quinta-feira, 19 de agosto de 2010

A diferença entre os homens e os meninos!

Não há dúvidas contra a masculinidade de quem quer que seja! E nem isso é importante! A questão é simples: Coragem, e esse não é atributo dos homens, embora o adágio: "Há horas em que os homens diferem dos meninos", seja eminentemente masculina. Uma questão cultural machista.

Mas feitas as correções de gênero, vamos à vaca fria:

Se ceder as "pressões" da bancada governista, e colocar a questão da posse do escudeiro-médico em pauta, o presidente-quase-menino da Casa de Leis colocaria seu nome entre aqueles os quais faltaram guts(gíria estadunidense) para enfrentar momentos delicados aos quais estiverm submetidos!

Nem sempre a coragem rima com avançar, é bem verdade, e em algumas situações, é preciso mais coragem para recuar!

Não é o caso.

Se respaldado por parecer jurídico emitido pela atual procuradoria da Casa, e ainda ciente de que qualquer erro de avaliação seu ainda poderia ser "corrigido" pela Justiça, o presidente-quase-menino, ainda assim, decidir colocar o assunto para a deglutição do monstro governista majoritário, cederia a opinião daqueles que o consideram menor do que o cargo que o ocupa! E essa é a primeira morte de um homem público!

Na verdade, poderia ser uma onda de vaidade a percorrer-lhe a razão, haja vista que não tomou as providências regimentais e administrativas cabíveis para o boicote de quórum que tem  sofrido, e que o colocaria na função de mero enfeite parlamentar nesse final de legislatura. A segunda morte de um homem público, quando a vaidade ocupa o espaço do senso de dever público!

Poderá passar a História como Homem, o presidente. Ou como menino, ou seria, um garotinho?

Eu acredito que não! Creio que chegou a hora do presidente-quase-menino virar gente grande! Vamos torcer!

2 comentários:

Splanchnizomai abraçando o amanhã. disse...

NÃO POSTAR

Douglas, eu penso que você se equivocou ali , acontece muito isso comigo também. Diz aí:
Se "ceder" as pressões o presidente "colocará", ou se cedesse as pressões, os presidente "colocaria"?
Ou eu não entendi nada?


Ah, e ficar de mal? É coisa de menino ou de homem?

Se é de menino, não estaria na hora de crescer?

Uma abraço, Rosângela.

Splanchnizomai abraçando o amanhã. disse...

Douglas... você postou?

Valeu, cara.

Um abraço, Rosângela

"os presidente" ali foi mal. Desculpa aí.