sábado, 31 de julho de 2010

Inventários da senilidade!

Foi ontem, no MPBar, a reunião dos fósseis da Juventude Petista, a não-instância mais famosa que o Partido dos Trabalhadores em Campos dos Goytacazes já produziu, o que, em se tratando dessa cidade, não é pouca coisa!

A primeira cosntatação explica muito do que éramos, e muito do que deixamos de ser. Nunca fomos uma esfera orgânica do Partido, mas isso pouco importava, pois o liame político que nos unia parecia superar qualquer necesidade organizativa-estrutural mais formal. O tempo se encarregou de demonstrar o contrário, e assim como nas culturas e nas sociedades, a "tradição oral" não é suficiente para perenizar laços institucionais que façam a tradição(entrega)do legado aos sucessores.
Em grande parte, o tamanho dos egos de cada "liderança", a cada tempo, se encarregou também de soterrar o espírito de corpo, mas como tudo tem seu lado bom, impediu que personalidades tão fortes se diluíssem em esquemas e nos grupos que assaltaram a cidade! Se é que isso importa, nos mantivemos íntegros!

A Juventude Petista não formou quadros sucessores, e o Partido dos Trabalhadores perdeu importante referência para sua reoxigenação e formação política, é como, em uma analogia futebolística pobre, tivéssemos ficado sem nossa "categoria de base" ou "escolinha"!

Verdade seja dita que o movimento de despolitização da juventude não foi um fenômeno localizado, cuja "conta" não deve ser "debitada" apenas em nossas incapacidades crônicas. Foi um fato de escala mundial, a reboque da individualização massificada do neoliberalismo, que transformou as novas gerações, na sua quase totalidade, em andróides replicantes, violentos e egoístas! Avessos a qualquer tipo de mobilização coletiva, a não ser a esterilidade de comunidades virtuais!

Mas por outro lado, se efetivamente os laços mais frouxos não perpetuaram todo aquele pequeno capital político que construímos, e a solidariedade que experimentamos, foi justamente essa leniência que nos trouxe até aqui, e permitiu reecontros como o de ontem. Esteticamente desfavoráveis, as lembranças ao menos divertem, e como divertem!

É possível notar na composição da mesa, com professores universitários, como Vítor Menezes, doutores como Marcos Henrique, Gustavo Carvalho e Renato Barreto, mestres como Gustavo Lopes e profissionais respeitados, como nossa Ana Paula Motta, que a Juventude Petista cuidou, cada qual a seu modo, de sua qualificação profissional, e sem dúvidas, são os melhores no que fazem!

Mas isso bastou? Certa altura, entre risadas, petiscos e bebericadas, eu disse: "Pois é, aqui estamos, e não chegamos ao poder".

Fui "saudado" com apupos, como se agisse com estraga prazeres, ou um "baixo astral". Isso também é verdade, mas não é toda verdade!

O fato de não termos chegado ao poder, de não termos transformado tanto a realidade como supúnhamos, traz algumas conclusões:
Se por um lado é verdade que não soubemos como fazê-lo, associado ao fato de que a História não nos "escolheu", por outro lado, se olharmos essa cidade e seus mandantes, e todo o lodaçal que nos cerca, podemos respirar e dizer que para chegar aonde chegaram, da forma como chegaram, foi melhor ficar onde estamos!

É lógico que isso adianta pouco, e pode parecer apenas choro de perdedor, "exclusivismo elitista", ou outro recalque qualquer! É um pouco disso também, não tenham dúvidas, mas é muito mais.

Eu creio que existe espaço para um grupo grande de pessoas nessa cidade, independentemente dos caminhos que cada um trilhou pessoalmente, para retomar a luta por uma cidade melhor! É esse incômodo que sentimos, apesar de conseguirmos reunir pessoas que são "bem sucedidas", seja lá o que isso queira dizer: Quem sabe bons casamentos, filhos, carro, algum dinheiro, conforto, reconhecimento público, etc.

Falta-nos algo!

Há espaço para um sonho coletivo, e naquela mesa de ontem, por mais que os cínicos digam que é o único lugar onde nos unamos, pude perceber que alguma coisa em nossa biografia não está como gostaríamos.


Com certeza essa lacuna nunca se complete mas ontem, eu percebi que ainda assim, nunca nos cansaremos de tentar preenchê-la!

Esse sentimento não nos torna "iluminados" ou "detentores de uma verdade universal".

Mas com certeza nos distancia daqueles que passam pela vida sem percebê-la, ou daqueles que só percebem o que lhes interessa.

E se isso funciona como consolo a quarentões adaptados(pero no mucho), podemos dizer, sem medo de sermos felizes, e com o sucesso de Lula e do nosso governo, que nós tínhamos um bocado de razão no que queríamos.

Salve a Juventude Petista!

6 comentários:

walnize carvalho disse...

Caro Douglas,
Emocionei com seu "inventário"!Como mãe de um dos membros deste grupo saudável relembro das noites insones à espera do filho.
Valeu!
Walnize

douglas da mata disse...

Cara Walnize,

"Toda e qualquer" repercussão que pudesse esperar não se compara a satisfação que tive ao ler seu comentário.

Sem desprezar outras manifestações, sejam de apoio ou de crítica, partilho com seu filho a sensação de que estávamos, e estamos, no lado certo, e se tudo não der, ou não deu em nada, pelo menos pudemos encher nossas mães de orgulho, ao contrário de outros tantos!

Obrigado.

Gustavo Carvalho disse...

Ahhhh! Muleque!!!! Saudações petistas para "batatinha" o terrível. Abraço

Anônimo disse...

Linda a postagem, porque esse grupo não se junta de novo e continua a luta. Torço por vocês!!!

Anônimo disse...

A guerra ainda não acabou, todos contra o "garotismo", é isso que eu espero de vocês.

Anônimo disse...

Ainda há tempo, não deixe nunca de lutar. Teremos outra eleição e esse grupo pode ser importante não só na luta pelo voto como na composição de uma grande governo depois.
Os poetas são angustiados por natureza...
Continue na trincheira, o povo de campos agradece.