terça-feira, 22 de junho de 2010

A crônica de uma morte anunciada: agonia na Last Mile(*)!



Nunca houve na história da curta dinastia da Lapa, um período tão ruim como esse.
Mas, o que é ruim, pode e vai piorar, na medida que todos sabemos que não se trata apenas de um revés momentâneo, mas sim do início do fim, o ocaso de um ciclo que foi adiado por manobras, inquisições radiofônicas, espetáculos, greves de fome, queima de pneus, manifestações à soldo, apoio alugado das entidades da socidede paracivil/paraestatais, e por fim, chicanas jurídicas conseguidas à peso de ouro!

Nada mais resta aos garotistas, pois todos os argumentos se voltam contra quem os profere. Pois vejam a tese da conspiração persecutória.
Não é que ela não exista.
Ao contrário, é bem provável que o governador Cabral Jr tenha acordado a tempo, e utilizado o governo ao menos para algo em seu favor, já que administrar que é bom, ele nunca pareceu inclinado a fazer.

A questão crucial para o grupo garotista é que ninguém se importa, e mais: todos torcem para que a perseguição se "transforme em execução em praça pública", como um ato de vingança e desagravo pelos atos executados pelo casal enquanto detinham poder para tanto.

Como se vê, cada sentimento que o casal desperta é um atentado a Democracia, um acerto de contas, nesse caso revestido pelos atos processuais da Justiça Eleitoral, o atual "dono" do poder originário.

Quando se chega a esse ponto, não há retorno, e cada gesto de reação exala o cheiro de morte e desespero!

Caberia a quem tem o poder de aconselhá-lo, se é que isso é imaginável, colocar as cartas na mesa: Do jeito que vai, não haverá espólio para entregar aos herdeiros de sangue, e políticos.

Um mandato parlamentar, uma prefeitura com dinheiro, mas sob a mira de todos, rádio, jornal de péssima qualidade e nenhuma confiabilidade não são capazes de funcionar como plataforma dos projetos políticos que subordinaram todos que estiveram junto com o ex-governador, ou seja: Tornar-se presidente, mas não do Brasil, mas de si mesmo e de sua vaidade. Não conseguiu nem uma coisa, nem outra!

Que entre o pastor, para as últimas orações.
Que venha a última refeição.
Raspem-lhe o cabelo,
Vistam-lhe as fraldas geriátricas.

É chegada a hora da execução do garotismo!
E não haverá perdão de última hora.

O diabo veio cobrar a conta do "acordo", e pelo jeito vai levar mais algumas almas de troco, porque a que foi vendida já vale bem menos!



(*)Last Mile(última milha): como é chamado o corredor da morte(death row) pelos presos nos EEUU que aguardam a execução.

Um comentário:

Anônimo disse...

...e esse dia que não chega...mas já estou muito feliz antecipadamente!