quinta-feira, 1 de julho de 2010

Campos dos Goytacazes, espelho do Brasil!

Eu nem sei bem se Getúlio Vargas disse mesmo essa frase.

Mas o que importa é que seu conteúdo a legitima para figurar com se fosse pronunciada por um dos maiores estadistas do mundo.

Ainda que consideremos a incorreção antropológica, uma vez que toda cidade e localidade são, per si, espelhos do Brasil, seduz a idéia de resumir aqui, nessa planície enlodada, boa parte de nossas qualidades e ignomínias.

Mas diante do quadro que enfrentamos nos últimos vinte anos, desde que o Muda Campos mudou Campos dos Goytacazes, para o bem ou para o mal, de acordo com a assistência, e ou do enfoque do interlocutor, eu só posso dizer que nossas qualidades, que nos alçaram a condição de destaque no cenário nacional, como enclave sucroalcooleiro, pólo cultural, que deu-nos o primeiro presidente da República negro, escasseiam e correm pelo ralo da nossa História.

Na contramão do país, que experimenta um ciclo incomum de paz institucional(salvo as "quarteladas do PIG") e prosperidade econômica com desenvolvimento humano inédito, Campos dos Goytazazes é agora o verdadeiro espelho do Brasil, na medida que todas as imagens ali são refletidas ao contrário.

Sim, pois como dissemos, se no Brasil temos prosperidade, que pode, de forma simplista, ser entendida como riqueza partilhada, em Campos dos Goytacazes temos riqueza concentrada e, pior, desperdiçada por uma "nova elite" que reúne os piores requisitos, talvez só encontrados na era pré-colonial: rapinagem e parasitismo.

Por outro lado, se o Brasil assiste a incorporação de grandes massas populares no processo decisório, e se essa massa, antes amorfa, deixa, gradativamente, de ser "tangida" pelo sistema ideológico do capital e seus sócios da grande imprensa, se o JN e cid moreira da globo não ganhem mais eleição, por aqui descobrimos que todos os nossos mandatários foram ungidos pelas redações, que mantêm sob controle: mediato ou imediato, dependendo do órgão e da facção política a que ele sirva, e se sirva!

Se o Brasil passou a ser respeitado como nunca no tabuleiro geopolítico internacional, fazendo-nos sentir orgulho incomum, para além das quatro linhas e das escolas de samba(as únicas coisas que conseguíamos fazer bem, em escala planetária), Campos dos Goytacazes passou a ser um transtorno de naturalidade, ou seja: Envergonhamo-nos de ser daqui!

Se no Brasil, uma mulher com militância de resistência, independência e pulso, além de talento incomum, apareça com grandes chances de continuar o legado do presidente mais popular da História, por aqui, uma mulher enodoa a causa feminista, e se porta como mera caixa de ressonância dos desejos do marido, uma amélia com mandato, que levou os destinos da cidade a uma encruzilhada, ou a um buraco negro que "suga" tudo e todos em volta.

A única coisa que Campos dos Goytacazes ainda se assemelhe ao Brasil, embora por motivos distintos é: A oposição é horrorosa!

Se no Brasil as urgências são levadas a sério, em Campos dos Goytacazes tudo é grave, mas nada é sério!

Um comentário:

Roberto Torres disse...

Belíssimo texto Douglas. Parece que todo o processo social que levou a este espelhamento (invertido, como voce disse) se deixa condensar na diferenca entre as liderencas de Lula e de Garotinho, para além de uma questao torpe de caráter.

O sucesso de Lula, sua carreira política, se baseia na melhoria de vida e da seguranca de sua base social mais pobre, enquanto Garotinho constrói sua carreira dependendo de que os pobres nao se sintam mais seguros e dependam sempre dele.

Por mais que a mídia tenha tentado construir a imagem de uma "Rosinha do Lula" para a Dilma, já está ficando bem claro que isso é mentira; que ela nao só tem personalidade, mas que junto disso representa algo maior que engloba ela e Lula, e nao só eles.

Por mais que possamos levantar a hipótese de que o PT tende a se burocratizar ainda mais, perdendo sua "energia utópica" - o que vejo como algo possível, mas nao necessário - o fato é que hoje o PT tem identidade e projeto nacionais com os quais sua base social se identifica. A transferencia de votos só é possível porque a identificacao com Lula vai se despersonalizando, ao contrário de Garotinho.

um abraco,