo não apenas uma disputa simples entre PT e PSDB e sim, sobretudo, uma guerra de proporções épicas entre o Leviatã midiático e o exército independente de guerreiros liliputianos. E não me refiro apenas aos blogueiros e que comentam em blogs e sites, mas às consciências livres, que tem coragem de pensar com suas próprias cabeças em vez de reproduzirem acriticamente a opinião lida num jornal ou revista. Obama ganhou as eleições porque Leviatã permitiu: a maioria dos grandes jornais, entre eles o New York Times, o apoiou. Dilma, ao contrário, tem oposição da quase totalidade da mídia brasileira, apesar do apoio majoritário que ela tem recebido do povo brasileiro, que por pouco não lhe dá uma massacrante vitória no primeiro turno. Estamos testemunhando algo realmente grandioso. Não é um momento fácil. A guerra só é bela vista de longe, muito de longe, e este momento será futuramente registrado em livros e filmes. Eu mesmo pretendo, se as musas me permitirem, escrever alguns. Queria, portanto, encerrar esse texto vos lembrando que os grandes momentos necessariamente requerem sacrifício e luta. Isso vale para a política, para a arte e para a vida. E enquanto formos vivos, seremos constantemente chamados para os campos de batalha, que nos dias de hoje, foram transplantados para o mundo virtual. Afinal, como disse Platão: o fim da guerra, só os mortos conhecem.

Um tiro no pé e as maiorias silenciosas!

Parece claro aos analistas que a discussão sobre o aborto, da forma desqualificada como foi colocada pelos serristas, aproveitados pelo marinistas e conduzida pelos setores fascistas das igerjas, deu o que tinha que dar!

Mas há um dado, que os marqueteiros da seção da ku-klux-klan brasileira, que habitam uma parte do psdb e os demos, parecem não considerar, na sua "nova cruzada".

Ora, o tema aborto é um paradoxo que desafia qualquer rigidez dogmática e qualquer avalanche moralista das religiões, assim como adultério, celibato ou qualquer outra questão associada a comportamento e escolha, alvo principal da moral religiosa:

A maioria esmagadora das mulheres que fazem aborto, confessam ter uma fé religiosa, ou no mínimo, acreditam em deus, e sabem que, de acordo com a noção de divinidade que têm, fazer aborto é contra os mandamentos da sua fé.

Logo, se nem o medo do "inferno", ou de romper crenças nas quais diz se submeter, fazem com que mulheres deixem de fazer aborto, a campanha serrista, mentirosa e caluniosa, que atribui a Dilma algo que ela não disse que faria, pode acabar por ser um veradeiro tiro no pé!

Ensinam os "especialistas" que expor o eleitorado a suas próprias "hipocrisias" pode suscitar duas coisas, ambas desastrosas:

1. A repulsa por quem lhe condena a escolha privada dolorida, pois sim, fazer aborto não é um passeio sádico pelo parque;

2. Redimir a "culpa" e provocar o debate consciente em lares e mentes dos que passaram pelo drama.

Enfim, por onde quer que se olhe, utilizar tema tão espinhoso e delicado em uma campanha suja, e eivada de preconceito e simplificações pode despertar aquilo que chamam de "maioria silenciosa", uma vez que pelos dados do SUS, subnotificados pela criminalização e pela vergonha, quase todo mundo tem uma parente ou amiga que recorreu a tal prática, e infelizmente, no caso das mais pobres, pode presenciar e, ou ouvir do sofrimento, perigo e humilhação a que foram submetidas.

O aiatolá e seus mulás!

Aiatolá Serra vai apedrejar a Soninha?

publicada sexta-feira, 08/10/2010 às 10:04 e atualizada sexta-feira, 08/10/2010 às 10:08
                                          
A Soninha (que já foi da MTV, e era filiada ao PT) hoje é uma das coordenadoras da campanha do Serra. A Soninha – como tantas mulheres – reconhece – na reportagem reproduzida aí no alto – que já fez aborto. Não o fez porque é um monstro irresponsável. Mas porque tantas vezes essa é a única opção para as mulheres. Quem conhece alguém que já abortou sabe do drama que as mulheres - mas também alguns homens – enfrentam nessa hora.
Serra e Soninha, vamos ser honestos, não são fascistas nem fanáticos religiosos – ou não eram. Serra, quando ministro da Saúde, assinou portaria regulamentando aborto no SUS. Só que Serra não tem limites para chegar ao poder. Na tentativa desesperada de ganhar de Dilma, ele se aliou ao que há de mais atrasado no Brasil. Até TFP (seita de extrema direita que é monarquista , contra o divórcio e contra os gays) está apoiando Serra.
Serra, pra ganhar,   aposta no atraso, no pensamento mais consevador. Aposta no preconceito contra as mulheres. Serra quer ganhar votos espalhando que Dilma é “abortista, e quer matar criancinhas” (a própria mulher de Serra disse isso num corpo-a-corpo na rua).
Sei que há muita gente, homens e mulheres, que não gosta da Dilma. Gente que até já votou no PT , mas se decepcionou com o PT. Muita gente nessa situação escolheu no primeiro turno Marina, Plinio ou até Serra. Mas será que esse povo quer o atraso no Brasil? Duvido…
Serra, se vencer (e acho que não vence), trará com ele o preconceito, o atraso, a visão de que “gay é pecador” e “mulher está aí pra procriar, não pra decidir sobre sua saúde”.
Serra não era assim. Mas ficou assim. Serra hoje é o atraso. Não é à toa que, no twitter, Serra virou “#aiatoláSerra”.
Coitada da Soninha.   

A Petrobras e o PIG 2!

Confesso, acreditem ou não, que ainda não tinha lido o Nassif a respeito. Mas vale á pena:

As análises sobre a Petrobras

A Petrobras e o PIG!

Há muito tempo, eu converso com um estimado colega de profissão, e quando a gente se pergunta o porquê de determinados eventos que enfrentamos, sempre concordamos: "Nada tem uma única causa absoluta, é um pouco de cada coisa".

Ora, me dirão vocês, isso é óbvio!
Eu sei, mas quem não parece saber é quem se diz ter "o dever" de informar.

Vejam que de todas as causas da queda das ações da empresa na Bolsa, fato normal e corriqueiro para quem conhece o setor(eu não conheço, e por isso procurei me informar), o PIG, a serviço de sua candidatura e dos que quiseram privatizá-la no passado recente, determina que são os "escândalos" que rondam os contratos da empresa com fornecedores.

Antes de tudo é bom que se diga:
Toda e qualquer irregularidade deve ser noticiada e tem que ser apurada. Não há problema em tornar público os problemas de qualquer setor, e de qualquer governo. O problema é quando a mídia "escolhe" quais governos denunciar, e nas suas "denúncias", processa, julga e condena, vinculando e ampliando o alcance da ação de criminosos.

Mas por trás do ataque a Petrobrás tem mais coisa que a simples campanha, como já disse lá em cima.

Primeiro, depois da maior oferta pública de ações do mundo, com sucesso tremendo, que alçou a empresa a posição de 2ª colocada no mundo no setor, e uma das maiores empresas do mundo, em todos os setores. é normal que haja uma rearrumação de posições do mercado, ou seja, um movimento, ordenado ou não, de venda de ações, que por conseguinte baixa o preço.

Esse movimento está associado ao cenário internacional, e aos humores desse "mercado".

Mas como esse setor reage de forma volátil a notícias, pois a aquisição de ações se baseia basicamente em confiança, aliás como todas as transações de crédito, a publicação dessas "denúncias", boa parte dela, requentada, serve ao lucro de determinado grupo de investidores.

Assim foi quando se aproximava a oferta pública de ações, e assim é agora.

Não há de reclamar, esse é o "jogo", aqui ou em NY.

Mas vamos aos fatos:

A Petrobrás tornou-se a segunda maior empresa de petróleo do mundo por obra de seus funcionários e parceiros, mas também pela decisão soberana desse governo em investir e promover e reestatização da empresa, sucateada pela octaéride do psdb.

Como resultado desse investimento, e não por "sorte", a empresa descobriu enormes jazidas que modificaram o papel geoeconômico e geopolítico do pais no cenário internacional.

Se levado a cabo os planos do psdb, essas reservas já estariam em outras mãos que não as nossas!

É isso que está por trás ds ataques do PIG. Esconder o fracasso de gestão do psdb e aumentar o lucro dos especuladres da bolsa, parte deles, ligadas organicamente ao demotucanato.

UPPs e o PIG!

Todos sabem como chamo a "menina dos olhos" do governador sérgio cabral, as UPPs. Em lugar de Unidades de Polícia Pacificadora, eu as chamei sempre de Unidades de "Propaganda" Pacificadora.

Não descerei a detalhes do "modelo" implantado, mas é certo que a ação do Estado carece de sistematização, uma vez que política pública de segurança pública não se resume a slogans, como UPP, Delegacias Legais, DEDICs ou qualquer outro. É preciso ação articulada, com respeito aos dados, e principalmente, que essa politica esteja voltada para todos os cidadãos sem distinção ou corte de classe.

Pretender chamar "ocupação dos morros" com "pacificação" é piada de mau gosto.

Mas não são as minhas críticas que vou tratar aqui, mas as recentes críticas do PIG nacional ao Governo do Estado e suas UPPs.

Por encanto, o "canto da sereia" mudou. E aquilo que foi festejado com visitas, matérias e tomadas das varandas das casas das comunidades, como símbolo da "nova realidade" do lugar, agora é objeto de críticas de toda a sorte.

Como disse, não entrarei no mérito delas, até por que, boa parte dessas críticas já tinha falado aqui.

Mas apenas acho estranho que as críticas se dêem justamente porque a candidata Dilma, em suas visitas ao RJ, tenha incorporado em seu programa de campanha a disseminação das UPPs (que eu discordo, frontalmente).

Aliás, eu não acho estranho, eu tenho certeza que é escandaloso!

quinta-feira, 7 de outubro de 2010

Os porcos e a hipocrisia!

O verdadeiro motivo do ódio que alguns herdeiros nutrem por esse blogueiro não é o combate que fazemos as imbecilidades que escrevem nas suas folhas de embrulhar peixe podre.

Nem tampouco o fato de sempre termos nos posicionado contra a prática de manipulação e distorcimento da realidade em nome de interesses próprios e de seus sócios de poder.

Tudo isso nunca mereceu o ódio de fato do grupo de comunicação, que em 2007, tentou cooptar esse blogueiro para escrever nas suas páginas, pois pretendia assim aprisionar uma voz que se levantava, e ainda dar um verniz de pluralidade ao seu mofado veículo, como faz agora com alguns incautos que se deixam seduzir por uma "notoriedade" estéril.

O verdadeiro motivo é que esse blogueiro não aceitou tal convite!

Ahhh, e antes que me perguntem qual o teor da resposta, aí vai: Condicionei a aceitação a abertura de espaço para o PT em programa de rádio, pois disse que nada fazia pessoalmente, e sim para o coletivo, e depois, só escreveria sob pseudônimo, sem revelação da identidade e com liberdade para bater no próprio veículo.

É óbvio que fiz propostas que não seriam aceitas, um modo "delicado" de mostrar independência, pois se aceitasse minhas condições, esse blogueiro só teria a ganhar, ainda que tivesse que explicar para seus leitores tal decisão!

Antes da derradeira conversa, em uma reunião na casa de Adilson Sarmet, tornei público o convite e recebi de Roberto Moraes, com o reforço de Luciano D´Ângelo o seguinte conselho: "Não vá, pois você agrega mais a ele, que ele a você, portanto..."

A conversa derradeira foi testemunhada pelo Prof. Fábio Siqueira, no Club, na Pelinca.

Quem "intermediou" o primeiro contato foi a queridíssima Aucilene Freitas.

Leiam o texto do e-mail, onde a admiração e puxação de saco estavam explícitas. Lembremos que na época, o blogueiro enfrentava vários problemas de comportamento, que ao que parece, não incomodavam tanto assim.

Agora, limpo há mais de um ano, parece que o blogueiro incomoda mais. O que será que mudou: A opinião do filho do dono sobre possíveis excessos, ou seu interesse em desmoralizar quem não lhe curva a coluna?

Porque, na opinião de médicos, colegas de trabalho, advogados e superiores, o blogueiro, hoje, se encontra no melhor de seus dias.
Mas uma característica o blogueiro não perdeu: a coragem de enfrentar tudo e todos em nome do que acredita, justamente a característica que hoje incomoda tanto, mas que o herdeiro desejou comprar antes!

Em alguns meios, essa coragem é chamada de "loucura" ou mau caratismo. Que ótimo, prefiro assim, pois vindo de quem vem, soa até como elogio, dada a falta de estatura moral, conhecida e reconhecida, para fazer qualquer tipo de julgamento, nem de si, quiçá dos outros!

Mas leiam  vocês, e tirem suas conclusões. E vai um aviso, e pedido de desculpas: Chega desse papo chato:


Aluysio

 para mim
mostrar detalhes 07/01/09

Caro Douglas,
Cá que ninguém nos ouça, também acho vc muito inteligente...
Abraço!
Aluysio
P.S. As opiniões acerca da NBA são um destaque, sobretudo as com referencial dos anos 80, do Lakers, do Celtics e do Bulls

Todos têm direito a privacidade, não à hipocrisia!

Esse interessante debate surgiu no movimento GLBT estadunidense, que passou a divulgar os "segredos de alcova" de diversos parlamentares republicanos que, na vida pública perseguiam e formulavam leis  de represssão aos direitos dos homoafetivos, mas que na vida privada mantinham relacionamentos que desaprovavam em público.

Quando perguntados se os políticos e figurões atingidos não estariam com sua privacidade atingida, responderam: Todos têm direito a privacidade, não à hipocrisia!

Quem imaginar que julgo, ou critico quem tem problemas ou faz uso de qualquer substância psicoativa está errado, afinal, eu mesmo tive que resolver (e resolvi) meus problemas nessa seara.

Também respondi, sem recorrer a "sigilo" ou "carteiradas" a todos os procedimentos judiciais e administrativos instaurados em meu desfavor, e PASMEM: Não há nenhuma condenação, nem JUDICIAL, nem ADMINISTRATIVA. Minha ficha funcional só tem elogios por minha atuação.

Na verdade, a única "punição" que sofri não foi formal, nem teve processo legal ou administrativo. Foi uma transferênca provocada por que investiguei, prendi e ajudei ao MP a juntar provas e denunciar 50 pessoas que desviaram 40 milhões da Campos Luz, gente que sempre contou com o beneplácito de alguns órgãos de mídia, que à época, viviam pendurados nas "tetas da viúva".

Fui, por paradoxal que seja, elogiado por essa operação que ajudei a coordenar, e depois "punido com desterro", junto com toda a equipe de então.
 

Esse blogueiro não aceitará que a hipocrisia venha lhe cobrar qualquer comportamento que seja.

Nem dos ex-amigos que exigem comportamento público democrático, quando na esfera privada se pretendem "acima da Lei", nem muito menos do PIG e seus particantes do jornalixo, que combatem o tráfico e a violência nas suas páginas sensacionalistas, mas se servem desse comércio em suas festas privadas!

No entanto, nunca endossei o discurso terrorista da classe média nesse tema, e meus textos sempre procuraram debater o tema com a sobriedade exigida.

 Mas agora, é a esses hipócritas que dedicamos nosso escárnio e ironia, sem misericórdia!

Se querem debater o tema, inclusive com a exposição pública de dramas pessoais, ótimo. Estamos prontos. Para esse e qualquer outro tema, em qualquer arena, em qualquer instância, com qualquer audiência.
Mas se querem apenas assassinar reputações, podem tentar a sorte, que o azar será certo!

É só isso, e o resto da polêmica eu deixo para os tribunais!

Nas entranhas do PIG!

Não, não, não falo dos porcos locais. Deixemos esse povo de lado um pouco. Falo do PIG nacional. Leiam a entrevista abaixo e pasmem:



Maria Rita Kehl: "Fui demitida por um 'delito' de opinião"


A psicanalista Maria Rita Kehl foi demitida pelo Jornal O Estado de S. Paulo depois de ter escrito, no último sábado (2), artigo sobre a "desqualificação" dos votos dos pobres. O texto, intitulado "Dois pesos...", gerou grande repercussão na internet e mídias sociais nos últimos dias.
Nesta quinta-feira (7), ela falou a Terra Magazine sobre as consequências do seu artigo:
- Fui demitida pelo jornal o Estado de S. Paulo pelo que consideraram um "delito" de opinião (...) Como é que um jornal que anuncia estar sob censura, pode demitir alguém só porque a opinião da pessoa é diferente da sua?
Veja o artigo da psicanalista que provocou a medida autoritária do jornal O Estado de S.Paulo: Dois Pesos
Leia abaixo a entrevista.
Terra Magazine - Maria Rita, você escreveu um artigo no jornal O Estado de S.Paulo que levou a uma grande polêmica, em especial na internet, nas mídias sociais nos últimos dias. Em resumo, sobre a desqualificação dos votos dos pobres. Ao que se diz, o artigo teria provocado conseqüências para você...
Maria Rita Kehl - E provocou, sim...
- Quais? 
- Fui demitida pelo jornal O Estado de S.Paulo pelo que consideraram um "delito" de opinião.
- Quando? 
- Fui comunicada ontem (quarta-feira, 6).
- E por qual motivo? 
- O argumento é que eles estavam examinando o comportamento, as reações ao que escrevi e escrevia, e que, por causa da repercussão (na internet), a situação se tornou intolerável, insustentável, não me lembro bem que expressão usaram.
- Você chegou a argumentar algo? 
- Eu disse que a repercussão mostrava, revelava que, se tinha quem não gostasse do que escrevo, tinha também quem goste. Se tem leitores que são desfavoráveis, tem leitores que são a favor, o que é bom, saudável...
- Que sentimento fica para você? 
- É tudo tão absurdo... A imprensa que reclama, que alega ter o governo intenções de censura, de autoritarismo...
- Você concorda com essa tese? 
- Não, acho que o presidente Lula e seus ministros cometem um erro estratégico quando criticam, quando se queixam da imprensa, da mídia, um erro porque isso, nesse ambiente eleitoral pode soar autoritário, mas eu não conheço nenhuma medida, nenhuma ação concreta, nunca ouvi falar de nenhuma ação concreta para cercear a imprensa. Não me refiro a debates, frases soltas, falo em ação concreta, concretizada. Não conheço nenhuma, e, por outro lado...
- ...Por outro lado...? 
- Por outro lado a imprensa que tem seus interesses econômicos, partidários, demite alguém, demite a mim, pelo que considera um "delito" de opinião. Acho absurdo, não concordo, que o dono do Maranhão (senador José Sarney) consiga impor a medida que impôs ao jornal O Estado de S.Paulo, mas como pode esse mesmo jornal demitir alguém apenas porque expôs uma opinião? Como é que um jornal que está, que anuncia estar sob censura, pode demitir alguém só porque a opinião da pessoa é diferente da sua?
- Você imagina que isso tenha algo a ver com as eleições? 
- Acho que sim. Isso se agravou com a eleição, pois, pelo que eles me alegaram agora, já havia descontentamento com minhas análises, minhas opiniões políticas.
 

Vamos quebrar o sigilo!

Em pesquisa breve, descobrimos na 134ª DP uma série de procedimentos sigilosos, onde quem figura como autor é um herdeiro de um importante jornal local.

Ué, mas porque o sigilo, se os fatos de que tratam não oferecem perigo à vítima, nem testemunhas, ou muito menos a persecução criminal?

A resposta é: Tentativa de abafar os casos! Ou seja, se é rico, e possui algum meio de pressão, para você vale a regra que você não aplica aos outros em seu veículo de comunicação, onde o escândalo marrom é vendido como notícia!

Em breve publicaremos os números, e quem sabe poderemos achar a explicação sobre tanto "mistério"

Os porcos e o presunto!

De acordo com a mídia PIG, nacional e local, o alto índices de homicídios está relacionado ao comércio de drogas, e seu uso, bem como um sem número de mortes provocada por abuso de substâncias psicoativas, reconhecidamente, um problema de saúde pública.

Eu não concordo plenamente com essa assertiva, no que diz respeito a criminalidade violenta, que eles reproduzem, mas de qualquer forma é uma opinião.

Agora causa espanto que no afã de prestar solidariedade a quem mantém na coleira, assuma para si o papel de ofendido, ainda que isso seja impossível, e contrarie o que seu próprio jornal diz, em entrevistas de autoridades e "especialistas"

Ora veja, no raciocínio deles, o tráfico e os seus usuários estão expostos a violência, bem como as comunidades que cercam esses comércios.
Se o porco de coleira, meio assim, meio assado, vive a focinhar a farinha que neva nas madrugadas sombrias, e pelo que lemos nos jornais locais, e pelo que dizem os médicos: abuso de drogas mata.
Logo, não é nenhuma ameaça dizer que o porco que focinha demais, está louco para virar presunto!

Está escrito nas páginas das folhas que embrulham peixes podres, é só pesquisar!

Não é ameaça, porco-patrão, é aviso: Farinha demais mata, aliás, como tudo na vida! É só um conselho!

Em tempo: Embora eu não tenha dado nome aos bois, ops, quer dizer porcos, a vara ficou toda alvoroçada, vestindo com perfeição a carapuça.

Vai ser um processo divertido, onde sabemos, todos os meios lícitos de prova são permitidos, sob pena de ofensa a ampla defesa!

Em tempo 2: toda dependência química tem tratamento, é só procurar, não é vergonha. Vergonha é não admitir o problema!

cabralzinho na linha de tiro do PIG!

Todos sabem que eu critico a política pública de segurança de cabralzinho. Mas é muito escrota a estratégia do PIG nesse segundo turno.

Quem assistiu o jn e o jornal hojem sabe do que falo.

Ora, garantido o governador no seu posto, o PIG passa a mirar nele, como forma de:

1. Puní-lo pelo apoio a Dilma;
2. Diminuir a percepção sobre as UPPs, que até ontem festejavam, uma vez que essa é uma das bandeiras de Dilma, ou seja, espalhar o modelo fluminense para o país.

O PIG não perdoa.

Chamados os "especialistas" de sempre, agora aparecem as críticas sobre concentração de esforços nas UPPs, etc, etc.

Ué, o que mudou, a política do governador? Claro que não, mudou apenas o interesse do PIG em relação a ele.

O PIG não perdoa. Mata reputações e sempre rompe acordos, de acordo com a ocasião!

Depois do segundo turno, voltam atrás e refazem outros acordos para garantir os "negócios".

É que chamamos de "extorsão midiática".

Pensando bem, o governador até que merece.

Engenharia genética da planície lamacenta!

O que sai da mistura de burro com porco?

Não sei, mas deve ser um bicho "somos meio assim"!

Só isso pode justificar a atenção (atrasadíssima) a um fato que se deu desde em março desse ano.

A "novidade" noticiada é que eu fui expulso de um blog local! "Novidade" essa que é além de atrasada, mentirosa.

Ora, não é possivel que uma pessoa que se diz jornalista não tenha o cuidado de checar os fatos por detrás de palavras ressentidas do filho-da-mamãe, e se emprenhe pelo ouvido apenas pelo afã de "tabelar" com quem lhe segura a coleira no pescoço.

Então vamos aos fatos para quem interessar possa, e parece, pelo jeito, que cada passo desse blogueiro é o tema de predileção desses jornalistas de coleira:

Minha saída do blog do Núcleo se deu por razões políticas, expressas em postagem com foto no dia que lancei esse blog, pois leia:


domingo, 28 de março de 2010


Separação amigável!



O rompimento pessoal com gustavo carvalho se deu pelos motivos que todos já sabem, e os quais dou por encerrado, assim como essa "polêmica" com o pretenso jornalista de coleira e seu dono "brilhante"!

Como jornalista é um péssimo cozinheiro.

Deve ser a dieta á base de "farinha" e crepe de capim que deve estar embaçando os sentidos!

Capital para o debate capital!

Para fugir da indigência cultural que povoa as redações locais e nacionais do PIG. Algo para ler e pensar. Digerir com paciência:

7 de outubro de 2010 às 11:00

Uma leitura distinta dos resultados do primeiro turno

Voto em Marina não é ecológico, mas também não evangélico
Antonio Luiz M. C. Costa, na CartaCapital, em 5 de outubro de 2010 às 19:04h
A religião e a legalização do aborto se tornaram os grandes temas nacionais, capazes de decidir os rumos da eleição presidencial, conforme parecem defender alguns comentaristas? Parece-nos antes que isso é um mal-entendido, que se for levado a sério pode distorcer terrivelmente os rumos de campanhas e de programas políticos. Considere-se, para começar, a distribuição geográfica, por atacado, dos votos em Marina.
Como se sabe, os votos de Dilma, assim como os votos de Lula em 2006, concentram-se em um arco leste-norte, que vai do Espírito Santo e norte de Minas ao Amazonas, com centro de gravidade no Nordeste. Os votos de Serra, assim como os votos em Alckmin de 2006, concentram-se em um eixo que sai do Sul, tem o centro de gravidade em São Paulo e se estende ao Mato Grosso, com alguns enclaves nas fronteiras nortistas do agronegócio (interior do Pará, Acre, Roraima). A maior diferença em relação ao quadro do primeiro turno de há quatro anos é que o Rio Grande do Sul, em boa parte, “avermelhou”.
O voto da Marina, tido como “verde” – mas só em um sentido convencional, já que só secundariamente tem algo a ver com ambientalismo e menos ainda com a pequena votação do Partido Verde a cargos no legislativo – concentra-se principalmente na fronteira entre as regiões “vermelha” e “azul”: no Sudeste e Centro-Oeste – Minas Gerais, Rio de Janeiro, Distrito Federal, Goiás, Tocantins – embora também sejam significativas, e muito importantes em termos absolutos, as votações em São Paulo, Paraná e nas metrópoles do Nordeste, nos “corações” políticos dos adversários.
Em grandes números, 25% da votação de Marina veio de São Paulo, 28% dos outros estados do Sudeste, 21% do Nordeste, 11% do Sul (principalmente Paraná), 8% do Centro-Oeste e 7% no Norte – muito pouco, por sinal, de seu estado natal, o Acre. Suas votações mais fracas foram as dos estados mais pobres do Nordeste, Maranhão, Piauí e Alagoas (também Sergipe, exceção nesse aspecto) e dos estados politicamente mais polarizados ou com intensas disputas de terras – Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Mato Grosso, Rondônia, Pará – onde há menos espaço para conciliação e “terceira via”.
Só por isso, já é de se pensar que Marina ocupa de fato o espaço que reivindicou ao longo da campanha: de um progressismo moderado, uma terceira via “centrista” entre o PT e o PSDB. Impreciso, com certeza, mas igualmente são imprecisas as ideias políticas de uma parcela importante do eleitorado, chamada “nova classe média”, a classe C ascendente.
É uma camada principalmente urbana, que progrediu em relação aos pais pobres e mal educados, tem certa educação, até superior, está decentemente empregada e precisa cada vez menos de programas sociais como o Bolsa-Família, do SUS ou de novos projetos de saúde e saneamento. Ao mesmo tempo, é mestiça, não está à vontade com a “alta cultura”, tem gostos populares e se sabe desprezada pela elite tradicional. Não se identifica totalmente com as prioridades da esquerda – redução da desigualdade e crescimento econômico – mas também não com as da direita – conservação de privilégios disfarçados em competência e meritocracia. Busca um meio-termo que, assim como Marina, não sabe definir com precisão e chama de “mudança”.
É uma camada que se identifica mais com a história pessoal de Marina, uma ex-empregada doméstica alfabetizada pelo Mobral que “subiu na vida”, fez curso superior e uma carreira política pacífica e respeitada, do que com a carreira de um integrante convencional da elite política como Serra ou com o passado combativo de uma ex-guerrilheira como Dilma. Que tem um vago receio do “comunismo” e do MST e se esforça por se diferenciar das “massas” pobres e turbulentas e hesita em dar um cheque em branco a Dilma e ao PT. Não é a parcela da opinião pública mais conservadora, nem a que tem seu voto definido pelo padre, pelo pastor ou pela questão do aborto. Estes provavelmente votaram em Serra.
Esta interpretação se reforça quando se desce ao detalhe dos votos por município. Recife, capital do estado natal de Lula, não tem uma proporção excepcional de evangélicos pelos padrões brasileiros: apenas 17,6%. Mas 37% dos recifenses votaram em Marina (42% em Dilma, 19% em Serra). Já o município pernambucano de Abreu e Lima, o mais evangélico do estado (31,2%) teve 27% de votos em Marina, 52% em Dilma e 15% em Serra.
No Rio de Janeiro, Marina teve 29% em um município de alta concentração de evangélicos (30%) como Belford Roxo, 32% na capital (17,7% evangélica) e 37% em Niterói (15,3% evangélica), enquanto Dilma teve 57%, 43% e 35%, respectivamente, nesses municípios (e Serra 12%, 22% e 25%).
A abstenção acima do esperado explica alguma coisa? Não. Se alguém achou surpreendente que a soma de ausências, votos nulos e brancos no Nordeste tenha chegado a 29,34%, devia pensar de novo, pois no primeiro turno de 2006 foi 27,01%. Esses 2,33% de diferença – mesmo que fossem todos votos em Dilma, o que é muito improvável – não explicam por que a votação nela ficou algo abaixo de 60% nos principais estados, em vez dos mais de dois terços que se chegou a esperar. No conjunto do país, o não comparecimento às urnas foi 16,75% em 2006 e 18,12% em 2010: um aumento de apenas 1,37%.
Pode ser, porém, que os institutos de pesquisa tenham deixado de levar em conta as diferenças históricas de comparecimento entre as regiões ao ponderar as médias nacionais das intenções de voto e com isso tenham superestimado a votação em Dilma. Se fizeram isso, poderiam ter evitado o erro. Nos EUA, como em muitos outros países, as pesquisas sempre indagam ao eleitor se ele pretende votar. O fato de o voto ser teoricamente obrigatório no Brasil não justifica negligenciar o fator abstenção.
O mais importante, porém, é que candidatos, partidos e analistas percebem que a decisão do segundo turno não depende de propaganda religiosa ou anti-religiosa, de se ser contra ou a favor da legalização do aborto, mas de convencer um eleitorado centrista e flutuante, desconfiado tanto da esquerda quanto da direita, de que seus interesses práticos e racionais estão mais de um lado que de outro. É muito mais fácil para Dilma do que para Serra – até porque a vitória de Dilma depende de conquistar apenas 16% do voto em Marina, mesmo sem contar os 1% de Plínio que, no segundo turno, poderão votar nulo ou em Dilma, mas jamais em Serra. Mas superestimar a importância do voto religioso e conservador só vai atrapalhar.

Antonio Luiz M.C.Costa é editor de internacional de CartaCapital e também escreve sobre ciência e ficção científica.

Ué, por que a demora?

Infestada por pesquisas instantâneas, que auscultaram o eleitor quase segundo a segundo, a campanha eleitoral parece ter mudado de rumo nesse segundo turno.

Até agora, nem o sítio do IG, que publicava monitoramento (tracking) diário, nem outros institutos apresentaram suas "armas".

Cautela? Pode ser!

Mas o fato de que os números não tenham refletido o resultado, fato que até as pedras portuguesas arrancadas da Praça S. Salvador sabem ser possível, embora a imprensa PIG venda a pesquisa como prognóstico irreversível, e não uma fotografia de um determinado instante, pode ter influenciado o ímpeto pelo consumo dessa importante ferramenta no processo político.

Já se ouvem vozes pelo debate dos limites e, ou de novas regras para divulgação, para evitar a banalização desse instrumento e a conseqüente desmoralização.

Na verdade, esse é o calcanhar de Aquiles dos institutos: Sempre parecem vinculados ao gosto de quem contrata, ou de posições políticas.

E aí fica parecendo um queda de braço, onde os números são usados para torcer a realidade, que poderá caber assim, dentro desses números.

Não é culpa só dos insitutos, mas da forma como nós, políticos e militantes cedemos a midiatização da campanha, que usou como meio principal  a redução de todo o processo político a números e questões quantitativas de um lado, e do outro, no engessamento das normas das eleições, com uma judicialização excessiva, que por fim, retirou a campanha das ruas e deslocou o debate político para o monopólio do marketing e de seus magos!

Aborto tira voto? Então esconda a discussão, ou plante mentiras acerca do que não disse o adversário.

O eleitor não gosta da imagem? Então mudemos a maquiagem, e esqueçamos o conteúdo, os programas e o que representam os projetos políticos.

E antes que os idiotas se arvorem a dizer que somos nós, do PT que pretendemos censurar as pesquisas e, ou agências de publicidade, cabem duas observações importantes:

1. São os donos de institutos, como o João Meira do Vox Populi, dentre outros, que fomentam esse debate;

2. Censura mesmo quem promoveu foi o PSDB (o paladino das liberdades democráticas), quando no Paraná seu candidato e prócer da oligarquia Richa, usou o TRE local para impedir que TODOS os institutos de pesquisa divulgassem números que, à época, mostravam um crescimento de Osmar Dias do PDT, aliás, irmão de outro demotucanalha, Álvaro Dias, o preterido!

Mas todo  debate é bem-vindo, e com certeza, depois dessas eleições não mais consumiremos informação da mesma forma que os barões da midia querem: goela adentro!

Pensamentos de lama!

Nem todos os eleitores de marina silva são idiotas, mas todos os idiotas que conheço, votaram nela!

Fala, Luiz Fellipe!

E-mail recebido pelo militante da causa ambientalista, blogueiro Luiz Fellipe Muniz, que nós repassou, e nós publicamos:


Pedro Lima
(Economista e Professor da UFRJ)

Lula, que não entende de sociologia, levou 32 milhões de
miseráveis e pobres à condição de consumidores;
e que também não entende de economia; pagou as contas de FHC,
zerou a dívida com o FMI e ainda empresta algum aos ricos
Lula, o analfabeto, que não entende de educação, criou mais

escolas e universidades que seus antecessores juntos [14
universidades públicas e entendeu mais de 40 campi],
e ainda criou o
PRÓ-UNI, que leva o filho do pobre à universidade [meio milhão de
bolsa para pobres em escolas particulares].

Lula, que não entende de finanças nem de contas públicas,
elevou o salário mínimo de 64 para mais de 291 dólares [valores de

janeiro de 2010], e não quebrou a previdência como queria FHC.


Lula, que não entende de psicologia, levantou o moral da
nação e disse que o Brasil está melhor que o mundo.
 
Embora o
PIG-Partido da Imprensa Golpista, que entende de tudo, diga que não.

Lula, que não entende de engenharia, nem de mecânica, nem de
nada, reabilitou o Proálcool, acreditou no biodiesel e levou o país
à liderança mundial de combustíveis renováveis [maior programa de
energia alternativa ao petróleo do planeta].

Lula, que não entende de política, mudou os paradigmas
mundiais e colocou o Brasil na liderança dos países emergentes,
passou a ser respeitado
e enterrou o G-8 [criou o G-20].


Lula, que não entende de política externa nem de
conciliação, pois foi sindicalista brucutu; mandou às favas a
ALCA, olhou para os parceiros do sul, especialmente para os vizinhos
da América Latina, onde exerce
liderança absoluta sem ser imperialista.
Tem fácil trânsito
junto a Chaves, Fidel, Obama, Evo etc.
 
Bobo que é, cedeu a tudo e a todos.

Lula, que não entende de mulher nem de negro, colocou o
primeiro negro no Supremo (desmoralizado por brancos) uma mulher no
cargo de primeira ministra, e que pode inclusive, fazê-la sua sucessora.

 
Lula, que não entende de etiqueta, sentou ao lado da rainha (a convite dela) e afrontou nossa fidalguia branca de lentes azuis.

Lula, que não entende de desenvolvimento, nunca ouviu falar de
Keynes, criou o PAC;
antes mesmo que o mundo inteiro dissesse que é
hora de o Estado investir; hoje o PAC é um amortecedor da crise.

Lula, que não entende de crise, mandou baixar o IPI e levou a
indústria automobilística a bater recorde no trimestre
[como também na linha branca de eletrodomésticos].

Lula, que não entende de português nem de outra língua, tem
fluência entre os líderes mundiais; é respeitado e citado entre as
pessoas mais poderosas e influentes no mundo atual [o melhor do mundo
para o Le Monde, Times, News Week, Financial Times e outros...].

Lula, que não entende de respeito a seus pares, pois é um
brucutu, já tinha empatia e relação direta com George Bush -
notada até pela imprensa americana - e agora tem a mesma empatia com
Barack Obama.

Lula, que não entende nada de sindicato, pois era apenas um
agitador;.. é amigo do tal John Sweeny [presidente da AFL-CIO -
American Federation Labor-Central Industrial Congres - a central de
trabalhadores dos Estados Unidos, que lá sim, é única...]e entra
na Casa Branca com credencial de negociador e fala direto com o Tio
Sam lá, nos "States".

Lula, que não entende de geografia, pois não sabe interpretar
um mapa é autor da maior mudança geopolítica das Américas na
história.

Lula, que não entende nada de diplomacia internacional, pois
nunca estará preparado, age com sabedoria em todas as frentes e se
torna interlocutor universal.

Lula, que não entende nada de história, pois é apenas um
locutor de bravatas; faz história e será lembrado por um grande
legado, dentro e fora do Brasil.

Lula, que não entende nada de conflitos armados nem de guerra,
pois é um pacifista ingênuo, já é cotado pelos palestinos para
dialogar com Israel.
Lula, que não entende nada de nada;..
 
é bem melhor que todos os outros...!

Pedro Lima * 
Economista e professor de economia da UFRJ
 
 
OBSERVAÇÃO:

DESCULPEM-ME OS NAO-LULAS MAS COMO RECEBO MUITOS EMAILS IRONIZANDO E FALANDO HORRORES DELE
ACHO QUE TENHO O DIREITO DE ENVIAR UM UNICO EMAIL QUE FALE BEM DESSE
MARAVILHOSO "ANALFABETO".
 
 
SAUDAÇÕES BRASILEIRAS!

Fala, Fabiano Sepé!

Em seu blog, Fabiano elenca com mais detalhes o que tentei fazer aí embaixo, leiam:

São fatos como estes que me levam a votar em Dilma, PSDB no comando, nunca mais!

Ato falho!

Frase pinçada de um blog de coleira local, hospedado naquela página eletrônica do jornal que apenas serve para embrulhar peixe podre:

"(...) capazes de dar brilho ao mármore de qualquer ágora…"

Depois reclamam de mim.

Mas a consicência e subconsciência do rapaz não para de brilhar, né não?

Brilho, mármore...tsk,tsk,tsk, que coisa feia!

Será que nevou na Grécia?

A verdadeira vitória do PIG e dos demotucanalhas!

Uma das lições mais caras a quem participa de qualquer disputa é que devemos observar o outro, SEMPRE!

Outra lição, não menos cara, é entender o desencadear dos eventos que nos cercam, absorver a informção aí contida e agir!

Esse blog, findo o primeiro turno, adotou para si uma tática, que pde ser discutida ou refutada, mas que se prestava a um objetivo: Desconstruir o imaginário que cerca a candiadata verde, a fim de que não ficássemos reféns da desqualificação política que ela promoveu para se tornar viável aos seus sócios demotucanalhas, e cumprir com maestria o seu papel.

Com o desenrolar das "negociações" do segundo turno, a candidata tenta executar complicada "engenharia política" para preservar algum capital político no campo progressista, que não mais enxerga nela qualquer legitimidade, e para não ser "queimada" na fogueira da inquisição neoudenista que até agora a ajudou.

Mas o cerne da questão não está só no seu desespero de se manter viável, e não ser varrida e afogada pela própria "onda" que diz surfar.

marina é mais venal que isso, e sua tentativa de postergar um desfecho que só tem relevância para ela, egoisticamente, uma vez que a transferência do grosso dos votos não atenderá nem aos seus apelos, nem a do seu partido-quitinete, pois, provavelmente, quem votará em serra não mudará, nem tampouco os que decidirem por Dilma ou anular o voto.

marina cumpre agora o ato final de seu acordo tácito com o que há de pior na política brasileira: Ela quer imobilizar a campanha, e impedir, como fez no fim do primeiro turno, ancorada em calúnias e boatos produzidos pela mídia e pelos trolls da blogosfera, que o debate retorne ao ponto que os demotucanalhas fogem, como o diabo da cruz:
A comparação entre os governos do PT e do PSDB, porque afinal,  eleger alguém é discutir os projetos, soluções, experiências e ações dos representantes.

Li um comentário em um texto que publiquei ontem de um marinista que reivindica o voto nulo, porque deseja reforçar sua noção democrática que foge da dicotomia bem contra o mal.

Ótimo, lhe disse, mas o problema é pretender reforçar a Democracia com a visão de quem se diz acima dessa pobre divisão, como fazem os marinistas.

Esse discurso cai como uma luva às pretensões serristas de apagar da memória a comparação que deveria ser inevitável para escolher quem nos governará, pois então vamos a ela:

Governo do PSDB: Reservas cambiais em 2002 = U$ 17 bi

Governo do PT: Reservas cambiais em 2010 = + de U$ 200 bi

Governo do PSDB: Valor dolarizado do salário mínino = menos de U$ 100

Governo do PT: Valor dolarizado do salário mínimo= U$ 300

Governo do PSDB: Devedor do FMI em U$ 40 bi.

Governo do PT: Credor do FMI.

Governo do PSDB: Altas taxas de desemprego, as maiores da série histórica

Governo do PT: 6% de taxa, e em queda, a menor da História. geração de 10 milhões de emprego em dez anos, como prometido.

Governo do PSDB Fechamento de vagas nas universidades públicas, desmonte do ensino técnico profissionalizante.

Governo do PT: Dezenas de Universidades novas, expansão de vagas nas antigas, e criação de centenas de cursos técnicos profissionalizantes. PRO-UNI, com atendimento a 700 mil estudantes que estavam fora do ensino superior.

Governo do PSDB : Desmonte da Petrobrás e tentativa de privatização.

Governo do PT: Investimento maciço, capitalização récorde, 2ª maior empresa de petróleo do mundo, descoberta do pré-sal.

Governo do PSDB: 60 milhões de pessoas na linha da pobreza.

Governo do PT: Maior inclusão social do mundo, com 28 milhões de pessoas migrando para classe média, e mais 20 milhões saindo da pobreza absoluta, criando um dos maiores mercados internos do mundo.

Governo do PSDB: Fuga de capitais e quebradeira nas crises de 98 e 2001.

Governo do PT: Crescimento econômico e fortalecimento da economia nacional durante a maior crise desde 1929.

Governo do PSDB: média de crescimento da economia entre 1 e 2%.

Governo do PT: média do crescimento da economoa entre 4 e 5%.

Governo do PSDB: Fracasso dos pedidos para sediar a Olimpíada e Copa.

Governo do PT: Copa 2014 e Olimpiada 2016.

Governo do PSDB: Desmonte do Estado e de sua capacidade de investimento.

Governo do PT: Maior plano de crescimento com investimento em infraestrutura e parcerias privadas da História ocidental recente.


Enfim, é isso que os serristas tentam evitar quando plantam os boatos mais sórdidos.

É isso que a postura de marina impede que retorne ao centro do debate.

Conhece o porco?

Sabe o problema do porco? Não é o mau cheiro, nem o barulho que faz, mas o focinho, que sempre está metido onde não deve!

Quem quiser comprovar o que digo, basta dar uma chegada a rua Caldas Vianna, prolongamento da Formosa, no famoso quadrilátero da "costinha", em um boteco pé-sujo, que mais se assemelha a uma pocilga (apropriado, não?), onde um desses exemplares da fauna da planície lamacenta faz seu play-ground, com ajuda de dedicados "aviões". Esse tipo de porco tem uma peculiaridade: Adora lama feita com poeira branca, que às vezes mela, e aí, ele todo pimpão, deita e rola!

Tudo registrado em fotos, que em breve, breve, disponibilizaremos para você, caro leitor.

Não é um porco de raça, é um porco meio assim, que parece mesmo é estar louco para virar presunto!

quarta-feira, 6 de outubro de 2010

Arquivos da planície lamacenta.

Zapeando por alguns blogs, veja que pérola eu encontro acerca de um jornal local, que traz um conteúdo digno de inveja:

quarta-feira, 9 de dezembro de 2009


Enquanto isso...

Na página 09, do caderno de classificados, entre imóveis e carros, a folha da luz vermelha continua a lucrar com a prostituição alheia...Pelo jeito a boquinha de veludo "engoliu" até a pontuação...

Uma leitura para toda a família...

Shara Boquinha de Veludo

Pronta para te satisfazer em tudo
sem decepção seios fartos
bumbum médio 1.64 alt 55k
olhos cor de mel morena clara
pernão sarado irresistível
venha conferir TEL **@9-28$$
Agora a novidade na folha da luz vermelha: leilão...


OLÁ!SOU LARA

tenho 22 aninhos, loira,
coxas grossas, seios pequenos,
bumbum arrebitadinho, linda, carinhosa e gostosa.
Vou te enlouquecer!
Não sou completa, mas estou leiloando um bumbum virgem!
Ligue e confira.
TEL: 98$$-%3#7

O óbvio e o ululante!

Vejam bem, eu fui acusado aqui de sectário, por denunciar que o voto marinista era um voto serrista enrustido, e que a principal tarefa da marina era servir de muleta aos demotucanalhas.

Ora, eles ficaram putos porque os associamos ao projeto expresso na octaéride fernandista, e disseram: "somos o novo, somos um não ao que já passou com ffhhcc, e o que existe agora, com Lula".

Ótimo.

Mas eu pergunto ao devotos da joana d'arc da floresta, esse pessoal que parece movido a overdose de santo daime:

Se havia certeza absoluta em rejeitar o projeto serrista, como é que a possibilidade de apoiá-lo está em debate no próximo dia 17?

Deveriam se declarar neutros, desde o início, ou "liberar" os seus eleitores para votarem de acordo com suas consciências, ou não?

Ou será que consideram a candidatura serra possa incorporar algum tipo de progresso a vida desse país?

Dizemos e repetimos: Todos têm o direito de optar por esse ou aquele candidato. Eleição é isso.

Mas tentar vender uma imagem progressista e aderir ao retrocesso representado nas forças da coalisão serrista, onde o novo comandante é o jorge bonhausen, não dá para engolir. Nem com toda a salada verde orgânica do mundo.

No varal do lamaçal.

A rede de blogs progressistas cresce e aparece, leiam o recado que nos chega por e-mail:

Salve Galera. Passando pra informar que coloquei meu blog no ar. Na
verdade já existia a algum tempo. Reformulei e agora venho divulgar.
http://menorme.blogspot.com/

Bruno Monteiro

Fala, Brand!

Meu companheiro Brand e suas considerações acerca da nossa conjuntura, vamos a leitura:

quarta-feira, 6 de outubro de 2010

Por que e contra o quê/quem eu luto?*

"A luta em voga é muito simples, eu luto contra a luta de uma outra gente. Luto contra uma gente que quer garantir o status que herdou de uma sociedade colonial e escravocrata, que ainda reluta por existir entre nós. Nesta eleição, a defesa dessa herança se traduz nas mais variadas formas, desde as mais chiques como o esteticismo pseudo-ecológico, até as mais escrachadas presentes nos raivosos panfletos como a Veja, ou mesmo num neo-Udenismo que supostamente é contrário a corrupção.

Todas essas supostas bandeiras nada mais são do que a fantasia que essa gente inventa para manter a injustiça social e moral, da qual eles se alimentam a cada dia. Como não podem assumir nem sequer para si mesmos, quanto mais para toda sociedade, o que realmente defendem, que é a manutenção de uma sociedade injusta que garanta os seus privilégios, inventam bandeiras de aluguel para disfarçar o que realmente sentem. E o que sentem é um imenso ódio contra a ralé brasileira (o povo) e suas formas de vida, e esse ódio se dirige contra o maior símbolo de ascensão desta ralé, a saber, o presidente Luís Inácio Lula da Silva.

Esse ódio é fruto do MEDO que a ascensão deste povo (ralé), a qual se iniciou a partir do governo Lula, lhes retire o controle tirânico que mantiveram sobre a sociedade brasileira. Tal controle que lhes garantiu o acesso privilegiado aos bens mais valiosos em disputa na sociedade, tanto bens simbólicos como materiais.

Eles estão tomados pelo MEDO de que seus filhos não possam mais ter acesso as melhores escolas, as melhores chances de emprego, um mercado sexual de reserva, e também ter acesso a uma corte de semi-escravos a lhes servir nas mais variadas tarefas da vida. Tarefas essas que vão desde abrir uma porta, lavar o carro até servir sua mesa e seus desejos sexuais mais ocultos (Há um batalhão de putas, travestis, crianças e garotos de programa pobres e miseráveis para cumprir tal papel).

Por outro lado, também estão tomados pelo MEDO que deixemos de acreditar que o estilo de vida da classe média é não só o melhor, mas o único digno de ser vivido. Estão tomados pelo MEDO de que não acreditemos mais que para exercer cargos de mando e política precisa ser doutor e passar pela universidade, que a forma como se divertem e consomem a cultura é mais nobre e sofisticada, que só os jeitos e trejeitos de fala de sua classe que são os corretos e legítimos, temem não poder mais condenar e criminalizar o jeito que os pobres encontram de falar com Deus (ontem eram as afro-brasileiras, hoje seu alvo são os pentecostais), estão tomados pelo MEDO que a fantasia que invetaram pra si mesmos de que são os embaixadores dos valores europeus a domesticar um povo mestiço, selvagem e atrasado não tenha mais eficácia.
Enfim, estão tomados pelo MEDO de que a ESPERANCA de um povo em construir uma sociedade justa, igualitária e soberana com oportunidades para todos, vença mais uma vez o MEDO daqueles que temem perder seus espúrios privilégios.(pausa para mandar um beijo para Regina Duarte)

Por essas e outras luto ao lado da campanha que representa a ESPERANCA. Tal ESPERANCA, baseada também em fatos concretos de 8 anos de avanços que ocorreram no governo Lula, que nos dizem que podemos continuar a sonhar e construir um país justo igualitário e soberano. Logo, estou contra a uma campanha baseada no MEDO, e que por isso não tem sequer uma proposta, apenas luta para espalhar o sentimento do MEDO, junto com mentiras e terrorismo eleitoral, próprios de quem não pode, nem tem coragem de assumir o que realmente defende.
Agora é Dilma! Mais uma vez a esperança vencerá o medo!"


* Dedico este texto a minha irma Rachel Arenari, que por manifestar publicamente seu apoio a Dilma recebe os achaques da escravocrata sociedade campista.

Os idiotas, as igrejas e as simplificações!

Ora, nada mais falso que misturar ocasiões, em analogias pobres e impossíveis, dada a diferença de cada tempo histórico e seu contexto, como querer que bananas sejam igualadas a melancias, em estágios diferentes de maturação.

Ora, como são incapazes intelectualmente de produzir conceitos, alguns blogs da planpicie lamacenta replicam outros textos, na esperança de conferir alguma legitimidade em suas falas. Tudo bem, eu concordo, uma boa cópia é sempre melhor que uma idéia original ruim.

Mas como não tem nada para oferecer, e nem sabem onde procurar, dada a baixa capacidade de cognição da realidade, procuram sempre o pior para colar e copiar.

Agora o tema é o aborto, as igrejas e a militância dessa ou daquela denominação. Quanta tolice: Todos sabem da origem do PT nas eclesiais de base, motivo de sua expansão em áreas periféricas e zonas rurais de conflito do campo, e que hoje conflita com o avanço do PT sobre as bases evengélicas, haja vista que a "nova classe média" parece mais suscetível a dogmática pentecostal a católica. Ou seja, até no campo religioso, o PT é o que mais plural nós temos, com respeito a todos. Não há uma posição única no PT sobre esse tema, e nem poderia, dada a variedade de grupos que disputam essa questão em seu interior.

Não querem votar no PT, paciência, mas criminoso é dizer o que a candidata não disse, e que faria o que nunca disse que faria, até porque, esses imbecis sabem que para alterar a legislação, o foro não seria o Executivo e sim um amplo e demorado debate no Congresso, onde todas as facções se manifestariam.

Mas preferências e calúnias à parte, ninguém pensou ou pensa em tolher a liberdade dogmática e de opinião de grupos ligados a religião. Como no PT ou no governo ninguém nunca pensou em censurar imprensa.

Mais uma vez, os canalhas distorcem para adequar a realidade aos seus desejos.
Já que pretendem a confusão pela propagação da ignorância, então desenhemos: Debater comunicação de massa e direito a informção não é censura, e em qualquer país do mundo democrático, a sociedade controle e delimita quais são os parâmetros da chamada liberdade de imprensa, pois em Estados Democráticos de Direito, não há valores tidos como absolutos.

Na outra ponta do problema, o PT sempre apoiou a militância de grupos religiosos nas lutas contra injustiças e a exclusão econômica, mas nunca deixou de denunciar, aliás junto com esses grupos religiosos dissidentes, os erros institucionais da Igreja de Roma, ou de qualquer outra. Como sempre, os idiotas e canalhas reduzem, e tomam tudo como se fosse um bloco monolítico, e o mundo se divide, outra vez, em preto e branco, certo ou errado. Quando desmascarados em suas hipocrisias, berram de novo, e se escondem atrás de alguma bandeira "generalista", tipo: Oh, minha liberdade de culto, oh, minna liberdade de imprensa, e por aí vai.

Logo, apoiar e torcer por uma Igreja dos pobres e pelos pobres, ou que esteja contra a violação de direitos humanos, não significa fechar os olhos para os aspectos temporais e falhos dessa organizações.

Muito menos, nos impede de dizer que lutar pelos valores universais da Humanidade não dá salvo-conduto para emprenhar(desculpem o trocadilho) o Estado laico com seus valores religiosos privados, como na questão do aborto.

Assim como a luta contra a repetição do Holocausto ou pela repressão ao antissemitismo não implica em querer que o Ministerio da Saúde oficialize e obrigue-nos a fazer circuncisão.

Ou a luta contra a islamofobia não implica na proibição de comer e comercializar carne porco ou comer durantes os dias do Ramadã ou apedrejar mulheres infiéis.

Aqui um parentêse: A noção religiosa de proibir o aborto como política pública de saúde (nunca como método anticonceptivo, vejam bem, idiotas) bebe na mesma fonte da Sharia e dos Estados-teocráticos, tão criticados, pasmem, pelos nossos neoudenistas da tradição, família e propriedade. Lá como cá, querem misturar Estado e religião.

Se as católicas e os protestantes são contra o aborto, ótimo. Quem quer ser católico e protestante que não faça, ou não permita que suas namoradas e mulheres façam. Mas veja, de acordo com as pesquisas, uma boa parte das mulheres que confessam ter usado o aborto como método contraceptivo, declararam ser católicas ou integrantes de alguma religião cristã.

Ora, se não conseguem convencer os seus, querem que o Estado o faça, e com isso, milhares de mulheres pobres morram em intervenções clandestinas, enquanto católicas ou cristãs ricas fazem o seu aborto em clínicas ricas e seguras, quem sabe com crucifixos dourados nas paredes. E quem sabe ainda por médicos que vão a missa com a família no domingo, todos respeitáveis e circunspectos em sua fé. Confessou, 'tá novo!

O que os estúpidos não querem ou não podem enxergar, tanto faz, é que Igreja e Estado não se misturam. Talvez a única passagem do texto publicado no blog dos idiotas que eu concorde, e inclusive tenha escrito sobre isso hoje, é que o PT ficou refém desse debate porque não o enfrentou.

Aí, canalhas, marinistas, serristas e outros idiotas que se dizem "neutros" colocaram na boca da Dilma algo que ela não disse, ou nas palavras deles: "levantaram falso testemunho". Isso não seria uma infração a um mandamento divino?

Esse é o debate. Mas os idiotas não o comprenderão. Azar o deles.

Dizem que nos ofendemos para não debater. Nada disso, quem foi ofendido não fomos nós, mas a inteligência e o bom senso.

Fala, Bruno!

Com a exceção da questão da "lavagem de roupa suja", que, defendo aqui, foi um ajuste entre uma pessoa que cobra um comportamento público que não pratica na sua intimidade, assino embaixo seu texto. E cuidado, podem te "bater para aleijar", rs:


"Bruno Lindolfo disse...
O músico que toca para um público escroto que diz odiar. Me parece uma contrariedade, e é. Gente que em sua maioria não sabe a diferença entre Miles, Coltrane ou Baker e que, em verdade, acha mesmo é que aquele barulho incomoda o bate papo, regado ao Whisky personalizado e cativo, simbolismo escroto de qualquer status, de sabe-se lá o quê.

Noutras vezes, serve a música para embalar uma fraude a licitações, ou um arranjo jornalístico para destruir reputações.

Dirá que faz por amor a música. Poderia levá-la aonde o povo está, tocando entrecortado por explicações sobre artistas, estilos, guitarras. Por certo, quem se propusesse a ouvir o faria por vontade. Mas prefere se inserir como intruso num ambiente que considera hostil e indigno de sua virtuose.

Seria vergonha dizer que faz por dinheiro, como fazem as putas?

Nesse imbróglio começado pelo próprio músico, sempre ferino nas suas observações sobre o governo, num cinismo que carrega sempre detração aos interlocutores, aos quais atribui debilidades intelectuais, linguísticas, morais, comportamentos infantes e que tais, ao passo que exige para si debate encampado nas idéias.

Quando o faz, o debate ideário, é pobre e reducionista, comodamente postado em sua posição de ausência de posições, que o faz sujeito inexpugnável.

Na postagem originária do problema temos provocações, que respondidas com provocações deram azo à grita por idéias, as quais não dispõe ou expõe.

O resto foi lavação de roupa suja desnecessária, com uma postagem especialmente infeliz desse blog.

Moral da história, em tempos de parábolas, hay que tener cojones, pero sin perder la ternura, jamás.

Que a rotina normal possa se reestabelecer, até a vitória no segundo turno arranjado pelos eleitores de Marina que, em seu purismo lírico, ainda reclamarão do aparelhamento do governo ocasionado pelos alinhamentos políticos necessários a um possível apoio da candidata verde.
Segundo turno, aliás, comprado por tais eleitores como mantra do exercício democrático e aprofundamento dos debates, alvissarado e inflado pela mesma mídia que quedou-se silenciosa ao governo quase monárquico do PSDB em São Paulo.

Como o torto se perfaz na contrariedade, pra quem ainda guarde dúvidas, é possível tirar daí qual seja o "inimigo" a ser enfrentado. Num seguimento empresarial que historicamente se fez locupletar nos governos, há de se perguntar, do que ressente, hoje, a grande mídia brasileira?"

Fui ofendido, mas 'tô no lucro!

Nada como ironia para expor as vísceras. Eu sou fã do Gustavo Oviedo, embora não concorde com tudo que ele diga, por óbvio. Mas seu humor é quase um traço cultural, um viés melancólico da alma portenha, se me permite a repetição dos chavões que reduzem tudo e a tudo em conceitos pobres, que desmontam tudo, até a relatividade.

Leiam o texto que ele reproduziu em seu blog, vale à pena:

quarta-feira, 6 de outubro de 2010


PT

O escritor argentino Ernesto Sábato, autor de “Sobre Heróis e Tumbas” e “O Túnel”, era formado em física. Chegou a trabalhar no Instituto Curie, em Paris:

" Alguém me pede uma explicação da teoria da relatividade de Einstein. Muito empolgado, lhe falo de tensores e geodésicas tridimensionais.

- Não entendi uma palavra – me disse, espantado.

Reflito um instante e, com menos entusiasmo, dou-lhe uma explicação menos técnica, conservando algumas geodésicas, mas colocando aviadores e disparos de revolver.

- Entendi quase tudo – me disse o meu amigo, contente. - Mas tem uma coisa que ainda não captei: aquelas geodésicas, aquelas coordenadas...

Deprimido, me concentro mentalmente por um longo instante e acabo por desistir para sempre das geodésicas e das coordenadas; com verdadeira ferocidade, dedico-me exclusivamente a aviadores que fumam enquanto viajam na velocidade da luz, chefes de estação que disparam um revolver com a mão direita e conferem o tempo com o cronometro que tem na mão esquerda, trens e sinos.

- Agora sim! Agora entendi a relatividade!- anuncia o meu amigo com alegria.

- Pois é - respondo amargurado-, só que agora não é mais a relatividade."

Do livro de ensaios "Nós e o Universo"