sexta-feira, 6 de agosto de 2010

O fim da blogosfera de Campos dos Goytacazes!

Na verdade, esse termo, blogosfera campista, sempre foi uma tentativa inócua de regionalizar e particularizar um fenômeno que não permite esse tipo de ação, ou seja, na medida que o que se escrevre aqui é visto por toda a rede, não tem sentido em falar de uma seção local, ainda que a maioria dos temas aqui tratados falem dos nossos problemas.

Assim, soa muito mais como arrogância caipira imaginar que articularíamos um movimento orgânico e setorizado de agentes virtuais que funcionassem como uma esfera eficiente do debate político da cidade, através de uma suposta publicização!

Não é possível fazê-lo, senhores!

Uma olhada rápida pelos blogs conhecidos como "campistas" dará a dimensão exata do que me refiro. O sentido e o esípirito de "coletividade", gene indispensável para uma ação política coletiva nunca existiu, e hoje, o que temos é muito pior:

Um monte de "entendidos" de algo que ,individualmente, cuida de seu quintal, com a ilusão que determine a agenda da cidade.
Se observarmos os últimos passos da blogosfera "campista" veremos que os principais blogs nem mais citam uns aos outros, a não ser para uma disputa inócua e inútil de "vaidades".
Há bem pouco tempo atrás, era comum a participação de blogueiros em discussões em outros espaços, e até eventuais disputas se davam no campo de diferenças temáticas, algumas mais, outras menos relevantes.

Não há mais nada parecido com isso.

Isolados, arrogantes, egoístas e incapazes de entender que nossa força é nossa complementaridade.

Não que "culturalmente" os temas abordados não tenham relevância, ao contrário, os blogs produzem um conteúdo infinitamente superior ao formulado pelos veículos tradicionais, quer em rapidez, quer em profundidade. Mas a completa inexistência de um "viés político" da produção dessa informação de boa qualidade a torna quase estéril, ou apenas um exercício de estetas das palavras!

Uma pena, mais uma vez "eles" venceram! Mas como bem disse o Darcy Ribeiro, de um jeito que não me lembro extamente: "prefiro estar ao lado dos perdedores".

Mas eu confesso: ando meio cansado de perder sempre!

13 comentários:

Gustavo Rangel disse...

Concordo plenamente. Já tive mais prazer nesse negócio. Já achei que iríamos "mudar o mundo".
abs

Anônimo disse...

Acho que pra além da vaidade, o que mata os blogs de Campos, é justamente esse conceito de "campistas", com pautas menos que regionais, pautas de aldeia mesmo, umas futricas politiquentas, apenas denuncistas e reativas e em muitos casos menos até que isso,meras fofocas de província, hora falando de A, hora de B ou de C,para causar "impacto" dentro da planície e aumentar as visitas. Quando se lê blogs de outras plagas até vemos questões regionais (e isso é bom) mas não acham que o mundo se restringe onde vivem. isso contraria completamente o objetivo de uma rede mundial de comunicação,rápisa,prática,barata. Até no Twitter o comportamento é semelhante.

Cabrundo do Chuvisco disse...

Concordo plenamente com vc!!!

O início era mais prazeroso, os embates eram mais acalorados.

Eu mesmo, sem tanto "receio", queria algo mais, do que simplesmente ficar reproduzindo apontamentos e pilherias

Relamente a blogosfera está sendo sugada para um ostracismo insigne.

POr isso não posso me furtar de querer, querido Douglas, o retorno do nosso maior ícone destes momentos ímpares:

Volta Xacal!!!!

É dele que nós precisamos.

Concorda?

até breve

felixmanhaes disse...

Meu caro Douglas, embora a Rede Blog tenha alcançado uma extensão considerável e paralelo a isso estabelecido também uma caminhada cada vez mais independente e por vezes solitária, a blogosfera de Campos produziu excelentes resultados. Empurrou a mída convencional para o seu canto e a inibiu de alguma forma, já que muito mais ampliada e bem informada, ela oferece hoje a velocidade e o contraponto categorizado através da ação dos seus excelentes blogueiros.
Lançando um olhar panorâmico sobre essa blogosfera, dá para perceber claramente quem tem coleiras ou está a serviço da má política, mas também dá para ver alguns expoentes sadios que muito bem poderiam ser uma alternativa gerencial para a cidade.
Dentre eles quero destacar o seu nome, hoje consolidado como um excelente e propositivo debate. Mas meu companheiro, agora, depois de quebrar tanto pedra não é hora de desanimar. Temos que olhar para o futuro, dar o passo seguinte, ocupar espaços, ousar. Quem sabe oferecer-se como opção nesse cenário político pobre e cheio de decepções. Empunhe uma ou essa bandeira, conte comigo.
Um fraterno abraço,

Brand Arenari disse...

Caro Douglas,
muito estimulante esse debate. Acho que a blogsfera campista continua viva, mesmo sem ter o resultado que poderíamos esperar dela. Como vc bem disse, ela ainda informa e debate melhor que os nossos pobres e podres jornais locais. Isso é louvável, e devemos tentar preservar de alguma maneira.
Durante esses quase três anos que acompanho a blogsfera campista, acho que ela tem muito de local. Ele produziu análises, relatos, história e estórias tipicamente regionais. Tudo isso só faz sentido para aqueles que de alguma maneira vivem neste pequeno universo chamado Campos dos Goytacazes. Só um “campista” sabe quem é Mocaiber, já foi na noite do vinil, riu dos apelidos inventados pelo Xacal (qual é a graça dos nomes “Nelson Cahim” ou “caolho na cidade” para um não “campista”?) e etc. O que é isso senão algo muito local, essa blogsfera só faz sentido pra gente.
Mas na verdade sei que não é disso que se trata o seu texto, creio que o debate que vc propõe diz respeito ao fracasso político progressista que talvez a blogsfera pudesse ter, o qual muitos de nós (inclusive eu) esperávamos.
Quanto a isso, acho que só os blogs ou o papel deles não podem responder essa questão. A morte que vc vê tem a ver com a última frase do seu texto: ninguém agüenta perder sempre. A blogsfera para crescer precisa da resposta do lado de fora. É uma via de mao dupla, é o sucesso de Lula, da campanha de Dilma que alimenta a rica blogsfera progressista nacional. É esse sucesso que faz a esquerda que não está com Lula acreditar que vale a pena lutar. Se o governo Lula fosse um fracasso, muito provavelmente a blogsfera nacional não seria como é hj, estaria mais acanhada.
A pergunta é como que os blogs poderiam organizar uma sociedade politicamente desmobilizada e desorganizada? E acho que a resposta é: não podem.
Todas tentativas de mobilização política se perdeu na sociedade desorganizada e nos erros de cálculos de muitos blogueiros. Com isso não quero botar culpa na “sociedade”, mas apenas dizer que precisamos organizá-la também. Os blogs só podem alçar bolas na área, não conseguem bater o escanteio e correr para cabecear, só o Didi (Renato Aragão) fez isso.
Na minha opinião a causa e conseguintemente a culpa do fracasso sempre volta ao colo da organização que teria possibilidade de organizar tal projeto progressista e nunca fez, sempre fracassou, ou seja, o PT-local.
O PT, ao invés de se colocar ao lado da sociedade que se movimenta, mesmo que timidamente, preferiu ser nos últimos anos serviçal do bloco arnaldista, e parece que vai continuar sendo.
Imagina se o PT tivesse ouvido os apelos dos blogueiros por uma terceira via e encampado uma candidatura própria nas eleições passadas. Mesmo que perdesse as eleições, veria os créditos políticos cairem em seu colo ante mais uma crise política como aconteceu agora. Mas. . . as lideranças (talvez essa não seja a palavra) do partido são covardes e medíocres, se contentam com muito pouco e sacrificam a população por isso.
Mas se não pensarmos em uma política progressista, acho que a candidatura do Sérgio Diniz a deputado federal representa bem o que pensa muitos blogueiros campistas sobre a política, ou seja, a política se resume a moral.
O debate é instigante, temos muito ainda discutir sobre isso. Em resumo minha idéia é: a blogsfera nacional tem o sucesso do governo Lula como combustível e nós da blogsfera campista temos o banho de água fria da covardia do PT-Local.

Brand Arenari disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Anônimo disse...

será que vcs não estão sentindo falta da tal "jumentinha de jesus"?

Herval Junior disse...

Caro Douglas,entendo sua "bronca".
Em primeiro lugar,a diversificação de tendências políticas e até partidárias é evidente em nossa blogosfera e não é diferente do resto do país e do mundo.Acho também que o sucesso dessa nova ferramenta reside aí.Mesmo quando republicamos notícias,links em que outros internautas campistas ou não nos acessam,já seria uma forma de condensar nossas expressões.
Em segundo lugar e você bem reparou,o principal jornal de nossa região,se sentindo acuado,encheu sua página virtual de blogs e divulga que são os blogs mais lidos da mesma.
Em terceiro e último lugar,o avanço das "redes sociais" é gritante e é para lá que temos que ir,ainda que você discorde.As discussões políticas passam por lá,onde temos oportunidades de sermos lidos até por um Noblat.A troca de links também acho que se faz necessária.Se você reparar bem do lado esquerdo do meu blog(blogroll),tem um "penca" de blogs ,os quais em sua boa parte,não tenho afinidades.A troca de links dos blogs é tão importante quanto o avanço dos mesmos nas redes sociais.
Afinal,todos nós blogueiros da chamada Rede Blog de Campos ou blogosfera campista,como queira chamar,temos outras atividades,atividades essa que nos impedem de escrever textos brilhantes e longos.Por isso lhe admiro,pela facilidade com que escreve e lhe leio sempre.Mas não é sempre que posso comentar em seu ou em outro blog por absoluta falta de tempo.
Ao contrário, a blogosfera campista cresceu e já são quase 100 blogs na cidade.Não os coloco mais em minha lista de blogs por que a página já está no limite de quem acessa,por exemplo,de uma internet discada(ainda existe).
Bem,por enquanto é isso e posso lhe garantir que a blogosfera ainda não morreu,apenas está passando por avanços e está cada vez mais pluralista e temos que respeitar isso,como bons democratas que somos(risos).
Numa questão eu concordo parcialmente contigo,o espírito de coletividade é escassso,mas existe.
Obrigado pelo espaço e um forte abraço de seu admirador.

Cabrundo do Chuvisco disse...

Republiquei esta sua postagem no meu blog, juntamente com o meu comentario.

http://cabruncodochuvisco.blogspot.com/2010/08/concorda-amigo-douglas-eu-concordo-com.html

até breve

Campista Rebelde disse...

Concordamos contigo Douglas!
É preciso ultrapassar a barreira da vaidade. E pegando a linha do Brand, assim como a candidata do Sergio Diniz, também colocamos a candidatura da Professora Odete, pautada pela ética e moral, mas também com conteúdo político.

Provisano disse...

Eu, fiquei um bom tempo, sem comentar (e ando meio bissexto ainda), pelo fato de encontrar poucos assuntos que realmente me empolguem, esse, por exemplo, é um deles. Não é ser seletivo demais é que percebi, lá atrás, que os temas postados, muitas das vezes, não me estimulavam a comentar.

Pude perceber, dentro da minha limitada visão que ocorriam pelo menos dois fenômenos típicos de quem tem a propriedade do meio de comunicação, no caso, os blogs: a tendência se olhar muito para o próprio umbigo, como se o mundo girasse em torno dele, e, na direção inversa dessa tendência, a diversidade de linguagem, quando alguns blogs passaram a ter vários editores e, apesar da pluralidade de tendências dar a entender ser isso um retrato da democracia, acabou por tornar o discurso ideológico desses blogs, uma coisa meio etérea, por falta de uma definição melhor.

Confesso que entre um tipo e outro, prefiro o primeiro, pois fica mais fácil de se debater os temas, pois ou discordamos ou até concordamos, de acordo com o nosso discurso político-ideológico.

Todo movimento que em princípio se propõe mudar a estrutura política da sociedade (e aqui nos referimos à nossa aldeia), tem que ter uma estrutura orgânica que permita ações que vão além de postarmos opiniões aqui, ali e acolá. Há que se ir além das palavras, há que se ter ação social. Não que o discurso político-ideológico não seja importante, ao contrário, ele é fundamental, mas, colocar a mão na massa, ir até onde se encontram as pessoas que realmente precisam do nosso discurso transfigurado em ação, falando e olhando dentro dos olhos das pessoas isso sim é que acaba por transformar a sociedade.

Concordo com o Félix quando ele diz que a Blogosfera teve um papel fundamental no enquadramento da mídia tradicional, ao mostra a verdadeira face dela, os blogs deram uma balançada e colocaram a credibilidade dessa mídia em xeque e isso foi e é, extremamente positivo.

Concordo com o Herval quando ele diz: "...Em terceiro e último lugar,o avanço das "redes sociais" é gritante e é para lá que temos que ir, ainda que você discorde. As discussões políticas passam por lá...".

Só acho que não dá para se jogar a toalha, nesse ringue, não existe limite de "rounds", temos que continuar de pé e usar todo o nosso arsenal de golpes, valendo até dedo no olho e chutes no saco, o que interessa é que a luta não pode parar, se jogares a toalha, aí é que fica fácil para eles ganharem a luta. Esse recado é direto para você Douglas.

Que os debates já foram mais acalorados isso é incontestável, mas de vez em quando, percebo que alguns temas relevantes são postados e acabam por não merecerem a devida atenção pelos leitores e até mesmo por parte de outros blogueiros que raramente comentam os tópicos de outro blogs ou até mesmo dão a repercusão que o tema merece, como exemplo, podemos citar a polêmica sobre a tentativa de Edson Batista assumir uam cadeira na câmara, atropelando a Lei Orgânica e que poucos blogs se posicionaram à respeito e a grande maioria dos blogs, achou o tema tão sem interesse (como se fosse tão irrelevante o fato de se descumprir o que está escrito na Lei) que nem uma nota sequer postaram, isso só para exemplificar.

Talvez seja reflexo do desânimo contagiante que parece conduzir a sociedade para um marasmo sem par, mas, indepedentemente das divergência que se possa ter, do ponto de vista ideológico, temos que concordar em uma coisa, não podemos ficar passivos e aceitar tudo que o poder tenta nos empurrar goela abaixo, eu, pelo menos, regurgito.

A Blogosfera Campista (e nesse ponto sou caipira sim) para mim, é como a mitológica Fênix, sempre renascerá das cinzas.

felixmanhaes disse...

Saudando o Gustavo, o Cabrunco do Chuvisco, Brandi Arenari,Herval Junior, Campista Rebelde, Provisano e alguns anônimos, gostaria de aduzir um pouco mais acerca desse debate que o Douglas 2012 está provocando. A Rede Blog já provou a sua eficiência. Por mais tímida que tenha sido, o "Chega de Palhaçada" foi uma pequena amostra. Só que não avançamos, preferimos recuar e nos contentar com a comodidade e a segurança das nossas postagens. A análise produzida por alguns blogueiros é de uma acuidade ímpar. Temos pensadores que conseguem separar os mais finos capilares dessa sociedade mal cuidada e meio sem rumo. Conseguem sentar-se na sala de estar de muitos e até ficar íntimos das almas de outros. No entanto, o passo seguinte ainda não pisou o chão. Mesmo dando essa salutar contribuição na formação da opinião pública, estamos ausentes dos senários onde são materizadas as figuras públicas que vão tomar conta dos balcões de nossas vidas = os partidos políticos. Aí por mais que desçamos a lenha, espinafremos, ao abrir mão de tomar a frente, empunhar a bandeira, puxar a filha, temos que aceitar que uma corja venha mandar em nossas vidas. É necessário que percamos a timidez cívica. É necesário que alguns expoentes não tenham medo da votação ridícula, de serem rotulados de "sem voto" e já comecem a ser lançar para 2012. Temos poucos alternativas ou quase nenhuma, diante das decepções do momento. Quero adiantar que embora não pretenda me candidatar a mais nenhum cargo, existem os eleitores com votos que não estão à venda, prova disso são os 154 votos que tive nas duas eleições, a custo quase zero e sem apoio, para vereador. No entanto, quero ressaltar que vou trabalhar para aqueles que se lançarem como legítima alternativa.

felixmanhaes disse...

PS. Postagem também é cultura. Onde se lê senário, leia-se CENARIO, onde se lê filha, leia-se fila. Desculpem, nosso revisor está de férias.