terça-feira, 31 de agosto de 2010

E por agora, chega!

Acho que já perdi demais o meu, e o tempo de vocês!

Não vale à pena dar tanta atenção a quem não fala por si mesmo, e tem que pedir licença a mulher para existir politicamente!

Por hoje, já está de bom tamanho!

Dúvidas de lama!

Se está tão ocupados em "mudar" o Rio e o Brasil(rsrs), e tem uma realidade tão "fascinante' e "desafiante", por que perder tempo com a blogosfera?

Por que utilizar espaço "tão nobre" e conquistado à "duras penas"(sabe-se lá como), para se referir ao que despreza?

tsk, tsk, tsk!

Esse negócio de viver muito tempo à sombra de outros pode mofar os neurônios!

Diferença importante!

Pelo menos em uma coisa nosso garopetismo é diferente do garotismo: Se na Lapa, quem manda nela é ele, no PT quem manda é ela, e ele só obedece e repete o que lhe foi permitido dizer!

Ressalvas 2!

Como pode presidente-professor-triste do PT de Campos falar em mudança agarrado na unanimidade dada ao prefeito-clone?

Perguntamos;

Qual foi a contribuição ou mudança estrutural dessa cidade que saiu da lavra do professor-triste ou do partido que dirige???

Onde estão os projetos importantes apresentados pela vereadora, ou onde está uma única proposta real e pragmática levada a cabo e discutida pelo PT Campos para essa cidade, durante esse lastimável mandato, ou a gestão do professor-triste na Presidência? Qual o legado para a cidade da aventura desse pessoal no colo do telhado de vidro?

O professor-triste deveria mudar de profissão. Que tal tem tentar o showbusiness, na área de humor circense?

Ressalvas!

Eu não tenho nada contra o fato do professor-triste viver à sombra de sua mulher, o que não pode é a Presidência do Partido ficar eclipsado por um mandato!

Cuidado!

Existe um professor, em uma cidade bem longe daqui, que vive às voltas com um herdeiro de um jornal importante daquela cidade!

O problema é que além dos interesses em manipular o professor, há um olha espichado na "patroa", fato esse confidenciado entre um gole e outro em uma botequim pé-sujo daquela cidade!

O triste professor!

Reluzente artigo de um professor, que por coincidência é o presidente do PT de Campos dos Goytacazes. Um verdadeiro manifesto pela responsabilidade na internet, com o qual concordamos em parte, mas que traz em si algumas contradições poderosas com as quais ousamos discordar:

1. Bom, primeiro se há um contraditório do professor em relação aos blogueiros que incomodam, e mais,se há uma tentativa de desqualificá-los é porque eles existem, e seus discursos cumprem um papel importante e necessário para a política: o debate. Sim, o debate que não existe hoje no PT que o professor dirige(?), embora ele conclame para que o façamos: eu pergunto:
Onde, em que PT?
Se nem a executiva com menos de uma dezena de integrantes conseguiu se reunir mais de duas vezes em seis meses, a despeito de toda a efervescência local. Qual instância petista há para que seus militantes se manifestem? O que a (indi)gestão do professor triste possibilitou para que haja vida orgânica partidária?

2. Vejamos o que houve de "diferente" na cena política local nesse tempo:
A reunião de uma frente democrática interpartidária, a qual, na condição de presidente do PT, o professor triste, ou o triste professor participou, embora nunca tenha tido a competência, nem legitimidade de propor( e endêmica preguiça é uma de suas "virtudes")!
As reuniões foram um lampejo e frescor nas sombras políticas e no ocaso em que ele se meteu, sempre eclipsado pelo mandato de sua esposa, que alíás, também, por sua vez, só produz sombras! E eu pergunto: De onde saiu aquele movimento pró-Campos? Justamente da blogosfera e dos setores que o professor ataca!
Assim, na primeira possibilidade, a sabotagem, não só porque discordava, sabe-se lá por quê, mas muito mais pela incapacidade de articular qualquer coisa que seja, além dos  seus interesses pessoais e do grupo ao qual serve com fidelidade irracional!

3. O professor triste, ou o triste professor esquece-se que a única ação concreta do mandato da sua esposa, ação essa que deu uma cara de oposição a uma atuação claudicante, saiu também da lavra dos setores blogueiros que o professor ataca: tudo, o texto, a estratégia, o tempo, enfim, toda a proposta de CPI dos Royalties nasceu de um computador e de um blogueiro! Enquanto "a mão balançava o berço", foi tudo bem! Tiraram o blogueiro e o computador do mandato, e o que houve: o mandato definhou até cair no colo dos garotistas! Mas o blogueiro e o computador continuam a propor o debate! O partido? Morto! Anódino! Anêmico! Vendido!

4. Falemos da assessoria de imprensa. Quem articulou e levou a competente profissional Ana Paula Motta até o imobilizado mandato? Novamente a blogosfera irresponsável! Nem citarei a aproximação com setores jurídicos, para não entornar o caldo de vez, e revelar a condição de pessoas que não merecem terem seus nomes vinculados a essa porcaria,.

5. Utilizam a velha cantilena "quantitativa" de votos, e candidaturas, ou vida pública, resumindo a esfera de discussão pública a instâncias que lhes favorecem desconhecendo às outras onde não detém o controle. É uma tática velha, usada pela mais escrota direita. Faziam isso com a esquerda, e ainda fazem, O professor-triste parece que aprendeu a lição, dada a proximidade e convívio com essa escória! Aos porcos, o mesmo farelo!

O professor triste é um idiota, desses que são manipulados como bonecos de ventríloquo. É também um covarde por ter que usar um jornal conservador e anti-petista para divulgar o que não tem culhão para fazer ao vivo, embora saiba onde e como encontrar o interlocutor que tenta atingir.

Enfim: Covarde, triste e pau-mandado. Pode haver mais alguma coisa? Não, só resta o suicídio como ato de digndade, porque "morto" já está!

O problema do professor triste não é a cena virtual e a virulência blogueira. É antes de nada a realidade na qual ele, professor-triste, se insere, ou seja: Nada!

Bom, pelo menos, disso tudo nos fica a sensação de dever cumprido: Afinal, se o professor-triste resolveu adotar um disurso de "homem", já é alguma coisa, ainda que fale pelas palavras de quem lhe manda!

Todos de calça arriada!

Ainda que as idéias e formulações sobre uma governança progressista eseja na boca de todos que se apresentam como alternativa de poder nessa planície lamacenta, os gestos, os atos nesse sentido se esvaem no ar, ao primeiro sopro de realidade.

Agora, com a marcação das eleições, e com a sabotagem das conversas entre os partidos, promovida pelo presidente do PT de Campos dos Goytacazes, não é incorreto dizer que a tal frente democrática virou as costas para a sociedade!

Assim, os cidadãos-caranguejo da planície de lama, andam pela História, de frente pr'a trás!

Todos de calça curta!

Com a possibilidade da marcação das eleições suplementares para o final desse ano, em novembro e dezembro, caso haja um segundo turno, fica mais evidente a fragilidade das forças de oposição.

Um detalhe aterrador que salta aos olhos: Quem olhar a atuação orgânica dos partidos, frente às atitudes adotadas por aqueles que detêm mandatos nessas legendas, verá uma esquizofrenia sem precedentes!

Anunciam candidaturas "próprias", mas agem de forma "imprópria" com esse "desejo"!

Açodados em parecer comportados frente ao novo eixo de poder, os parlamentares de todas as siglas, sem distinção, dobraram as suas colunas, em reverência a uma unanimidade e governabilidade que ninguém sabe ao certo para que serve, na medida que entre os garotitsas da lapa não há o menor consenso de que o prefeito-clone será o ungido a concorrer ao pleito excepcional!

Pegos na armadilha, sufocaram a tentativa autônoma de buscar uma estratégia comum que apontasse desde já na superação desse modelo falido, e que poderia funcionar como uma "poupança" de capital político para a rodada de 2012.

Destaque para a atuação do PT:

Um desastre previsível. Perdeu toda e qualquer legimtimidade para se colocar como protagonista, a despeito de estarmos às portas de assistirmos a mais espetacular vitória sobre as forças conservadoras desse país, em um cenário que nem o mais delirante militante de esquerda poderia sonhar tempos atrás!

Você, militante de esquerda, que acompanhou o PT nesses últimos 20 anos, poderia imaginar em um cenário desses que Ivete Marins ou Rangel estivessem "cotados" para fazer parte de um governo provisório como esses?
Ainda que seja um boato, e eu torço para que seja, embora não tenha lido nenhum desmentido, só a cogitação falsa dessa hipótese já simboliza o juízo que parte da sociedade faz de nós: o pior possível!

Pior ainda: Ninguém se assustaria mais se a vereadora se tornasse secretária de educação nesse governo-clone! Ou qualquer outro cargo, pois foi eleita em uma inédita coalisão com o prefeito-clone!

Ou seja, é a própria "banalização da vergonha", pois de tanta exposisção ao escárnio, não mais nos incomodamos com ele!

segunda-feira, 30 de agosto de 2010

As voltas que o mundo dá!

Uma notinha na coluna Andante Mosso, da Revista Carta Capital dessa semana, chama a atenção para a possível avalanche de votos que terá o ex-governador da lapa, e que esse provável resultado irá corroer entre quatro e cinco cadeiras que o PMDB de cabral poderia ter!

Até aí, nenhuma novidade, mas o raciocínio do colunista Maurício Dias converge para o que falávamos alguns dias atrás, e se completa em outra nota que analisa o tamanho da bancada do PT e do PMDB, e a aposta de Lula nas candidaturas parlamentares para diminuir o tamanho do "preço pemedebista" no futuro governo Dilma! O colunista revela que tal manobra garotista tem o "discreto aplauso do Planalto"!

Logo, como dizíamos, o ex-governador, por instinto de sobrevivência, ou por visão estratégica, ou ambas as hipóteses, pode ter acertado em cheio em dois coelhos: Vai estar com cacife onde o governo federal mais precisará (parlamento), e funcionará como contraponto necessário na relação Dilma x cabral!

Aguardemos os próximos capítulos!

sábado, 28 de agosto de 2010

Entre os escombros do PT/Campos!

Há, em meio os destroços do PT/Campos dos Goytacazes, os restos mortais de uma instância que, no primeiro momento, parecia promissora. 
Falo do Núcleo Lenilson Chaves. Criado a partir de um "corte geracional", que unia uma parte os integrantes da então Juventude Petista, esses jovens senhores resolveram retomar sua militância política orgânica, como forma de atender uma dupla necessidade: De um lado, resolver essa insatisfação pessoal permanente com o atual estado das coisas nessa planície, e de outro, fortalecer a vida política do PT, com o preenchimento de uma lacuna que julgavam existir!

É claro que toda iniciativa política traz em si uma certa "arrogância histórica", principalmente, na visão que os agentes têm de si mesmos! Essa assimetria gera atritos, é normal!

Mas a missão era nobre!

Após quase um ano de vida, não sei ao certo, o Núcleo de Base Lenilson Chaves parece menor do que começou, e pior, o partido no qual se insere também está, aí incluído o mandato da vereadora, muito menor do que se supunha também!

Possivelmente, por um erro de avaliação de seus integrantes. Mas não há como admitir que boa parte dos eventos acontecidos escapam da influências desse pequeno exército de Brancaleone, logo, os rumos que o PT/Campos resolveu trilhar não deve ser debitado na conta desses jovens senhores! O que lhes deve ser cobrado é a incapacidade de abandonar um projeto que nasceu morto, como aliás, todos, sem exceção desconfiavam desde o início: O mandato e a presidência do Partido!

O maior estrago nessa trajetória talvez tenha ficado exposto nos últimos episódios que envolveram o PT, a vereadora, e o Núcleo.

Sua expressão na blogosfera local, o blog do Núcleo, revelou uma fissura que ultrapassa o salutar divergir tático, ou os costumeiros, porém hoje raros, enfrentamentos ideológicos. Ela é antes uma diferença irreconciliável entre o desespero de dar alguma legitimidade a uma esfera política(o partido)que parece condenado ao ostracismo e ao parasitismo político, ainda que seja o partido do presidente Lula, e da Dilma e de todos os avanços já citados! Desespero de impotência!

A luta feroz pela sobrevivência política dos integrantes do Núcleo frente a um ambiente partidário apodrecido pelo desmando, pela anomia, pela apatia que não é casual, mas opção política, é comovente! Mas não basta!

As justificativas para corroborar as ações de um mandato anódino, de uma direção partidária sem direção, são sofríveis, porém sinceras: Acreditam esses jovens senhores que nada há para ser feito, adeptos de um fatalismo triste, e seguem por não terem onde ir! 

Eu me recordo da época, não muito distante, na qual o garotismo hegemônico e coeso, no  final da década de 90, com sua liderança gozando de prestígio e votos, enfrentou a poderosa e solitária oposição parlamentar de Ivete Marins e depois de Antonio Carlos Rangel. 
Não há dúvidas, ainda que ressalvemos as diferenças temporais, para não incorrermos no erro de submeter a História a farsa da repetição: 
Naquele tempo, a postura da vereadora odisseía seria punida com processo ético-disciplinar e quiçá, expulsão. Foi assim com Erundina. Dirão seus defensores que esse partido cresceu, e que a proximidade com o poder fez-nos mais "tolerantes", e não cabe mais expurgos. Então,  eu pergunto: 
E se tudo ficasse por isso mesmo, e a adesão a Itamar Franco e a sedução neoliberal do real prevalecesse? Quantos anos isso nos custaria na luta pelo poder e pela possibilidade de fazer o que fazemos hoje pelo país? E se embarcássemos na canoa da unanimidade que se formava em torno daquele governo provisório, mas que já vinha marcado em sua origem com o gene do conservadorismo avesso a mudança que acreditávamos?

Foi o caminho mais difícil? Claro, mas alguém duvida hoje que foi o que nos forjou para 2002?

Pode ser que não, que talvez conseguíssemos nos impor dentro daquela coalisão de 1992, e até teríamos evitado um ffhhc, mas eu contra-argumento e digo: Quem quer deixar de ser cabeça, ainda que de um mosquito, para ser o rabo de um elefante?

Não há em Campos dos Goytacazes nada que autorize-nos a dizer que os vícios que apresentamos estão ligados ao exercíco de alianças ou acordos políticos submetidos a um projeto. 
Qual nada, não há projeto algum, nem a minima noção de onde quer se ir! Se assim fosse, engoliríamos a seco nossos "dogmas de fé", e executaríamos as diretrizes coletivas, como bem nos ensinou o presidente Lula. No PT daqui é cada um por si e deus contra todos!

É oportunismo de quinta categoria, coisa mesquinha de imaginar que foto em coluna social é popularidade, mendigando os restos que caem da mesa dos senhores, sonhando nos porões em ser aceito na mesa da sala de jantar do banquete do poder! A síndrome da senzala que nos acomete!

Se a vereadora do PT houvesse discutido e exaurido sua tática com seus pares para ocupar um posto na direção da Casa que integra, e ficasse demonstrado quais são os beneficios que o partido, a sociedade e o mandato obteriam com esse gesto, ainda que tais avanços não se dessem em escala linear para cada um desses entes(partido, sociedade e mandato), eu me daria por satisfeito!

Mas nenhum de seus defensores, dos mais orgânicos até os que o fazem por recém-convertidos, como o Professor Fábio, conseguiu identificar em suas teses o que o partido ganhará com o fato de ter concedido ao prefeito-interino um unanimidade que não possui nem entre os seus!

Será que os garopetistas são mais garotistas que os garotistas?

O trabalho de demolição dos garopetistas continua: Vai-se o partido, a frente democrática, um mandato e de "troco", o Núcleo Lenilson Chaves.

sexta-feira, 27 de agosto de 2010

Quimera!

Se houvesse um pouquinho de dignidade e respeito ao Partido, deveria a vereadora renunciar ao cargo que galgou à revelia da Comissão Executiva Municipal!

Mas um "delírio" meu, nessa terra de gente que se leva "a sério"!

Quem diria, hein?

Sobrou para o companheiro Fábio a defesa da vereadora que deu uma "rasteira" no Partido!

Adversário histórico, e repelido pelo grupo garopetista da vereadora com adjetivos nada lisonjeiros em passado recente, com os quais sempre discordei e discordo,é do Fábio a tentativa mais veemente de explicar o inexplicável!

A farsa!

No blog do Núcleo, mas um comentário para desmascarar o "esquema" garopetista.A julgar pelo texto do companheiro Félix, a vereadora confundiu as unanimidades: Na pressa de aderir a unanimidade garotista, tentou empurrar a unanimidade goela abaixo da Executiva, leiam:

felixmanhaes disse...
Companheiro Fábio, nem todos os dirigentes da Executiva estão de acordo com a iniciativa da Odisseia. Mesmo porque o companheiro Robinho, que representa o bloco de oposição (não a tudo mais a improvisação do grupo do Presidente), não teve oportunidade de se expressar, visto que para tal evento ele não foi convocado. Se o Partido pertence a apenas uma fação da sigla, aí se justifica a ausência de um representante do nosso grupo. Além disso,embora achemos que ocupar uma vaga da Mesa Diretora seja importante, a não ser que a Odisseia pertença à base de apoio ao Governo Municipal, na fiscalização do Executivo, ela sempre será minoria, apesar do cargo que ocupe.
27 de agosto de 2010 13:12

Na lama!

Fala leitor:


"Olá equipe do Planicie lamacenta aproveitando o vasto alcance de seu site resolvi mandar essa foto para mostrar como é abusivo o uso das calçadas em Campos até pela parte de quem deveria dar o exemplo carro na calçada onde deveria passar as pessoas, e pasmem onde esta estacionado o carro na foto é uma grande passagem de pedestres e muitos com cadeiras de rodas ou muletas pois essa calçada acima fotografada e da calçada ao lado da Beneficiencia Portuguesa de Campos onde muitas pessoas diariamente vão em busca de atendimento hospitalar (traumatologia) ou seja muitas pessoas saem ou entram ali em cadeiras de rodas ou muletas logo carros assim na calçada causam um grande transtorno
O carro ali parado não fez uma paradinha rapidinha não o carro estava estacionado mesmo na calçada habito muito comum em Campos um absurdo Infelizmente
Desde já Obrigado pela atençao"
Patrícia Chagas Elbo

A causa mortis!

Eis o laudo de exame cadavérico do PT de Campos de Goytacazes:

A guisa de exame do corpo identificado como Partido dos Trabalhadores de Campos dos Goytacazes, passamos ao rebatimento do couro cabeludo, com seção do tecido ósseo craniano, para acesso a região encefálica que apresentava o seguinte aspecto: a)ausência total de tecido cerebral; é correto afirmar que o Partido não tem cérebro; em seguida, passamos a incisão abdominal e extensiva a caixa toráxica, donde passamos ao exame dos órgãos internos, que apresentavam o seguinte aspecto: a) do interior do estômago retiramos pedaços de telhado de vidro, e restos do garotismo, o que sugere que o Partido tinha uma dieta comprometida, ou seja, engolia qualquer coisa; b) o fígado aparentava sinais de doença hepática crônica e substância exógena tóxica, a saber: adesismo; c)os rins, os pulmões e demais órgãos demonstravam sinais de falência gradativa, compatível com estado comatoso prolongado; d) o coração Partido apresentava várias perfurações, provavelmente por objeto pérfuro-cortante(faca ou punhal) e) manchas de hipostase ou livores cadavéricos nas regiões das articulações úmero/rádio, tíbia e fêmur, o que revela que o Partido morreu na posição "de quatro".

Quesitos e conclusões:

1. Houve morte: SIM
2. É possível determinar a causa mortis: SIM, hemorragia interna causada por agressão violenta externa, conforme esquema "A";
3. Foi utilizado arma ou qualquer outro objeto: SIM, obejto pérfuro-cortante;
4. Foi utilizado veneno, fogo, ou qualquer outro meio insidioso ou cruel: SIM, veneno conhecido como "adesismo";
5. As agressões foram executadas a traição ou com redução da defesa da vítima: SIM, os golpes foram desferidos na região dorsal superior esquerda, conforme esquema "B";

Outras considerações a cargo dos senhores peritos:
O Partido dos Trabalhadores apresenta sinais de violência provocada por objeto pérfuro-cortante, tipo faca ou punhal, com golpes executados à traição, nas costas, após prolongado e sistemático envenenamento do Partido e seus órgãos internos(Executiva, Diretório, Comissões e Secretarias), e com a exposição ao Partido a uma dieta rica em garotismo e telhados de vidro, e pobre em debate político e democracia interna.

Obituário!

Os correligionários do Presidente Lula, militantes do Partido que transformou, junto com seus aliados, os destinos desse país, vêm a público expressar seu pesar, e comunicar a MORTE do PT de Campos do Goytacazes!
Inconformados pela situação que causou a tragédia, o abandono cúmplice do presidente, aliado a uma overdose de garotismo ministrado por sua única vereadora, depois de esfaqueá-lo pelas e nas costas, os militantes convidam a todos de bem desse município, e que acreditavam em um futuro melhor para essa planície de lama fétida, para prestarem suas últimas homenagens ao finado e querido ente partidário!

A César o que é de César!

O blogueiro Marcelo Bessa reacende a questão, e vale à pena prestar atenção. Lei o texto completo em seu blog:

"À mulher de César não basta ser honesta: é preciso parecer ser honesta"

Companheiro Fábio Poliana!

O companheiro Fábio é um militante valoroso do PT. Desses que colocam sua disciplina política e a necessidade de preservar a partido acima de tudo, acima até da verdade!

Em um texto seu, hoje, no blog do núcleo que milita, o companheiro Fábio se apressa em colocar panos quentes na atuação da vereadora do PT, e comete alguns "lapsos de memória", que eu entendo, afinal, professor, pai atuante, sindicalista, é possível que lhe falte a exata recordação dos fatos como se deram!

Mas como meu ofício como policial é, antes de tudo, registrar e reunir fatos, aqui vai:

1. Após sairmos do Bar do Evaldo, nos encontramos novamente na avenida Alberto Lamego, no churrasquinho do Gaúcho, onde desci do carro para relatar o telefonema que recebi do Gustavo Carvalho, que estava ausente, e acabara de ler, estarrecido, a declaração da vereadora de que votaria com o prefeito-interino-clone;
2. No momento que relatei a indignação do Gustavo Carvalho, e a minha, Fábio, surpreso, me disse que até concordava com a tentativa da vereadora em fazer parte da mesa, mas se espantou com o fato de que não havia sido consultado por ela, como deveria, afinal, faz parte da Comissão Executiva;
3. Esse diálogo foi presenciado por Gustavo Lopes e Guilherme Carvalho, e concordamos que isso era grave, e foi onde o companheiro Fábio me relatou sobre a completa inanição da Executiva, que não se reunia, ou melhor, conforme ele mesmo relatou, se reunira uma vez em seis meses;

Sintomático no relato do Fábio, é que a Comissão Executiva Municipal tenha se reunido logo depois da eleição, depois de DOIS MESES, para apenas anuir e referendar a "política do fato consumado"!

Uma vergonha!

Agora eu pergunto de novo:

Queriam a maioria do partido, e o que fizeram?
Queriam o mandato, e o que fizeram?
Queriam um carguinho na mesa diretora, o que farão com ele?

O primor de malabarismo do companheiro Fábio, o complacente, é querer nos dizer que a vereadora "articulou" uma estratégia que ao fim das contas "dividiu a base governista". Quanta tolice, ou quanta ingenuidade!
O máximo que aconteceu foi um "deslocamento" de eixo do garotismo, agora renovado com a adesão da oposição e fortalecido pelos garopetistas!

O máximo que conseguiram foi isolar o vereador magal!

Tentar nos convencer de que a unanimidade conferida ao prefeito-clone e a atuação parlamentar não se confundem é querer nos "dar diploma de otários"!
Que isso, professor?

Se há um racha na base, como todos os vereadores da lapa votaram com o prefeito-clone?

O "racha" se deu onde estava "combinado", caro professor, tudo ensaiadinho, e o voto da vereadora apenas serviu para legitimar toda essa farsa!

Vai ver que meu "delírio" não estava tão errado, e a vereadora já ensaia posar de líder da bancada governista na Casa, será?

quinta-feira, 26 de agosto de 2010

Bom, e o Estatuto 2?

O diabo mora nos detalhes, todos sabemos! E esse me passou despercebido, até que o Professor Fábio Siqueira, sempre ele, tão atento aos detalhes da vida orgânica partidária e dos seus ritos, me chamou a atenção:

A publicação de um convite para um evento de uma candidatura parlamentar, em um universo onde há tantas outras, representantes de outras forças partidárias e tendências, pelo presidente da Comissão Executiva Municipal, sem que o Diretório, ou até mesmo a própria Comissão que preside que, no fim das contas, representam tais forças, autorizassem tal convocação é mais que um ataque frontal a Democracia interna(que já nos foi tão cara), é um transgressão regimental e política que "aparelha" a presidência e a coloca sob o interesse particular de uma candidatura.

Como costume de casa vai a praça, não é por acaso que a presidência do Partido, nos dias de hoje, haja como se o cargo que ocupa estivesse a serviço do interesse de seu grupo, e que essa faceta se expresse na sua atuação junto a sociedade. Por isso a sabotagem a Frente Democrática! Por isso a adesão ao garopetismo!

Veja a "prova do crime":

Bom, e o Estatuto?

Não há dúvidas que regimentos  e estatutos partidários têm a exata importância que as instâncias e as forças políticas dão a ele. Explico: Não se trata de corroborar com transgressões normativas no exercício da vida orgânica do Partido, nesse caso, o PT!

Mas houve um tempo que a organização partidária nessa cidade era levada a sério, e de certa forma, havia uma certa convergência entre a estrutura normativa e as diretrizes políticas. E, portanto, a normatização da luta política não tivesse em evidência. Isso era assumido po todos, sem necessidade de cobrar o cumprimento e essas normas.
Talvez o elo perdido esteja aí.
Se descumpre o que assume para si como fundamental(no sentido de "fundação", "princípio") o filiado já deixa claro como levará o seu compromisso com a leganda da qual faz parte.

O que esperar de uma leganda quando essas infrações se dão a partir de quem deveria dar o exemplo, ou seja, seus órgãos de Direção e seus titulares?

A Comissão Executiva Municipal do Partido dos Trabalhadores não se reúne há cerca de seis meses(!!!!!), conforme me informou o Professor Fábio Siqueira, logo, está rasgada a norma diplomada no artigo 80:


Art. 80. A Comissão Executiva reunir-se-á, em caráter ordinário, no mínimo, a cada 15
(quinze) dias e extraordinariamente sempre que convocada por 2/3 de seus membros.


Nem citarei a questão das finanças!

Logo, o Diretório Municipal, se estivesse atento às normas partidárias, teria dissolvido a Comissão Executiva e eleito uma nova, a fim de que essa funcionasse, e permitisse o debate necessário para que as decisões partidárias tivessem um caráter plural e democrático(essência petista irrevogável), e não fôssemos surpreendidos com "argumentos" como o da vereadora que "resolveu" por si, e de forma precária e açodada participar de um acordo espúrio, sem que as instâncias partidárias legitimassem tal ato.

Representaremos junto ao Diretório e a Executiva Municipal para que encaminhe a providência, e caso não seja provido nossa postulação, recorreremos às instâncias superiores e, se preciso for, a Justiça!

Quem quer cumprir a Lei e diz exigir transparência, tem que dar o exemplo dentro de casa!

Saudações petistas!

O fino!

Jogar confete no trabalho dos Avyadores do Brazil é "chover no molhado"! Testemunhar que a banda mantém público fiel é ser redundante! Então, o que escrever sobre o projeto Quarta Blues do Sesc-Rio, que teve o encerramento do mês de agosto com o show da banda, ontem, quarta-feira como sugere o título do projeto?

Fiquei ali, na tentativa de observar algo distinto, a fim de que pudesse render minhas homenagens nesse post.

Inútil!
Tudo continua a mesma coisa. Felizmente, tudo continua a mesma coisa.

Qualquer que seja a formação, e qualquer que seja o "nivel técnico" dos músicos que experimentam "voar" nessa aeronave de som, eu posso afirmar:

Há um "liame", um "espírito", uma "pegada" que sempre está preservada. Avyadores é mais que música, é estilo de vida! E eu me orgulho de viver essse estilo!

Somos mais que fãs, somos uma legião de Avyadores, cada um pilotando a sua vida, e compondo essa fantástica esquadrilha de sonhadores!

Ontem, naquele pocket show, com formato bem comportado e mas despojado, sentimos a essência do grupo em sua versão low profile.

Destaque para a participação de Clara Brito e o ótimo arranjo de Merecedes-Benz, conhecida na voz da imortal Janis Joplin. É preciso coragem para ousar pisar no terreno dos deuses. Clara fez, à bordo dos Avyadores, e foi irretocável!

Parabéns a Banda, e parabéns a nós todos, pelo ótimo gosto que temos para música! Fiquei com a música na cabeça, e aí vai a letra, afinal, até hoje o senhor não me comprou um Mercedes:


Mercedes Benz Janis Joplin
Oh Lord, won't you buy me a Mercedes Benz ?
My friends all drive Porsches, I must make amends.
Worked hard all my lifetime, no help from my friends,
So Lord, won't you buy me a Mercedes Benz ?

Oh Lord, won't you buy me a color TV ?
Dialing For Dollars is trying to find me.
I wait for delivery each day until three,
So oh Lord, won't you buy me a color TV ?

Oh Lord, won't you buy me a night on the town ?
I'm counting on you, Lord, please don't let me down.
Prove that you love me and buy the next round,
Oh Lord, won't you buy me a night on the town ?

Everybody!
Oh Lord, won't you buy me a Mercedes Benz ?
My friends all drive Porsches, I must make amends,
Worked hard all my lifetime, no help from my friends,
So oh Lord, won't you buy me a Mercedes Benz ?

That's it!

PImba na gorduchinha!

Já que o negócio é "chutar", mandamos aqui o nosso tiro à meta:

A liderança do governo vai ser ocupada por ninguém mais, nem menos que a vereadora do PT, como prova de sua adesão e transmutação definitiva em uma nova tendência politica local: O garopetismo!

Se o prefeito-interino-clone tivesse lido Maquiavel, com certeza faria o convite. Acabaria com o resto (ecaa!) do PT local.

quarta-feira, 25 de agosto de 2010

Novos produtos!

Catálogo da Avon da Fé:
 

Algemas ungidas em Jerusalém, pelo Mossad:
Referência para pedido: Artigo 288

Quem tudo quer, tudo perde!

A vereadora e seu grupo de garopetistas queriam o controle do partido. Pois bem, eles o têm, e o partido virou um grande nada!

A vereadora e seu grupo de garopetistas queriam um mandato. Pois bem, eles o têm, mas a sociedade e o pt não têm nada!

Agora, a vereadora e seu grupo de garopetistas queriam um cargo-migalha na mesa diretora. Pois bem, eles o têm, mas nós só temos vergonha!

Queriam tudo, ganharam quase tudo, mas perderam o principal: o respeito!

A vereadora e o Juca!

Tomo emprestado esse belo poema do Mário Lago, publicado pela nossa musa-poetisa, Walnize Carvalho. Não há como não deixar de relcionar com nossa triste realidade. Eu imagino um diálogo, parodiando o texto:

-Mamãe, porque você votou no nahim e lhe conferiu unanimidade?
-Porque ele é o atual dono da bola!

Vamos ao Mário:

O dono da bola


O dono da bola Mário Lago
Quando o Juca concordava
A garotada tomava
Conta da rua e armava
O campo de futebol.
Juca era o dono da bola.
Juca era o dono do jogo
Fazia
O que bem entendia
E quando alguém discutia...
O Juca guardava a bola.
Ninguém brincava com o Juca
Juca era o dono da bola.
Na hora de escolher o time
Era o Juca quem primeiro dizia
Os meninos que queria
Pro time dele.
Se o capitão do outro time
Discordava,
O jogo nem começava.
O Juca guardava a bola.
Ninguém brincava com o Juca
Juca era o dono da bola.
A garotada corria
De um lado para o outro.
Dribla daqui, chuta pra lá,
Passa para ali, cabeceia prá cá...
Juca ficava sentado
O tempo todo. Mas na hora
De fazer gol se mexia.
Corria e gritava: “Passa
que quem faz gol sou eu”.
Esse o outro não passava.
Ou se chutava e marcava
O gol que o Juca esperava...
O Juca guardava a bola.
Ninguém brigava com o Juca
Juca era o dono da bola.
Todo gol que o outro time
Fazia era anulado.
Ou tinha sido com a mão
Ou impedido. Anulado.
O Juca dava rasteira,
Canelada, cabeçada,
Aleijava a garotada
E o juiz não marcava nada.
O tranco mais delicado
Dado no Juca era pênalti
E quando alguém discordava...
O Juca guardava a bola.
Ninguém brigava com o Juca.
Juca era o dono da bola
Um dia o Alfredinho achou
Que aquilo era desaforo.
Driblou o primeiro, driblou o segundo,
Driblou o terceiro, o quarto...
O Juca xingou a mãe dele.
Ele meteu a mão no Juca
(A garotada ficou espantada).
O Juca avançou pra ele,
Ele tornou a dar no Juca
(A garotada ficou animada)
O Juca avançou outra vez.
Ele então
Jogou o Juca no chão
(A garotada foi toda em cima do Juca)

Quando Alfredinho voltou pra casa
O pai estava se queixando
Que o dinheiro que ganhava
Não chegava
pra alugar outra casa
ao menos com mais um quarto
pra botar seus nove filhos;
para comprar mais comida,
feijão pra seus nove filhos;
para comprar umas roupas
pra vestir seus nove filhos;

-Papai , por que o dinheiro
Que você ganha não chega?
- É pouco.
- Porque é pouco?
- porque o patrão paga pouco.
- Papai porque vocês
Não pedem mais ao patrão?
- o patrão despede a gente,
A gente fica sem pão.

Porque que o patrão despede?
Porque ele é o dono das fábricas,
Porque ele é dono das máquinas.
Papai,
Por que vocês
Não fazem com ele
O mesmo que nós fizemos com o Juca?
- Quem é o Juca?
_ Juca era o dono da bola.
_Que foi que vocês fizeram?
_ Tomamos a bola dele.

Que tal uma CPI da merenda?

Alguém já conseguiu explicar como o custo unitário de cada aluno da rede municipal saltou de 0.37 centavos de real para R$ 3.70, sem que a qualidade do serviço tivesse saltado nessa proporção(dez vezes), uma vez qe o serviço prestado já era considerado um dos melhores do país, conforme premiação do MEC?

Que tal uma CPI da passagem a 1 real?

Estamos com mais de um ano de programa cartão-cidadão, e ficam as dúvidas:

Qual é o método de aferição dos pagamentos feitos pela municipalidade às empresas de ônibus?

Estão as linhas licitadas e regulamentadas?

Quantas reuniões do conselho (?) criado sob medida para anuir com os desmandos foram feitas? Onde estão as atas, e os seus devidos registros em cartório para certificar que as mesmas não foram realizadas em datas diversas, para afastar a constatação de que tais reuniões nunca existiram?

Afinal, quantos milhões já escoaram dos cofres públicos para as empresas, a título de um justo benefício a população?

E a CPI dos Royalties?

Bom, se há realmente um "novo" momento na Câmara, com uma configuração que não seria favorável ao casal da lapa, por que não implementar agora as investigações pendentes sobre a má-utilização dos recursos advindos da extraçãode petróleo em nossa bacia?

Desde que foi abortada, por mais um clássico "acerto" entre todos, surgiram novos fatos "determinados", como por exemplo:

A anulação das eleições de 2008, com a suspensão do mandato da ex-prefeita se deu por abuso de poder econômico, onde ela e o deputado federal arnaldo vianna tornaram-se inelegíveis. Nessa sentença, os meios de comunicação que servem a ambos os lados são apontados como beneficiários/cúmplices do abuso.
Ora, não caberia começar a investigaçãode desvio de royalties por uma evidência(fato determinado)tão cristalino e abrir a "caixa preta" que é a relação do ´órgãos governamentais da cidade com a midia tradicional e agências de publicidade e propaganda?

Como já dissemos, os fatos estão mais que determinados, mas quem não parece muito determinada a fazer o seu papel(fiscalizar o Executivo) é a casa de telhado de vidro!

Divina comédia?

O que há em comum entre a historinha infantil do Lobo Mau e Chapeuzinho Vermelho e a Divina Comédia?

Associações e cumplicidade!

Na antiga lei que tratava do tráfico de entorpecentes, a associação para o tráfico era tratada no artigo 14. Hoje, na Lei 11343, o artigo 35 disciplina a matéria. Ambos os artigos mantiveram intactos o "espírito legislativo", ou seja, punir de forma específica(nesse caso relacionado ao crime de tráfico de drogas)a reunião de pessoas para cometer um crime.

Podemos dizer, salvo censura do jurisconsultos, que o artigo 35 é uma especialização jurídica do artigo 288, que trata da formação de quadrilha ou bando para cometer outros crimes, desde que em atendimento a princípio, não haja matéria particular tratanto do tema, como é o caso aventado!

Mas seja como causa de aumento de pena, ou qualificadora de condutas, o concurso de pessoas para cometer um crime, quer seja ele furto, roubo, tráfico, etc, na forma da associação, guarda uma diferença fundamental em relação ao crime autônomo de formação de quadrilha.

Nos crimes onde  a presença de um grupo de criminosos é "vinculada" a um crime, é necessário a consumação ou pelo menos a tentativa para que a reunião seja considerada, ou seja: um grupo de jovens se reúne para fazer um "arrastão" na praia. Se, por qualquer motivo, não iniciam sua empreitada criminosa(atos executórios), não há de se falar em bando ou quadrilha. Se algum deles estiver armado, responderá pelo porte de arma. Se não houver arma ou similar, não serão punidos por andar em grupo pela praia.

Já na formação de quadrilha ou bando, basta a reunião com o intuito de cometer um crime, que poderá nem acontecer.

Esse é o caso do ex-governador. Quando se reuniu com a cúpula da Polícia Civil para lotear delegacias, e promover toda a sorte de "acertos" com outros grupos criminosos, não é necessário que se prove a presença do ex-governador na cena dos crimes praticados, a saber: Ainda que não empunhe armas, ou tenha recebido valores, ou os tenha "lavado", o ex-governador com sua autoridade não só permitiu, como concorreu para que o esquema criminoso tivesse efeito. Eis aí a conduta típica, ou o crime!

Por isso, só os ingênuos e os canalhas utilizarão a tese de que o ex-governador nunca pegou em armas, ou sequer viu a "cor" do dinheiro das "maquininhas". Isso seria mero exaurimento do crime, na linguagem dos criminalistas!

Quanto ao quatum da pena é de se ressaltar que, estranhamente, embora os crimes praticados tivessem uma repercussão enorme na sociedade, com efeitos danosos sobre toda a segurança pública e a própria noção de Estado e Democracia, sendo impossível dimensionar o efeito sobre a hierarquia, autoridade, e até mesmo, quantas pessoas foram atingidas, não se viu aqui o rigor aplicado quando três ou quatro jovens se reúnem para praticar um arrastão!

É claro que como réu primário, com endereço certo, e tendo respondido a todos os atos processuais, o ex-governador possa ter sua pena convertida em restrição de direitos e serviços comunitários. A indignação fica por conta de sabermos que justiça tão compreensiva não seja uma regra, e sim execção!

Não é demais lembrar porque o crime só compensa de acordo com o tamanho da "recompensa"!

Mas não é nada, não é nada, já é algo a condenação de um ex-chefe de polícia e de um ex-governador.

Pior para nós, campistas, mais uma vez inovando na série histórica de fatos vergonhosos!

terça-feira, 24 de agosto de 2010

As palavras do rabo da Hydra: cinismo!

"A estratégia do mandato de apoiar a eleição de Nelson Nahim para a presidência da Câmara foi definida para impedir que o postulante a vereador Edson Batista retornasse e tivéssemos o vereador Magal como vice-presidente."

Nota do blog: tratar as duas eleições como duas coisas inseparáveis, é  querer imaginar que medidas pró-acordão repercutirão de forma distinta na realidade. Ora como a própria casa mostrou pelos resultados, era possível manter-se fora da unanimidade, e impedir que edson assumisse, até porque, esse era o interesse da maioria, e dos dois presidentes da casa, nelson e matoso! Não havia nada que sugerisse que a adesão da vereadora fosse mudar uma decisão que não dependia de sua posição: a antecipação das eleiçoes já trazia em si um resultado previsível, e só a miopia(ou má-fé)poderiam sugerir que era necessário vestir a "canga do garotismo"!

"Alguns questionam porque não lançamos Rogério Matoso como cabeça de chapa já que tínhamos nove votos. Se assim fizéssemos não teríamos os votos dos mesmos nove vereadores."

Nota do blog: Quem questionou isso ? Em que esfera de debate? Quem são os interlocutores? Mais uma farsa!

"Ontem à noite ouvi membros da Executiva do Partido dos Trabalhadores (não consegui me comunicar apenas com um dos companheiros), embora não tenhamos nos reunido formalmente."

Nota do blog: É mentira! Os companheiros só foram comunicados depois, ou seja, fato consumado! Em  tempos de internet e celular, utilizar o argumento de que não houve comunicação, é uma descarada mentira! É só checar os horários de chamada, não é Fábio?

"Nós não temos dúvida que Nahim pertence ao grupo da prefeita cassada, porém recebe a oposição e se agir da mesma forma que a antecessora terá uma oposição ferrenha."


Nota do blog: Essa nem merece comentário, é para rir!

Comovente!

É digno de nota o esforço de setores do Núcleo Lenilson Chaves em adornar a fétida atitude da vereadora na eleição de ontem!

Como sou amigo pessoal deles, não colocarei na conta da má-fé. É ingenuidade mesmo!

Argumentar que por ser parte da estrutura da mesa, em cidades como São Paulo, ou em qualquer outra cidade, mantém a independência e a postura oposicionista, reduzindo tudo a uma analogia simplista, é de doer os olhos!

Afinal, basta copiar modelos e repetir condutas!

Não se considere as especificidades locais e os simbolismos que cada atitude repercute no cenário, e na luta pela acumulação de capital político onde a própria atividade política parece impossível de ser executada!

São Paulo deve ter tido 06 prefeitos em 06 anos! Ou algo parecido com a nossa "Telhado de Vidro", ou temos por lá um fenômeno local como o garotismo!

Enfim, fechemos as escolas de ciências, e passemos ao culto da fé! Que deus nos salvará agora?

Os garopetistas e a conversa para boi dormir!

Se querem convencer alguém que fazer acordo com o prefeito-interino-clone, para lhe dar uma unanimidade que o legitima no cargo, mesmo sendo ele, herdeiro legítimo e consangüíneo de um espólio que lançou essa planície na "idade da lama e das trevas" é, no mínimo, desprezar a inteligência dos interlocutores!

Argumento mal posto e mal acabado, que apenas se sustenta por uma obviedade: nahim não é garotinho!

Lógico que não, mas perguntamos: Será melhor? Pior? Igual? E se for melhor, qual seria a vantagem , se tomarmos como base de comparação o criador do garotismo?


Qual a vantagem de abdicar de um projeto próprio, ainda que incipiente e de pouca repercussão, para cerrar fileiras junto a "usina de reciclagem do garotismo"?

Se há contradições a serem exploradas, por que não esgarçá-las junto à sociedade, e aos setores que desejam superar esse modelo? Ou não há, de verdade, quem o queira fazê-lo?


Esse pessoal do PT me lembra o MR-8, que fazia adesão ao quércia, para promover a "revolução por dentro". Depois de tanto tempo a "chafurdados a merda", se acostumaram ao "cheiro", e o resultado todos sabemos!

Imaginam se o Lula decidisse explorar as contradições de Itamar, no seu governo provisório?

E as reuniões da Frente Democrática? Um circo? Um embuste? Um passatempo para curar a depressão omissiva de um presidente-fantoche?

Sim, pois  a (im)postura da vereadora e de seu "companheiro-presidente" nos leva a crer que somos todos idiotas, pois há duas semanas atrás o "professor-presidente" estava em uma reunião da Frente Democrática, a jurar amores pelos temas que jogou, junto com sua companheira-vereadora na lata de lixo da História!

É na unanimidade a nahim que se expressa a Frente Democrática e o "novo modelo" que desejávamos?

Não acordem o boi agora, pois deu trabalho para niná-lo, dizem-me os garopetistas!

A Hydra 3!

Há uma correção que deve ser feita, para fazer justiça a (im)postura da vereadora do PT, nas eleições da mesa diretora, e nas conseqüências que esse pleito trará para a sucessão suplementar!

Consideremos como certa a análise do professor Roberto Moraes, que o quadro atual refletirá o jogo sucessório, e os próximos lances da conjuntura local pré-2012!

Por esse raciocínio, odisséia e seu grupo do PT não são uma nova cabeça da Hydra do Garotismo como dissemos lá embaixo.

São apenas o rabo da Hydra, dada a forma como se movimentam: Sempre dispostos a "colaborar", qualquer que seja  "el patrón"!


Esse pessoal não tem vocação para ser cabeça de nada, a não ser cabeças-de-bagre!



São todos iguais!

Esse é o sentido que está por trás da unanimidade dada ao prefeito-interino-clone!

Parabéns vereadora!

Como na propaganda do TSE onde um apresentador de TV, em um esquete que imita aqueles programas de cabine fechada, onde o participante é chamado a optar por bens com valores disparatados, sem que possa ouvir a pergunta que oferece a escolha, e troca escolas, hospitais e o bem estar público por tijolos, brindes e outros instrumentos de fisiologismo, coube a vereadora ocupar a cadeira com fones de ouvido, e ao se acender a luz na cabine, perguntou o "apresentador", o prefeito-interino-clone:

-Vereadora odisséia, a senhora troca um futuro político, a possibilidade de representar o PT, e os setores da oposição que não concordam com o garotismo, que condenou essa cidade a vergonha e escárnio nacional, por um carguinho na burocracia da Câmara de Vereadores?

Acende a luz. Tensão na platéia. Música incidental. Rufam tambores!
Corta para o rosto tenso da vereadora!

Ela diz:

-Sim, eu troco, eu troco!

"Parabéns vereadora, a senhora trocou a possibilidade de mudar o futuro de sua cidade, por uma  boquinha na beirada da mesa da Câmara"

Pensando bem, é melhor um caraminguá e um carguinho, a perseguir o "sonho impossível" de fazer a diferença!

Parabéns, vereadora!

Ou isto ou aquilo 2!

O casal da lapa deve escolher: Ou a Justiça os persegue, ou é justa! Agora, aliviados por manterem o único mandato que restou, bradam: "A justiça foi feita"!

Sei, sei, sei. Então estamos combinados: Justiça é quando eles ganham sempre, e todos sempre perdem! Então 'tá bom!
E Democracia é a vontade da maioria, desde que  eles sempre sejam a maioria!

A Hydra 2!

Tem nova cabeça na Hydra do garotismo!

Atende pelo nome de Odisséia!

Afinal, é tudo mitolologia mesmo, nada é de verdade, está tudo em casa!

Saudades!

Eu nunca pensei que diria isso, mas o vereador-chuchu está fazendo falta!

Que venha o debate!

Se é essa a cara do PT, que diz que vai representar a candidatura própria na eleição suplementar, eu desde já digo: Terão que enfrentar uma outra pré-candidatura.

Esse pessoal não pode representar o partido!

Mesmo que tenham o controle da máquina, terão que passar pelo "constrangimento" de explicar suas "razões" em instâncias de debate pré-convencionais, como manda o Estatuto!

Uma vida de menos!

Se como nos ensinou Sir Winston Churchill, na política se morre várias vezes, debitem ma vida de menos a vereadora do PT em Campos dos Goytacazes!

Pelo seu texto, fica claro que a política, ou ao menos, o exercício de um mandato outorgado pelos eleitores não lhe cabe de forma alguma!

Esse não é um desabafo, é apenas uma triste constatação de quem sempre criticou sua postura, menos por acidez, e mais por desejo de que fosse contrariado e pudesse dizer: Eu me enganei!

Infelizmente não! A despeito de que minha forma de demonstrar descontentamento nem sempre tenha sido a mais adequada, como inclusive sabem os leitores, que presenciaram pedidos públicos de desculpa a vereadora e seu marido por parte desse blogueiro, está provado pelos útlimos fatos que se a forma estava errada, pelo menos o conteúdo do incômodo que sentia era razoável!

Vejam bem, não questiono os acordos que possam ter levado a vereadora a aderir a ao prefeito-interino em sua luta pela presidência da Câmara, que o reconduzirá a interinidade! Não somos ingênuos!

O problema principal é o contexto no qual se deu a decisão, que desrespeita seus companheiros de partido, e inclusive a posição do seu marido, presidente da legenda, na medida que nenhuma instância do partido, ainda que informalmante, foi consultada.

E nem poderia, pois soube hoje que em seis meses de presidência do professor Eduardo, apenas uma reunião de Executiva aconteceu, em afronta clara ao regimento interno!

Logo, creio que a anomia e a inércia andam juntas para permitir que cada decisão pessoal e interesses particulares possam ser institucionalizados, ou seja, se não há debate, o Partido virou palco da monocracia familiar!

Pior do que tudo isso é o argumento(?)horroroso para justificar o ato. Primor de dubiedade, verbo envergonhado e claudicante, peça rara de contradição, pois leiam o que saiu de sua própria lavra:

"Os vereadores da bancada de oposição, decidiram apoiar a chapa formada por Nelson Nahim para a presidência e Rogério Matoso para vice-presidência na eleição para a Mesa Diretora da Câmara Municipal de Campos dos Goytacazes prevista para acontecer amanhã.A vereadora Odisséia Carvalho afirma que apesar do prefeito em exercício governar com uma postura mais polida e fazer política sem os arroubos de ódio e ataques aos oposicionista, este pertence ao mesmo grupo político da ex-prefeita Rosângela Matheus.
A opção da bancada oposicionista vai manter a postura de independência em relação ao prefeito, que tem prevalecido desde a posse de Nahim como chefe do Executivo Municipal.(....)"


Reafirma o caráter garotista do prefeito interino e clama independência ao aderir a ele!

Resta perguntar.

Não seria mais honesto dizer, fizemos acordo sim, e danem-se? Ou em linguagem mais polida: Não seria menos hipocrisia dizer que política é a arte do possível?
Nesse ponto, a inflexão da vereadora nos permite dizer que sua justificativa, na verdade, enfraquece sua posição, e em suma, desacredita qualquer merecimento da política, dada a maneira como se declara. Por que não dizer que fez um acordo, e quais foram as bases desse acordo? Há algo a esconder?

Se essa é a representação do PT em Campos, é melhor logo passar a ficha de filiação a todos os garotistas que desejarem entrar no partido. Pelo menos saberemos com quem estamos lidando, sem sustos!

Chega de amadorismo! Aluguemos a sigla, e vamos viver de "renda"!

Esse sem dúvida, é um mandato morto, e não é à toa que se sustente com carpideiras!

segunda-feira, 23 de agosto de 2010

'Tá explicado!

Não é à toa que os marqueteiros encurtaram o nome do josé serra para zé. Enganam-se os que pensam que é apenas uma tentativa de humanizar o "vampiro tucano"!

É que pelo andar da carruagem, com o destempero que demonstra pela queda da sua intenção de voto, o candidato sairá menor que entrou na disputa, logo, a diminuição corresponde a "estatura política" que terá ao final do pleito!

Um  autêntico "zé mané"!

Não tenha medo de voar!

Avyadores decolam no SESC Campos


O Projeto 4º Blues realizado pelo SESC Campos, recebe na próxima quarta-feira a banda Avyadores do Brazyl. A apresentação encerra o Projeto com chave de ouro e a decolagem está confirmada para começar às 20h. A entrada é franca.
Os Avyadores estão realizando os últimos ensaios para levar o melhor do blues para os amantes desse gênero musical. O blues ganhou força nos Estados Unidos, onde surgiu a partir dos cantos de fé religiosa, chamadas spirituals e de outras formas similares, como os cânticos, gritos e canções de trabalho, cantados pelas comunidades dos escravos libertos, com forte raiz estilística na África Ocidental.
Suas letras, muitas vezes, incluíam sutis sugestões ou protestos contra a escravidão ou formas de escapar dela. "O blues sempre foi um gênero musical presente em nosso repertório. Faremos uma apresentação bastante intimista e comentando sobre alguns grandes mestres do blues", adianta o "Avyador" Luiz Ribeiro.

Possibilidades!

Há mais lances na disputa da presidência da Câmara que os leitores podem imaginar.

A conta que Rogério Matoso tem mais variáveis incógnitas!

Ela considera a possibilidade de ocupar a prefeitura, em virtude de "novos-antigos" problemas que ameaçam se mexer sobre a cabeça do prefeito-clone-interino!

A tempestade tem número, distribuição e pode desabar a qualquer tempo, caso "certos acordos" não sejam cumpridos!

Pode ser que sim, pode ser que não! Mas o presidente de Câmara quase-garotinho tem tempo para esperar!

Em resumo: Na planície lamacenta, o título: Eu sei o que vocês fizeram no verão passado nº 2354 não é só uma continuação chata e infindável de filme de sucesso!

Fecha o pano!

Observatório da imprensa: Lama e traição na planície.

Quem acompanha os lances da disputa pelas chaves do cofre na planície mais lamacenta e rica desse país já deve estar preparado:

Em pouco tempo, jornal que era oposição vai virar a folha, e tornar-se alinhado com o governo!

Quem fazia papel de diário oficial, vai começar a incomodar!

domingo, 22 de agosto de 2010

A Hydra!

A Hydra como todos sabem, é um monstro mitológico grego, ao qual coube a Hércules destruir como uma das doze tarefas.

A Hydra tinha várias cabeças, que uma vez decepadas, cresciam novamente!

Seria a Hydra a melhor representação do garotismo? É possível!

Para onde quer que se olhe, a manobra de antecipação das eleições de mesa diretora da Câmara Municipal é um lance típico de regenaração de uma das cabeças degoladas desse fenômeno, que se expressava no mandato da ex-prefeita.

A nova cabeça da Hydra atende pelo nome do prefeito interino, e que se licenciará para tentar a reeleição e retornar ao cargo de prefeito, até que se cumpram as novas eleições suplementares.

Primeira percepção que nos acomete:
Já está dada por resolvida a questão da perda do mandato da ex-prefeita entre os seus e entre opositores!

Despojados do poder, coube as facções do garotismo local, que se digladiam na Câmara, disputarem o banquete dos restos!

No entanto, cientes de que a antropofagia poderia causar estragos irreversíveis, costurou-se o pacto: Façamos a mudança, para que nada mude!

E para quem imagina que esse "acordão" tenha um só beneficiário, engana-se, em nossa rasa opinião! 

Encurralado pela bancada governista, o atual presidente da Casa, Rogério Matoso, resolveu ceder a antecipação das eleições para esvaziar o interesse pela posse do médico-quase-vereador. Uma vez resolvida a questão da eleição da mesa diretora, a questão da posse ou não do médico passa a ser um problema menor, e que poderá ser resolvida com novo acordo, ou empurrada com a "barriga da Justiça"! Afinal, sua posse se destinava a emplacar um nome fiel na prefeitura!

Sem essa possibilidade, o quase-futuro mandato do médico se esvazia, a não ser pela possibilidade, factível, de que o atual bloco governista passe a azucrinar o interinato do primeiro-cunhado!

De todo modo, e em qualquer cenário, a presidência da Casa é lugar estratégico na conjuntura local! Livra-se o atual presidente do Legislativo  do boicote de pauta, e do risco de virar "enfeite legislativo"!

Para o atual presidente da Câmara, o acordo é ótimo, pois esvaziada a pretensão dos garotistas cassados, os pares que imobilizam a pauta da Casa tendem a ceder, e a se reagruparem em torno do novo vértice de poder da prefeitura!

Por outro lado, a atual configuração da Casa favorece o atual prefeito interino, ao menos, pelo tempo que imagina ser necessário para rearranjar os acordos palacianos e o loteamento da prefeitura, a fim de pavimentar sua candidatura como nome "natural" do garotismo!

A tendência é que ou abandonem o médico-quase-vereador a própria sorte, uma vez que um fiel escudeiro do garotismo "de raiz" não interessa a mais ninguém! Rainha posta, rainha morta!

No suposto acordo, o atual presidente interino da Casa de Leis manteria-se na vice-presidência, e por conseqüência, na presidência da mesa, tão logo o prefeito interino reassuma sua cadeira na pmcg!
Ganharia tempo e estofo para trabalhar seu nome junto aos setores da oposição, caso esse seja o interesse de concorrer ao pleito suplementar, ou para sedimentar seu capital político com fiador do "novo prefeito de novo interino", emprestando-lhe apoio até que tanha forças para vôos próprios em 2012.

O que não muda nesse jogo é a essência do modelo que permanece intacto.

Ainda que as cabeças sejam aparentemente diferentes, o corpo é da mesma Hydra!

Clima, indiferença: as sementes da intolerância!

Novas inundações ameaçam 200.000 pessoas no Paquistão. É o que diz a página eletrônica do El País. Cerca de 20 milhões de paquistaneses foram atingidos pela maior enchente dos últimos 80 anos. Pelo menos de 1.539 mortos!

Como se não bastasse os números dramáticos, em um país com as características sócio-econômicas do país, a tragédia acende entre analistas e especialistas locais mais um alerta: O desastre natural atrasará a economia local em alguns anos, quem sabe décadas, e a nação corre o risco de se transformar em um imenso campo de desabrigados!

Somados aos conflitos internos e externos, de matizes étnica e política, as inundações funcionarão como um combustível a mais para o fortalecimento dos movimentos de violência política, o terrorismo!

As autoridades locais e organismos internacionais de ajuda que trabalham pelas vítimas paquistanesas chamam a atenção para esse fato e denunciam certo distanciamento da comunidade internacional dos esforços de ajuda e reconstrução(quando cessarem as chuvas)do Paquistão!

O preço, como se sabe, será sempre mais caro que as contribuições necessárias: Mais desequilíbrio e instabilidade para uma região volátil!

sábado, 21 de agosto de 2010

Carnaval & eleições fora de época: entre micaretas e picaretas!

Sempre gostamos de imaginar aqui nesse blog que os fatos se relacionam entre si, embora não comunguemos de um absolutismo cosmológico, que dê como causa um furacão na costa estadunidense a queda de uma folha de árvore em uma floresta no meio da Índia!

Mas é irresistível associar as duas "paixões" dos habitantes dessa planície lamacenta, e que apresentam pontos em comum: improviso, desvios de conduta, enfim, um "desfile" de precaridades e abusos, que deslocaram suas temporaneidades.

Nosso carnaval e nossas eleições são eventos de péssimo gosto, e de resultado sempre duvidoso!

Embora a "indústria cultural carnavalesca" seja tratada como deve na maioria dos lugares desse país, e gere lucro, riquezas, e também problemas como toda atividade, aqui na planície lamacenta, nosso carnaval é um circo de horrores, e pior, fora de época.

Como nas eleições, nosso carnaval é um monstro devorador de verbas públicas!

Como no carnaval, nossas eleições se fazem com alegorias emprestadas!

Como no carnaval,  em nossas eleições os mandatos são tão estáveis e sérios como o reinado de Momo!

Temos desfiles e eleições todo ano, e nos dois o resultado é um só: desastre! Tudo aqui é fora de época!

Nos dois fenômenos, a intervenção externa só piora: No carnaval, a interferência do poder municipal só piora o "espétáculo" a cada ano, assim como nas eleições, quando seguidas intervenções jurídico-policiais degradam o ambiente político!

Aqui, eleição não é só manifestação de vontade popular, nem carnaval é manifestação de cultura! Viraram antes, meios de vida! Fins em si mesmos, que deslocam e distorcem a realidade na qual estão inseridos.

Ambos geram os picaretas, arremedos de artistas, mascarados de mandato!

Golpe do seguro!

Não, não caro leitor, não se trata do "manjado golpe", promovido por estelionatários que comunicam falsos roubos e furtos de seus veículos, para receberem os valores de apólices bem superiores ao que perceberiam caso, simplesmente, vendessem seus bens, e que em alguns casos, conseguem até "bônus", ao encaminharam eles próprios, as falsas vítimas, seus carros aos desmanches!

Não, meus amigos, o golpe do seguro aqui é noticiado pelo jornal britânico The Independent, em sua página eletrônica, e denuncia a conduta criminosa dos súditos da rainha.

Vejam só:

Motoristas provocam incidentes de trânsito para depois reclamarem pequenas fortunas das seguradoras dos outros motoristas inocentes.

De acordo com o Escritório de Fraudes contra Seguro (Insurance Fraud Bureau, em inglês), cerca de 30.000 incidentes são "propositais", e custam cerca de 17.000 libras cada um, em um montante de prejuízo total de 350 milhões de libras, o que encarece cada prêmio de seguro em 44 libras, as custas do segurado!

Os quatros lugares com maior incidência de fraude são: Liverpool, Blackburn, Manchester e Leeds.

Os criminosos, de acordo com a policia britânica, escolhem suas vítimas cuidadosamente, dentre eles idosos, mães sozinhas e motoristas com carros de empresas: os dois primeiros porque dificilmente criarão obstáculos na ocasião do incidente, e os últimos por que tendem a dirigir com menos atenção do que fariam caso estivessem em seus próprios carros!

Os "dick vigaristas ingleses" provocam as batidas, com freadas bruscas, em vias onde não há nenhum obstáculo ou motivo para tal ação súbita, a fim de que os motoristas segurados os atinjam por trás. Em outros casos, andam em comboios para causar o mesmo tipo de batida por trás!

Como se vê, para desgosto de nossa "elite" e dos colonizados de plantão, valores e caráter não tem geografia determinada e determinista.

Estão muito mais relacionados a crise financeira do que a  uma "virtude incondicional étnica"!

Como a Inglaterra e o velho mundo passam por uma fase ruim, os "honestíssimos colonizadores" reagem como qualquer "malandro colonizado"!

Mais mitos caem a medida que a História avança.

Mundo fascinante esse, não?

sexta-feira, 20 de agosto de 2010

Quem irá nos socorrer agora?

Por sugestão de um leitor, lançamos aqui o Programa PAC da lapa:

Programa de Auxílio aos Cassados.

Os recursos virão de um fundo de empreiteiros-amigos e patrocinadores!

O lema é: Adote um prefeito cassado, antes que ele resolva concorrer de novo!

Quem vem para a festa?

Bom, primeiro minhas congratulações a Goytacaz F.C e sua torcida pelos 98 anos. Sobreviver esse tempo todo, resistindo ao amadorismo e, na maioria dos casos, a incompetência dolosa de seus dirigentes é uma tarefa digna de registro no Guiness Book.

Mas para não dizer que não falei dos doces da festa, eu pergunto:

Aonde anda um deputado federal, hoje rebaixado a candidato a deputado estadual que prometeu uma gestão profissional no clube, recentemente?

Parabéns ao deputado e ao clube pelo rebaixamento comum!

Será que ele vem para a festa?

Acusaram o golpe!

O blogueiro Ricardo André já deu a senha em sua postagem: "Onde está Wally?".

Mas eu colocaria mais alguns ingerdientes nesse caldeirão de silêncio do diário oficial da lapa:

Não se trata apenas de uma pauta "joão-sem-braço"!

A total ausência de menção a manutenção do afastamento da ex-prefeita, ontem pelo TSE, negando provimento ao agravo regimental interposto por seus causídicos, é um sintoma claro de quem jogou a toalha.

Nem esperneiam mais!

Podem fechar o caixão, quem beijou, beijou...

quinta-feira, 19 de agosto de 2010

Enquanto isso, na Lapa...

A ex-prefeita e auxiliares mais próximos, esperando pelo TSE

Nossos bárbaros não voltarão!

Esse é um poema do grego Konstantinos Kafávis. Tive conhecimento ao ler a coluna Pênalti, do Sócrates, o Dr Magrão, na revista Carta Capital de 05 de maio desse ano. Eu relia a revista hoje, e me veio a idéia de postar o poema inteiro.

O texto de Sócrates se referia a outro tema. Mas creio que a associação a necessidade de vencermos nosso imobilismo, ao invés de justificá-lo pela espera dos bárbaros é apropriadíssima, pois vejam a versão que encontrei no blog Anema e Core:

À espera dos bárbaros (Konstantinos Kaváfis)



O que esperamos na ágora reunidos?

É que os bárbaros chegam hoje.

Por que tanta apatia no senado?
Os senadores não legislam mais?

É que os bárbaros chegam hoje.
Que leis hão de fazer os senadores?
Os bárbaros que chegam as farão.

Por que o imperador se ergueu tão cedo
e de coroa solene se assentou
em seu trono, à porta magna da cidade?

É que os bárbaros chegam hoje.
O nosso imperador conta saudar
o chefe deles. Tem pronto para dar-lhe
um pergaminho no qual estão escritos
muitos nomes e títulos.

Por que hoje os dois cônsules e os pretores
usam togas de púrpura, bordadas,
e pulseiras com grandes ametistas
e anéis com tais brilhantes e esmeraldas?
Por que hoje empunham bastões tão preciosos
de ouro e prata finamente cravejados?

É que os bárbaros chegam hoje,
tais coisas os deslumbram.

Por que não vêm os dignos oradores
derramar o seu verbo como sempre?

É que os bárbaros chegam hoje
e aborrecem arengas, eloqüências.

Por que subitamente esta inquietude?
(Que seriedade nas fisionomias!)
Por que tão rápido as ruas se esvaziam
e todos voltam para casa preocupados?

Porque é já noite, os bárbaros não vêm
e gente recém-chegada das fronteiras
diz que não há mais bárbaros.

Sem bárbaros o que será de nós?
Ah! eles eram uma solução.

Advogados e Democracia!

Os advogados são indispensáveis a Democracia, mas ainda assim, serão sempre advogados!

Dúvidas de lama!

Dez pessoas em uma sala, oito nazistas e dois judeus: Os oito decidem em votação a cremação dos dois judeus restantes.

Pergunta: Houve decisão majoritária: Sim! Mas houve Democracia? Houve uma votação juridicamente válida? Pensamos que não!

É disso que se trata a tentativa desesperada e ilegal dos governistas em submeter a questão administrativa da convocação do médico-escudeiro a uma instância de voto, quer seja uma Comissão, quer seja o Plenário da Casa.

Hiatos!

A situação da Câmara Municipal, e da prefeitura de Campos dos Goytacazes beira ao surrealismo! Aliás, há muito tempo a descontinuidade, a exceção, a informalidade e o precário viraram regra nessa planície!

Vejam alguns "cacos" de raciocínio que procuro "colar" nesse mosaico de conjuntura:

Do jeito que age, pela posse da médico-escdudeiro, os garotistas da ex-prefeita tentam garantir a possibilidade de um prefeito-de-cabestro, caso a eleição se dê de forma indireta, embora haja um quase consenso de que as eleições sejam diretas, pois o fato que ensejou a perda de mandato se deu antes da metade deste!
Prevenidos, no entanto, não pretendem correr risco!

Assim, o prefeito-clone está em uma dupla saia justa.
Se continuar a "trabalhar contra" a posse do médico-escudeiro, corre o risco de justificar os argumentos daqueles que não o enxergam como fiel ao casal da lapa, e portanto, terá sua indicação como "candidato natural" preterida em nome de outro candidato-ventríloquo qualquer.

Desde já o recado está dado: o prefeito-clone não é da confiança do casal!

Se tentar imprimir uma marca própria, reloteando a prefeitura e seus feudos administrativos que atraia setores descontentes da oposição, que lhe garantam a "governabilidade" necessária para conquistar apoio e capital político para "forçar" seu nome como candidato, correrá em outro risco: transformar a bancada governista em oposição!

Teremos, daqui por diante, a possibilidade de um vácuo institucional perigoso: A Câmara imobilizada pelo boicote governista(ou ex-governista), e do outro lado, um prefeito interino de mãos atadas pela impossibilidade de governar a seu jeito(seja lá o que isso signifique). 

Só a oposição(ou será nova situação?)não enxergou a oportunidade de crescer seu "cacife", e ocupar de vez esse espaço que ficará vazio!

O prefeito-clone ficará sem nada: Sem a prefeitura, e sem a presidência da Câmara.
O presidente-quase-menino da Câmara ficará como mero enfeite.

Tudo até que aconteçam as tão esperadas eleições suplementares!

Bom, e a oposição ficará como sempre: "vendida!"

Pareceres: Nem sempre é o que parece!

Não entendo o regimento da Casa de Leis. Não sou advogado. Ou seja: sou apenas um eleitor e contribuinte, em busca de resolver suas dúvidas:

Ora, o parecer da procurador da Casa, consultor jurídico e legitimado para representar aquele ente de direito público, não tem poder decisório. Serve apenas como orientação ao poder soberano da Mesa e do Plenário, de acordo com a natureza dos atos que devem ser praticados, e da atribuição de quem os pratica, ou não?

Se assim for, não cabe ao Plenário, soberano para as matérias políticas e de alteração de regimento, decidir uma questão que é adminsitrativa, e que para tanto, está regida pelo estatuto normativo da Casa e pela Lei Orgânica Municipal.

Qualquer alteração nessa estrutura, apenas por nova Lei ou nova norma administrativa.

Submeter pareceres contrários a Constituição de Comissão e Justiça é tolher a Presdidência da Casa o seu poder de avocar e decidir pela adoção ou não da medida administrativa em questão: a convocação ou não de vereador, sobre a qual pesa dúvida, que nem o Judiciário, quando instado a fazê-lo dirimiu, e sobre a qual(a convocação)a Lei Orgânica já disciplina!

Se há opiniões(pareceres)contrários, é do Presidente o ato privativo, bem como toda a responsabilidade por decidir, tendo inclusive que responder como autoridade coatora no pólo passivo, caso seja arguida a segurança de suposta lesão de direito líquido e certo!


Caso queiram dar posse ao médico, devem os governistas propor alteração na Lei Orgânica, ou peticionarem ao Judiciário, na vara de competência adequada, sem encenações de consulta ao Juízo Eleitoral incompetente, como já tentaram!

É possível que eu esteja errado, aliás, é bem possível, mas será porque não tenha ouvido ainda nenhum argumento robusto, além das lenga-lengas de sempre e as ameaças de coação pelo rolo-compressor governista?

Ué? Estão juntos?

Se o Partido da República(PR) e o PT do B(Partido Trabalhista do Brasil) estão coligados a nível estadual, porque não há menção da candidatura do Fernando Peregrino, candidato-laranja ao governo do Estado pelo PR, no material do vereador Marcos Bacellar?

Será que ele, o vereador, fará "dobradinha" com o ex-governador?

Como se vê, parodiando nosso gênio Zé Cândido, olhai para  céu, mas não cospe para cima Frederico!

A diferença entre os homens e os meninos!

Não há dúvidas contra a masculinidade de quem quer que seja! E nem isso é importante! A questão é simples: Coragem, e esse não é atributo dos homens, embora o adágio: "Há horas em que os homens diferem dos meninos", seja eminentemente masculina. Uma questão cultural machista.

Mas feitas as correções de gênero, vamos à vaca fria:

Se ceder as "pressões" da bancada governista, e colocar a questão da posse do escudeiro-médico em pauta, o presidente-quase-menino da Casa de Leis colocaria seu nome entre aqueles os quais faltaram guts(gíria estadunidense) para enfrentar momentos delicados aos quais estiverm submetidos!

Nem sempre a coragem rima com avançar, é bem verdade, e em algumas situações, é preciso mais coragem para recuar!

Não é o caso.

Se respaldado por parecer jurídico emitido pela atual procuradoria da Casa, e ainda ciente de que qualquer erro de avaliação seu ainda poderia ser "corrigido" pela Justiça, o presidente-quase-menino, ainda assim, decidir colocar o assunto para a deglutição do monstro governista majoritário, cederia a opinião daqueles que o consideram menor do que o cargo que o ocupa! E essa é a primeira morte de um homem público!

Na verdade, poderia ser uma onda de vaidade a percorrer-lhe a razão, haja vista que não tomou as providências regimentais e administrativas cabíveis para o boicote de quórum que tem  sofrido, e que o colocaria na função de mero enfeite parlamentar nesse final de legislatura. A segunda morte de um homem público, quando a vaidade ocupa o espaço do senso de dever público!

Poderá passar a História como Homem, o presidente. Ou como menino, ou seria, um garotinho?

Eu acredito que não! Creio que chegou a hora do presidente-quase-menino virar gente grande! Vamos torcer!

O sucesso do bem contra o mal 4!

Essa série nunca terá fim. O bem sempre terá sucesso contra o mal! Por isso, desnecessária sua marcação cronológica com a numeração. Essa medida é "puramente estética", para marcar a correlação entre os fatos, e sua perenidade.

O "bem" não vence o "mal" por milagre, ou acaso divino, com querem alguns!

Alguns pretendem que a História de se dê em episódios estanques, incomunicáveis, sem relação de causa e efeito: São os triunfalistas ocidentais cruzados neocons, ou simplesmente, a turma do eixo do bem, contra o eixo do mal. Os que gozam com os editoriais do pit-bonner e sua poodle-bernardes, ou se deleitam com as páginas de veja ou de outros canalhas do PIG!

Se púdessemos roteirizar essa saga, teríamos elementos da Matrix, com Cães de Aluguel e Pulp Fiction, salpicados pela latinidade universal regionalista de Gláuber Rocha, com argumento de Franz Kafka.

Assim situamos o mundo-oriente. Sem orientação.

Agora, com a saída dos marinees  e GIJOEs, cruzados do bem, do solo impuro iraquiano, tudo está bem, pois alguém disse: "Só há justiça no caos!"

Depois de um "processo kafkaniano", que justificou a invasão pela "presença de armas químicas", com escalada de violência, arbítrio e humilhação para "semear democracia", os estadunidenses e sua "coalisão" deixam o Iraque muito "melhor" que encontraram:
Afinal, se antes o assassinato era obra de um só ditador, agora a versão livre mercado da chachina diária não encontra regulação. Temos a quintessência do darwinismo liberal, onde todos se matam, e só os mais fortes, econômica e militarmente falando, sobreviverão.

Do outro lado do balcão, empresas amigas, sempre prontas a "assessorar" no que for preciso: armas, mercenários, planos, obras e contratos!

A estimativa é que o "governo iraquiano" terá que contratar um número enorme de "consultores privados em segurança", o que significa na frieza dos números: 7.000 mercenários para "garantir a paz".

Um "ótimo negócio", na medida que o orçamento público estadunidense não comporta mais o "esforço de guerra", está na hora de "repassar o bastão" à livre inciativa! Viva a "war on terrosim!"

Algo parecido com o que fazem na América Latina com sua versão "war on drugs". O México que o diga!

Paradoxalmente serem, de forma crescente e irreversível, os maiores consumidores de cocaína do mundo, sem que os seus níveis de criminalidade interna correspondam a tese de que o simples uso de drogas proscritas incrementem a violência, haja vista o relativo clima de paz social experimentado pelos EEUU, os nossos bwanas exportam a violência pela proibição da produção e comércio, e de "quebra" nos vendem "a solução" para o problema: Helicópteros, blindados, M-16, e toda tecnologia para "militarização de nosso policiamento urbano", enquanto na outra ponta, o nosso e o sistema financeiro deles "lavam" o dinheiro dessa lucrativa atividade, garantidos pelo sigilo bancário constitucional!

Há um "bônus", que havíamos esquecido: Como na guerra ao "terror", sobra a possibilidade de "rotular" Estados como narco-traficantes, ou narco-terroristas, de forma a enquadrar governos nos limites dos interessses geopolíticos e geoeconômicos de Washington D.C.!

Estados-terroristas e Estados-traficantes! Quem não se une ao EEUU contra eles, é cúmplice! A despeito de que as empresas dos EEUU lucrem horrores com as atividades que dizem combater!

Pensando bem, não há dúvidas porque o Império é "o império!"

E pelo tempo, e pelos espaços, desde México até a Vila Cruzeiro, ou nos confins de prá lá de Bagdá, contam-se os corpos: Um justo preço pela pax, ou não?

quarta-feira, 18 de agosto de 2010

A judicialização da política e a banditização da Justiça!

Todos já discorreram à vontade sobre o processo que experimentamos, com a extrapolação dor poder Judiciário, que passou a ocupar o espaço(vago, é verdade)legislativo e, por conseqüência, se trannsformou em nova instância de disputa política-partidária.

Os efeitos desse processo são muitos.

Um deles, assistimos agora:

O atentado a um presidente de TRE, do Sergipe. Quanto mais se mistura a uma atividade que não lhe diz respeito, mais corre o risco de ser tragado pelos calores da disputa, nesse caso, mortais!

Não conheço o caso, não sei nada sobre o Inquérito, mas a pouquíssima experiência que tenho na Polícia me diz:

Esse tipo de "bronca" não se dá apenas por descontentamento com uma decisão ou sentença. Quem tem "poder e disposição" para um ato desses, com certeza dispõe de "milhões de argumentos jurídicos" para demover qualquer "obstáculo processual".

O crime se assemelha mais ao bom e velho "acerto de contas", onde uma das partes "cobra" com a vida(ou pior, com a morte) o que foi prometido, e não entregue, na linguagem da bandidagem: "um banho!"

Tenho certeza que essa será uma das possibilidades aventadas na averiguação, embora que, para a boa saúde e "credibilidade" da Justiça, ninguém irá admitir tal hipótese, até que se confirme!

Para reiventar a roda!

O auto-elogio é uma praga. Possui efeito similar às piores substâncias psicoativas, sejam elas legais ou não. Por isso, aqueles que vivem de "vender notícia", necessitam autopropagandear seus "dotes visionários", como forma de estabelecer uma "confiança nos seus prognósticos". Até aí nada demais, cada atividade estabelece normas de mercado próprias. Mas todas essas "regras" de sobrevivência dependem de um esteio ético.

Assim, o jornalixo é a versão "junky" da liberdade de imprensa. Ela não só se contenta em tentar "acertar" o futuro, ela vai além, a manipula os fatos na expectativa de criar uma realidade que se amolde às suas previsões, e desta feita, justifica a si mesmo. Uma espécie de personagem e narrador ao mesmo tempo!

A diferença que separa o jornalixo do jornalismo é tênue, e nem sempre está á olho nu dos incautos. E não cabe aqui nenhum apelo à censura. As sombras só se dissipam a presença de mais luz, nesse caso, mais liberdade.

Agora, no afã de parecerem sabedores de todos os meandros da política local, nossos baluartes do jornalixo reiventam a roda.

Desde 11 de agosto, esse blog alerta para o que se passa na Câmara. 

quarta-feira, 11 de agosto de 2010


Em fogo lento! 


Muito antes, já dizíamos que a questão deverá ser resolvida na Justiça, uma vez que o atual presidente da Casa não parece inclinado a ceder as "pressões" a bancada governista, e aliás, essa "pressão" só acontece porque tem quase certeza da derrota no Judiciário. Falávamos isso em 23 de julho, e falamos antes também:

sexta-feira, 23 de julho de 2010


Chorando na cova errada!


Mas somos gênios? Oráculos? Adivinhos? Qual nada, basta um pouquinho de bom senso e observação, e só! Querer vender isso como poder "paranormal" é um embuste! É isso que a "mídia tradicional" deseja emplacar: A sensação que dominam todos os "elementos da natureza política" da planície.
No entanto, como vêem, até um policial semi-analfabeto como eu pode enxergar as coisas que eles publicam como o Novo Código da Vinci, ou o mapa das Minas de Salomão. Ou quem sabe, o projeto da reinvenção da roda!

A agenda do Chico.

Está lá no blog do Núcleo. Nós copiamos e compartilhamos com vocês a agenda da candidatura do Chico D'Ângelo na cidade:

18 de agosto (4ªF)
Panfletagem UCAM 18h

19 de agosto (5ª F)
Panfletagem IFF Centro 7h e 17h30min
Agenda do candidato

23 de agosto (2ªF)
Panfletagem FDC
7h e 17h30min

24 de agosto (3ªF)
Panfletagem João Barcelos Martins (Horto)
7h e 18h

25 de agosto (4ªF)
7h - Panfletagem Anglo
17h - Anglo e Liceu

26 de agosto (5ºF)
7h e 17h30min
Universo

O sucesso do bem contra o mal 3!

Seja por proeficiência acadêmica, seja por intuição empiricista(como é o nosso caso), todos sabemos que não se pode impor a um Estado soberano, qualquer que seja o seu regime, ainda que antidemocrático ou tirano (bem ao gosto das palavras dos triunfalistas cruzados neocons maniqueístas ocidentais), o seu modelo de Democracia, o quer que isso signifique!

Os resultado estão gravados na História! Recentemente, os EEUU e sua "trupe do bem contra o mal" experimentaram os resultados de suas teses "libertadoras", vide os casos do Iraque, e agora, com tintas tão ou mais sangrentas, o Afeganistão.

Por favor, nos poupem das simplificações que comparem a atual "war on terrorism" com a Segunda Guerra Mundial, por exemplo. Seria um erro grostesco, que poderia beirar a má-fé! Naquele caso, havia uma agressão de fato, e um a estratégia de expansão por parte de um regime(o nazista), que ameaçava o já frágil equilibrio mundial, debilitado por outro conflito de escala global, a Grande Guerra.
Assim, em determinado momento, houve um consenso razoável de que o nazismo deveria ser varrido do mapa, como foi, junto com seus sócios menores, italianos e japoneses, esses, por sinal, varridos literalmente em Hiroshima e Nagasaki.

Embora o vício por analogias simplistas empurrem as análises para um equiparação rasa de dois fenômenos com causas, processos, atores e efeitos distintos, é nossa responsabilidade dizer quantas vezes for necessário:

No caso atual, a tentativa de impor ao Irã a gestão de seus recursos nucleares pela força(sanções econômicas)apenas fortalecerá o regime que se pretende derrubar. Fornecerá ao regime de Teerã os "motivos" para enquadrar todos os opositores dentro da categoria de traidores da pátria, por se "aliarem" aos inimigos externos, que trazem com suas sanções econômicas, mais sofrimento aos iranianos.
Outro efeito "prático" dessas sanções é que se o Irã já resistia a idéia de se submeter a qualquer regulação sobre seus propósitos nucleares, a partir do momento que vigirem as sanções, e rompido o diálogo diplomático, todos os seus passos estarão sob o manto da clandestinidade e do segredo absoluto.

Leia parte de um texto que reproduzimos da Al Jazeera Magazine. É da lavra de Dr Islam Qasem, analista estratégico do Hague Center for Strategics Studies e professor da Leiden Univesity, na Holanda.
Suas palavras desmontam a falsa dicotomia: Sanção ou guerra, que traz em si o abandono da via diplomática como meio permanente de persuasão.
 "(...)Sanctions have neither stopped Pakistan from acquiring the nuclear bomb nor forced North Korea to denuclearize. On its way to developing a nuclear bomb Pakistan was denied US economic and military aid. North Korea has been the subject of multiple waves of sanctions imposed by the U.S., Japan, and South Korea, but no economic bust is bad enough to moderate the Supreme Leader. The lesson is clear—sanctions hurt, but do not break determination. (Sanções nunca pararam o Paquistão na aquisição da bomba nuclear ou forçou a desnuclearização da Coréia do Norte. De modo próprio para desenvolver uma bomba nuclear Paquistão renunciou a ajuda econômica e militar. Coréia do Norte tem sido sujeita de múltiplas ondas de sanções impostas por EEUU, Japão e Coréia do Sul, mas nenhum golpe econômico é ruim o sificiente para moderar o Líder Supremo. A lição é clara-sanções ferem, mas não quebram a determinação.)


With sanctions are destined to fail it is only a matter of time until wem are back between the rock and hard place, between Iran armed with nuclear weapons and war with Iran. By then, however, the die is cast. The sanctions will have widened the gap of mistrust between Iran and the West. Treating Iran as an outlaw state will cast a shadow of doubt about Western intentions among Iranians of all stripes.(Com sanções destinadas a falhar, é apenas um problema de tempo até que estejamos de volta entre a rocha e um lugar duro, entre um Ira armado com armas nucleares e uma guerra com o Irã. As sanções terão alargado o tanto de desconfiança entre Irã e o Ocidente. Ameaçando o Irã como um estado fora-da-lei criará uma cortina de dúvidas sobre as intenções ocidentais entre os iranianos de todos os tipos.)

Sure the sanctions will bite, but choking off the economy will also inflict a great pain on civilians—hardly the right way to earn the hearts and minds of Iranians. Instead, they will bolster the popularity of a bankrupt regime. Ahmadinejad strives on playing the heroic role, standing up for arrogant Western powers. In effect, the sanctions would allow the regime to mobilize the sympathy of people, and isolate and undermine growing opposition groups.(É certo que as sanções atingirão, mas esatrngular a economia também infligirá um grande sofirmento nos civis-dificilmente um jeito de ganhar os corações e mentes dos iranianos. Ao contrário, as sanções inflarão a popularidade de um regime falido. Ahmadinejad sobrevive atuando como um herói, se levantando contra o poder Ocidental. A efeito, as sanções permitiriam ao regime mobilizar a simpatia da população, e isolar e minar os crescentes grupos de oposição.)

The sanctions will have banged the drums of war by fueling mistrust and suspicion. With fear breeding on our side and secrecy increasing on that of Iran, the use of force becomes increasingly legitimate. A war with Iran would be a disaster, with far more implications for the than anything else the region has seen since the creation of Israel in 1948. Iran is a powerful country with over 70 million people, and one of the world’s largest producers of oil and gas. It oversees the Straight of Hormuz, which is a transit way for 40% of the world’s oil flow, and within striking distance from 45% of the world proven oil reserves. The consequences are dire. The military attack will instigate islands of instability throughout the region, from Afghanistan to Lebanon; it will jeopardize world’s oil supply and threaten the global economic recovery; it will destabilize relations among world major powers and increase the likelihood of an all-out war with Israel. Indeed, no rational whatsoever can justify “the strike option,” except lunacy.(As sanções irão rufar os tambores de guerra alimentando a desconfiança e a suspeita. Com medo crescendo do nosso lado e o segredo crescendo do lado iraniano, o uso da força tornarar-se demasiadamente legítimo. Uma guerra com o Irã será um desastre, com implicações muito mais graves que a região já assistiu desde a criação de Israel, em 1948. Irã é um país poderoso com cerca de 70 milhões de pessoas, um dos maiores produtores mundiais de petróleo e gás. Ele alcança o estreito de Hormuz, o qual é passagem do fluxo de 40% do petróleo mundial, e o qual encurta a distância de 45% das reservas de provimento mundial de petróleo. As consxeqüências são graves. Um ataque militar detonarão pequenas ilhas de instabilidaed regional através da região, do Afeganistão até o Líbano; ameaçará o suprimento mundial de petróleo e crescerá ao sentimento de solidariedade numa guerra total a Israel. De fato, nenhum argumento racional pode justificar a "opção de ataque" a não ser lunatismo.)

The way forward begins with dismissing the false dichotomy and acknowledging that the international community has not run out of options. While there is no ready-made, bulletproof solution to derailing Iranian pursuit of a nuclear weapon, there is no doubt that neither war nor sanction is a superior substitute for the processes of direct negotiation, persuasion, and inspection. Alas, in opting for sanctions, the EU has marginalized the instrument of dialogue and made a bad situation worse. (O caminho a frente começa desmascarar a falsa dicotomia e reconhecendo que a comunidade internacional não está sem opções. Enquanto não exista um ultimato, ou solução a prova de balas para desencorajar o Irã de possuir uma arma nuclear, não há dúvidas que nem uma guerra ou sanções são substitutos superiores a um processo de negociação direta, persuasão e inspeção. Aliás, opotando por sanções, a União Européia marginalizou o instrumento de diálogo e fez uma escolha pela situação pior.)


Nota:A tradução não é literal, portanto, perdoem os erros, pois nosso inglês é sofrível, mas por outro lado, preferimos arriscar para aprender a contar com a facilidade dos tradutores automáticos: