sexta-feira, 17 de setembro de 2010

E segue a rotina na Planície Lamacenta!

O anúncio da denúncia de um ex-prefeito, alexandre mocaiber, e o ex-presidente da câmara de então, marcos bacellar, pelo Ministério Público Estadual nos remete ao nosso cotidiano nebuloso.

Se por um lado nos cabe a comemoração por ter a Justiça prosseguido em sua persecução, por outro reside a vergonha de termos sidos os responsáveis e cúmplices por essa situação, afinal, mandatos são outorgados nas urnas, e se o são através de esquemas e negociatas, há sempre dois lados nesse acordo: eleitor e eleitos!

Baseados nisso, os acusados, agora réus, dão de ombros, e requentam a velha tese da perseguição, que tanto serve a um quanto a outro lado do garotismo local. São tão parecidos em trejeitos e modus operandi que repetem até as "desculpas".

Ora, se a biografia, no caso desses senhores, a "folha corrida", é fundamental para que, a sociedade possa enxergar as possibilidades políticas que estarão encerradas nos futuros mandatos que pretendem, o anúncio da denúncia é antes de mais nada, temporânea e obrigatória, ou deveria o MPE "esperar" até que Vossas Execelências pudessem gozar das vitórias impregnadas de impunidade?

É muita cara-de-pau, não é mesmo?

5 comentários:

Anônimo disse...

engraçado é só o bacellar falar na tribuna dos pombinhos da lapa que vem bomba pra cima do vereador. vamos recapitular uma vez marcos bacellar denunciou esses promotores de campos e o casal da lapa e o que veio ??? o vereador foi afastado do cargo. Agora é a mesma coisa.
Genteeeeeeeeee acorda as vespera das eleições Marcos Bacellar na frente de Geraldo Pudim nas pesquisas para deputado Estadual, vc´s acham que garotinho está dormindo?
Acordaaa Campos, Acordaaaaaa Brasil !!!

douglas da mata disse...

Bom, o que dizíamos está expresso nesse fragmento de raciocínio, que buscaremos, com muito custo, decifrar:

1. Um erro justifica o outro: o fato de exstirem graves denúncias feitas pelo vereador o exime de praticar o que é correto, como um salvo conduto, na medida que todas as notícias que existem contra ele são "perseguição". Um primor, não acham? Assim fica fácil.

2. O imbecil lê, mas não entende: Quem denunciou o vereador e o ex-prefeito foi o Procurador do Estado, chefe do MPE estadual, que, aliás, foi nomeado pelo aliado governador do vereador.

3. O fato do vereador contar com apoio da população é também uma constatação triste que só confirma nossa tese: se há quem compra, há quem se venda, e por aí vamos. Seis ou sete prefeitos em seis anos, e as principais "autoridades" locais sempre às voltas com os tribunais.

Só concordamos com a frase final:é preciso acordar, mas esse comentarista parece que ficará em coma pelos próxmos anos.

Ramon Ramirez disse...

Douglas, frequento o blog e percebo que vc tem boas informações do PT e oposição. E queria saber se vc pode me responder 2 perguntas:
O que vc acha do político Sergio Cabral?
O que vc acha do apoio do Lula a ele?

douglas da mata disse...

Caro Ramon Ramirez,

O apoio de Lula a Cabral se dá em duas instâncias separadas:

Institucional e político-partidária. As duas se relacionam entre si, mas são distintas.

Uma vez eleito governador, coube a Lula investir no dissenso entre criador e criatura, uma vez que cabral era um projeto de continuidade garotista no estado.

Como caixa de "ressonância" nacional, e tradicionalmente avesso ao planalto, atrair o RJ cumpria duas tarefas: sedimentar uma base governista no RJ, sempre refratária ao poder central, e abrir uma "cunha a mais" no pmdb, como forma de diminuir a resistência e o "preço" da legenda no pacto nacional de governabilidade.

Por outro lado, coube a essa aliança, escantilhar e reduzir o espólio garotista a seu gueto na planície lamacenta.

Como essas tarefas, originariamente, caberia ao PT, sigla do presidente, que como sabemos, é inócua no Estado, o presidente em pessoa teve que "fazer o serviço".

Se o PT do RJ tivesse mais densidade, com certeza, não haveria tanto espaço para essa aliança, ou pelo menos, ela se epxressaria de forma diferente.

Um abraço

douglas da mata disse...

PS: Ah, é claro:

Na instância institucional, esse governo Lula é conhecido por não fazer distinção entre aliados e adversários.

Trata as relações formais entre mandatários e o bem estar da população de forma isonômica.


Logo, não foi surpresa essa aproximação.

E o RJ ganhou com isso, afinal de contas, ainda que o governo cabral seja sofrível.